terça-feira, 23 de maio de 2017

Os interesses de Portugal

A meu convite, António Vitorino falará hoje na Universidade Autónoma de Lisboa sobre os interesses que Portugal tem e deve proteger na Europa. 

Esta é a segunda de uma série de conferências, numa organização conjunta da UAL e do jornal "Público", que juntará um qualificado grupo de especialistas que identificarão e abordarão, setor a setor, os interesses portugueses na ordem externa, neste tempo complexo de rearranjo da ordem internacional.

É uma indiscutível certeza não haver em Portugal ninguém mais qualificado do que o antigo ministro, deputado e comissário europeu António Vitorino, que durante seis anos presidiu à Fundação Notre Europe, criada por Jacques Delors, para falar do tema europeu e do papel de Portugal neste projeto.

Assim, quem se quiser atualizar sobre Portugal e a Europa tem hoje uma oportunidade única para o fazer, pelas 18 horas, na UAL, na Rua de Santa Marta, 56, em Lisboa.

Manchester

A Grã-Bretanha é uma ilha. Os controlos fronteiriços são muito mais fáceis de aplicar numa ilha. 

Além disso, o Reino Unido nunca fez parte do acordo de Schengen, o que confere uma proteção acrescida ao seu território. 

O Reino Unido tem assim melhores condições do que qualquer outro país europeu para se proteger de infiltrações exteriores.

E, no entanto, para além dos atos violentos de terror, no passado, por motivações separatistas, o Reino Unido foi já severamente fustigado por atentados terroristas inspirados pelo radicalismo islâmico. 

Até hoje, se bem me lembro, nenhum ataque terrorista no Reino Unido foi cometido por alguém infiltrado no país, mas sempre por cidadãos já nele nascidos. 

O terrorismo contemporâneo, está hoje provado, tem menos a ver com a circulação de pessoas através de fronteiras e muito mais com a livre propagação dos fanatismos - e essa não tem barreiras. 

Em Manchester, uma vez mais, ficou provada outra velha realidade, com que temos de viver para sempre: é muito difícil impedir alguém de cometer um ato terrorista se essa pessoa estiver na disposição de morrer para o praticar. 

Forum parlamentar luso-espanhol

Síntese dos tópicos que usei na intervenção que ontem fui convidado a proferir na sessão de abertura do Forum parlamentar luso-espanhol:
  • Virtualidades da diplomacia parlamentar na política externa e europeia. Reforço da legitimidade europeia através dos parlamentos nacionais.
  • Articulação hispano-portuguesa na construção europeia. "Lessons learned"
  • A imperiosa necessidade da "atualização" dos modelos de cooperação transfronteiriça existentes.
  • A questão da "ilha energética" peninsular, os problemas das interligações com França e o que sobra (ainda) para a nossa agenda bilateral. 
  • Almaraz e o problema da confiança, no seio da "cultura de vizinhança" na Península. Questão é muito mais do que energética, ambiental, de segurança física e territorial. Importante que Espanha perceba bem a sensibilidade da questão entre nós.
  • Crise europeia. Estado da arte e razões de preocupação. Ensaio de explicações.
  • As incógnitas europeias sobre a "nova" França.
  • Papel agregador do euro. O que falta completar da União Económica e Monetária. As lacunas da União Bancária. A "aposta" peninsular no euro.
  • As "hesitações" alemãs sobre a UEM. O "Catch 22" em que Berlim pode fazer cair a Europa.
  • Os cenários dos Livro Branco da Comissão Europeia. A "inevitabilidade" e os "riscos" da integração diferenciada.
  • Um orçamento para a zona euro. A necessidade imperiosa da evolução do Mecanismo Europeu de Estabilidade para um "fundo monetário europeu". A fuga à intergovernamentalidade para o combate aos futuros choques assimétricos. A ideia do subsídio de desemprego europeu e outros instrumentos "sociais", como fator compensatório da "centralização" institucional em torno do euro.
  • O efeito Brexit no futuro orçamental da UE. A aparente dualidade de posições de Portugal e Espanha na avaliação do relatório Monti sobre recursos próprios.
  • A discussão sobre a sustentabilidade financeira dos avanços sobre a defesa e segurança no cenário europeu. O efeito Trump na segurança europeia.
  • Nota final: Portugal e Espanha nas relações externas da União. Necessidade de um urgente impulso no acordo comercial UE-Mercosul.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

O dia adversativo

Grande dia foi o de hoje para as adversativas: mas, porém, todavia, contudo, no entanto, não obstante...

Vemos, ouvimos e lemos: não podemos deixar de sorrir.

domingo, 21 de maio de 2017

Rebuçados da Régua

Há uns meses, levei uns amigos brasileiros a um passeio pela zona do Douro. À chegada à Régua, expliquei-lhes que uma das coisas mais típicas da cidade, para além da mais pequena barbearia do mundo, eram os seus rebuçados. 

Essa doçaria é uma coisa muito simples: é praticamente açúcar em ponto, deixado arrefecer, embrulhado em papel branco. A graça está em quem o vende, umas senhoras de avental ou bata branca, com umas cestas de verga, sentadas sob as árvores junto à estação do caminho de ferro. No passado eram senhoras muito idosas, nos últimos anos a venda estava já rejuvenescida.

Chegados nesse dia ao largo da estação, nada de vendedoras! Fiquei desiludido e perguntei pelas "senhoras dos rebuçados" a um dos taxistas no local. Foi-me dito que já não apareciam com tanta frequência, mas lá se conseguiu comprar rebuçados numa tabacaria próxima. Mas, confesso!, saí da Régua "de orelha murcha". A Régua sem rebuçados era como Vila Real sem covilhetes! 

Hoje, durante uma função oficial, jantei ao lado do edil-mor da Régua e, como antes se dizia, "lavrei o meu protesto". E não é que fui informado que as senhoras dos rebuçados continuam, que nesse dia deviam ter ido "para os barcos", que a Câmara até providencia os aventais/batas brancas e tudo?! 

Assim sim, porque eu sou daqueles que não gostam que lhes troquem as voltas e mudem aquilo a que se habituaram a ter como cenário confortável de vida. O nome para pessoas assim é "reacionário", não é?

sábado, 20 de maio de 2017

Gilberto Ferraz

Morreu Gilberto Ferraz. Chegou-me agora a notícia, de Londres. 

Às vezes me pergunto onde conheci, pela primeira vez, o Gilberto Ferraz. Posso estar equivocado, mas tenho a impressão de que foi nas manhãs da TSF, nos anos 80, no meio daqueles noticiários e "gingles" trepidantes, que escutei pela primeira vez a sua voz. Como milhares de portugueses, podia receber, cada manhã, sínteses precisas sobre o modo como a imprensa britânica via o mundo, o seu e dos outros. 

Um dia, numa passagem por Londres, coloquei finalmente uma cara naquela voz. Quando, tempos mais tarde, me mudei para ir trabalhar para a capital britânica, na nossa embaixada, passei a contar com o Gilberto Ferraz como um interlocutor regular. Construímos então uma boa amizade, feita de respeito e estima, pessoal e profissional, que se manteve e reforçou a partir de então.

Gilberto Ferraz foi um jornalista que, desde há muitas décadas havia assentado arraiais "Por terras de sua majestade" - e deixo isto entre aspas, porque esse é o título do seu livro de memórias, editado em 2016, que tive o gosto de prefaciar.

O Gilberto teve um pé na política (julgo que chegou a representante do PSD ou do PPD no Reino Unido), tendo sido também correspondente em Londres do "Jornal de Noticias" e colaborado pontualmente com diversos outros órgãos de comunicação social. 

Paralelamente a tudo isso, trabalhou, durante décadas, na famosa "Secção portuguesa" da BBC, uma excecional escola de rádio e jornalismo. Em 2012, fui um dia de Paris a Londres e convidou-me para almoçar na Bush House, a sede da BBC, onde notei que ele se sentia verdadeiramente em casa. 

No ano passado, voltámos a ver-nos no seu apartamento em Cascais. Depois, entre os lançamento do seu livro de memórias, em Londres e em Lisboa, morreria Marisa, a sua companheira de muitas décadas. A saúde o Gilberto era já então muito frágil e, com certeza, isso e os anos pesaram agora sobre o desgosto. Desaparece agora. Deixo aqui uma nota muito sentida de pesar por um amigo, um homem de bem e um jornalista sério e rigoroso.

Embaixador em Lutenblag

Gosto dos nomes dos "novos países" que a NATO acaba de criar para os seus jogos táticos na guerra cibernética: Berília e Crimsónia.

Sempre achei graça a estes Estados fictícios, desde a Bordúria e a Sildávia em que Hergé fez circular Tintin. Aliás, é vulgar esquecer que a série não ficou por aqui. Hergé inventou também El-Khemed, San Theodoros e Nuevo Rico.

Nestas ficções geográficas, há três áreas tradicionalmente "privilegiadas": os Balcãs, a América Central e o mundo árabe, com alguma África à mistura. De certo modo, isso correspondia ao "mistério" e menor conhecimento existente sobre essas geografias. A literatura e o cinema estão cheios desses reais imaginários e, entre eles, há nomes deliciosos, na sua sonoridade e inventiva.

Há uns anos, numa livraria em Paris, deparei-me com o suprassumo editorial dessa fabulação: entre uma série de guias sobre vários países, surgia um dedicado à Molvânia, um Estado não existente. Trazia referências às suas tradições, usos, figuras da história e literatura, tudo com imensas fotografias e até endereços de restaurantes. Nunca me perdoei não ter comprado esse guia de ficção turística, que espero que venha a ser atualizado com a necessária regularidade, porque a imaginação também se renova. 

Na altura, pensei que Lutenblag, a popular e ao que dizem deslumbrante capital da Molvânia, seria o destino diplomático adequado, por inócuo e inofensivo para os interesses do Estado, para dois ou três colegas com os quais me cruzei ao longo da minha carreira profissional e cuja afeição ao trabalho apenas era compatível com a colocação em postos imaginários. Ah! E que, naturalmente, mereciam ser pagos na respetiva moeda local, porque "isto não é o da Joana"...

Caminhos de ferro

Tenho "mixed feelings" sobre os atuais serviços ferroviários portugueses, que, nos últimos anos, tenho usado exclusivamente entre Lisboa e Porto. Reconheço que os comboios andam geralmente à hora, as carruagens são muito mais agradáveis do que eram, mas - tenho de dizer isto com total sinceridade - continuam ainda muito desconfortáveis. Ou talvez o "defeito" seja meu, ao comparar subliminarmente com alguns TGV que conheço.

Viajei hoje na mais moderna unidade da CP, o modelo Manoel de Oliveira. Limpo, espaçoso qb, mas com bancos muito rígidos. E o "balancear" e a natureza saltitante da viagem são incomodativos (há zonas piores do que outras). Dir-me-ão que a culpa não é da CP, dona do material circulante, é da Refer, responsável pela linha. A mim, que pago o bilhete (barato, na minha opinião) é-me indiferente o "culpado". Estou a ser excessivamente exigente? Talvez, mas é o que sinto.

(Em tempo: não é admissível, em tempo de captação de turismo, que os anúncios por altifalante sejam feitos exclusivamente em português. Foi visível a perplexidade e incompreensão de vários passageiros. E, já agora!, um "upgrade" no "cosmopolitismo" do serviço seria bem vindo, "if you know what I mean")

Portugal - Espanha

Domingo e segunda-feira, em Vila Real, deputados portugueses e espanhóis, com os seus presidentes, respetivamente da Assembleia da República e das Cortes de Espanha, reunem-se para um encontro de reflexão e debate, antecedendo de alguns dias a cimeira onde participarão ambos os governos, e que também terá lugar na capital transmontana.

Recebi o honroso convite para, na 2a feira, fazer uma das duas intervenções temáticas na abertura do debate, focando os grandes desafios europeus, o papel dos dois países peninsulares nesse contexto e as identidades de interesses e perspetivas que nele podem projetar.

Agora Marcelo Caetano

Como aqui assinalei, morreu, há dias, no Rio de Janeiro, António Gomes da Costa, um dos mais destacados líderes da Comunidade portuguesa no Brasil. 

Foi uma figura cuja ação sempre admirei, pela sua empenhada dedicação à promoção de Portugal no Brasil e ao aprofundamento das relações luso-brasileiras. Era um homem profundamente conservador, apreciador confesso das virtualidades do regime derrubado em 1974, crítico regular no novo regime então surgido.

Isso nunca o impediu de manter um relacionamento impecável com os representantes do Estado, em democracia, como foi o meu caso, entre 2005 e 2009.

Num depoimento que hoje enviei para o JL - Jornal de Letras, contei um episódio passado no primeiro encontro que tive com António Gomes da Costa, em inícios de 2005. 

Perguntei-lhe então sobre o estado de conservação da sepultura do professor Marcelo Caetano. Respondeu-me que tinha indicações de que o espaço estava bem cuidado, por pessoas da nossa comunidade. Notei, contudo, a sua surpresa, pelo facto de eu ter abordado o assunto. Expliquei-lhe – e fazia-o com total sinceridade – que era minha preocupação, como embaixador, garantir, durante o tempo que durasse a minha missão no Brasil, que o local onde estavam os restos mortais daquele antigo chefe do governo estivesse preservado com a dignidade necessária, assegurando que a embaixada tinha toda a disponibilidade para auxiliar em tudo quanto, nesse domínio, viesse a ser necessário fazer. 

António Gomes da Costa terá percebido nesse instante que a minha atitude relevava de uma leitura de Estado, muito para além das trincheiras políticas muito diversas que ocupávamos. E julgo que isso contribuiu para que, a partir daí, nos tivéssemos relacionado sempre sem o menor problema. Continuando nós, bem entendido, cada um "na sua", em matéria política.


É que uma coisa que todo o diplomata deve ter sempre bem presente, quando está em serviço no estrangeiro, é que, estando embora sob as ordens conjunturais do governo de turno, ele representa o Estado e é depositário de toda a História que o país carrega consigo. Toda, mesmo.

A situação política no Brasil


Aqui, aqui e aqui.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Sonoridades e pressas

E não é que, num artigo de hoje no JN, escrevi "arlequim e manjerona". "Arlequim" em lugar de "alecrim?" Foi erro, claro, não há desculpas! Estas sonoridades próximas levam-nos a estes lapsos embaraçantes, meia Commedia dell'Arte, meia arte de ervanária. Coitada da Colombina...

Portugal na Europa


Conferência/Debate "Que rumo para Portugal na Europa?", promovido pela Associação José Afonso, em Lisboa, dia 30 de maio, pelas 19 horas

Eleições francesas

Debate sobre "Eleições em França, consequências à escala europeia", promovido pelo IDL - Instituto Amaro da Costa, em Lisboa, no dia 26 de maio, pelas 13.00 horas


Brexit

Participação no painel "The EU after the UK referendum", no âmbito do 38º Colóquio de Relações Internacionais da Universidade do Minho, dedicado a "O projeto europeu: que União?", em Braga, dia 24 de maio, 4ª feira, pelas 14 horas.


Um governo nacional



Em 2012, François Hollande disse querer ser um presidente “normal”, quiçá para afirmar um pretendido contraste com Nicolas Sarkozy, que, com aquele estilo “coelho da Duracell”, cansara e irritara profundamente a França. Hollande acabou por ser apenas um presidente banal, que ficou muito aquém daquilo de que o seu país necessitava, contribuindo, em paralelo, para um imenso descrédito da esquerda socialista que ele reconduzira ao poder. Curiosamente, a direita não foi capaz de cavalgar esse estilhaçar do adversário, envolvendo-se em guerras de Arlequim e Manjerona, dando, no final, uma imagem “affairiste” de si própria, que, por pouco, não abriu espaço a uma tragédia.
Emmanuel Macron foi a resultante hábil que “furou” no meio da onda de desilusão do eleitorado perante as duas famílias políticas tradicionais. O governo que agora apresentou é uma verdadeira não-surpresa, uma espécie de “bloco central”, que junta figuras “óbvias” dos diversos espetros politicos, a que somou algumas caras novas, parte delas com promissores curriculos, numa deliberada e louvável equidade de género.
Sem querer parecer Cassandra, gostava de dizer que se podem antever algumas dificuldades a este novo executivo. Desde logo, porque o primeiro-ministro escolhido, Edouard Phillipe, um homem oriundo da ala mais “aceitável” da direita clássica, pode vir a revelar-se um peso demasiado “leve” para contrabalançar a dimensão de algum “baronato” politico que Macron se viu forçado a cooptar. Desde logo, François Bayrou, o ambicioso centrista que terá criado já problemas nas vésperas da formação do executivo, passando pelos socialistas Gérard Collomb, o “maire” de Lyon que cedo se ligou a Macron, e Jean-Yves Le Drian, um fiel “hollandista”, até a um ambicioso Bruno Le Maire, com o qual o novo executivo tentará seduzir o eleitorado da direita clássica. Uma nota interessante, coerente com a sempre reiterada aposta de Macron no dossiê ecológico, é a escolha de Nicolas Hulot, figura mítica do ambientalismo francês – que até agora tinha resistido a todas as propostas para entrar ativamente na vida política.
Este governo é o “cartão de visita” que Macron vai apresentar perante o eleitorado que escolherá os deputados em 18 de junho. O que conseguir projetar como linha apelativa de rumo será decisivo para se perceber se, depois dessa data, conseguirá ou não uma “maioria estável e coerente”, como se dizia no Portugal pós-abril.
Um belo sinal do novo presidente foi, sem dúvida, a mensagem europeísta que resultou do seu encontro com Angela Merkel. Para Portugal, que tem no êxito do projeto europeu uma parcela significativa do seu interesse nacional futuro, o sucesso de Emmanuel Macron e a eficácia deste seu quase “governo nacional” seria uma muito boa notícia.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Photo opportunity

Um dia, num aeroporto do Brasil, cruzei-me com uma figura ligada a um derminado setor da Justiça daquele país, com quem me tinha encontrado em diversas ocasiões oficiais e com a qual mantinha uma relação cordial. Em tom casual, perguntou-se se eu conhecia uma determinada pessoa, um cidadão brasileiro. O nome nada me dizia. A figura da Justiça sorriu e disse-me que essa pessoa estava presa e que, no seu processo, constava uma fotografia tirada comigo.

Já não sei como, cheguei à conclusão de que coincidira com essa pessoa, mais de um ano antes, num jantar com uma vintena de pessoas, em casa de uma amiga comum. Puxando mais pela memória, recordei-me que, a certa altura, essa pessoa quis tirar uma fotografia com o embaixador de Portugal, provavelmente para recordação. Não tinha nenhum motivo para recusar fazê-lo e, verdadeiramente, esqueci tudo no instante seguinte.

A personagem ligada à Justiça brasileira disse-me que o assunto não tinha a menor importância, mas deu-me um conselho: quando alguém que eu não conhecesse me pedisse para tirar uma fotografia comigo, deveria tomar a iniciativa de pedir a mais alguém, que estivesse perto, para se juntar ao retrato. Isso evitaria dar a ideia de uma excessiva intimidade com o parceiro desconhecido registado na imagem. Tomei boa nota da técnica, embora depois tivesse aprendido que há outra, também eficaz, que é ter fotografias, mesmo a dois, com quase toda a gente, como faz o nosso presidente da República...

Lembrei-me disso há pouco, ao receber tristes notícias políticas do Brasil. É que, se olhar os meus arquivos fotográficos, não são poucas as fotografias que tenho com figuras políticas, brasileiras e não só, que entraram em desgraça, algumas delas presas, outras, aparentemente, com fortes probabilidades de o virem a ser.

Saudades de Américo Tomás

Aquele amigo, quando me viu chegar, um tanto afogueado, com um atraso de cinco minutos, a uma palestra em que eu ia intervir, ao final da tarde de ontem, no Palácio da Independência, ali junto ao Rossio ficou surpreendido quando, de raspão, dirigindo-me à mesa, lhe deixei um críptico "Que saudades tenho do Américo Tomás!". Esse amigo conhece-me bem, politicamente, e claro, imagino que ficou desconcertado com a minha saída.

O dia de ontem foi muito complicado. Uma reunião de manhã, um almoço a trabalhar, um encontro logo a seguir, conclusão de um parecer de consultoria para uma empresa, preparação de uma aula, a palestra acima referida e, finalmente, sem tempo para jantar, duas horas de aula, terminadas às 23.30. Só ao virar do dia, tive tempo para uma sandwich e uma cerveja, no balcão do Procópio. Os dois dias anteriores não tinham sido muito diferentes e os de amanhã e sexta-feira vão também ser de alguma correria.

O grande problema de reuniões e trabalhos em sítios diferentes de Lisboa (e arredores), como é o meu caso, é a dificuldade de me deslocar, de arranjar lugar para o carro, de fazer telefonemas a meio do percurso. assim, vivo em cima da hora de tudo. E as obras do meu amigo Fernando Medina, somadas às surpresas no trânsito, não ajudam nada.

A saída da palestra no Palácio da Independência, quando eu já "voava" dali para o compromisso seguinte, o meu amigo que tinha encontrado à entrada, inquiriu, ainda perplexo: "O que é que tu querias dizer com aquilo do Américo Tomás?".

Expliquei-lhe que, com uma vida destas, o que me dava uma "jeitaça" era ter um motorista, que me levasse aos locais, esperasse por mim à saída e me ajudasse a relaxar, sem conduzir, entre os eventos, dando-me tempo para telefonar e consultar emails. Porém, ele continuava sem perceber a "saudade" personalizada a que eu aludira. Foi então que lhe expliquei que, desde há alguns anos, deixara de ter motorista, porque acabaram entretanto os cargos oficiais que antes tinha e, do meu contrato com as várias entidades privadas com quem trabalho, não faz parte essa "mordomia". Ora o último motorista que tive, de quem agora sentia "saudades" práticas, chamava-se (e chama-se) precisamente... Américo Tomás!

(Um abraço para si, Américo!).

quarta-feira, 17 de maio de 2017

O arroz do padre

Ao ler na imprensa de hoje que um padre italiano, conluiado com a Mafia, desviava alimentação destinada a imigrantes, a expressão "arroz do padre" veio-me à memória.

Foi há mais de 60 anos, lá por Vila Real. Eu era muito miúdo mas recordo bem uma conversa em torno de um arroz que um dia foi servido na casa onde então vivia, com os meus pais e os meus avôs. Louvava-se a qualidade ímpar de um arroz que estava a ser servido - de uma textura que nunca ninguém tinha experimentado até então (agora, depois de uma vida como "arroseiro" militante, imagino que tivesse sido o primeiro arroz agulha que nos fora dado a provar). À volta da mesa, as pessoas perguntaram-se de onde tinha surgido aquela maravilha. Foi chamada a criada (o termo "empregada" é bem mais tardio, nesse tempo em que também não havia "colaboradores" nas empresas), inquirida sobre se aquela "especialidade" (um termo muito usado à época, para qualificar algo de muito bom) fora comprado no Mário Miranda ou no Sarreiro, tradicionais provedores alimentares da casa.

A senhora surpreendeu toda a gente: "Não, esse é arroz do padre", e passou a explicar. Uma colega de uma casa vizinha alertara-a para o facto de, na sacristia de uma igreja da cidade (que não refiro, para evitar especulações dos vilarrealenses com boa memória), vendia-se arroz ao quilo, que vinha depois naqueles cartuchos de papel grosso, acinzentado. "É muito mais barato!", esclarecia a criada, ufana com a poupança introduzida no rol das compras.

Arroz à venda numa sacristia era, no mínimo um mistério, a que a sua extraordinária qualidade somava uma interrogação mais! 

Horas depois, o enigma escareceu-se: o tal padre estava a vender ao público, a granel, imagina-se que para crédito das contas da paróquia (numa versão otimista), arroz de origem americana que tinha chegado pela Caritas, para ser distribuído pelos pobres. O "desvio" era para dos os adultos da casa um tanto obsceno, numa casa por onde chegou a "circular" a "sagrada família" e onde existia um mealheiro de cartão, de cor azul clara, distribuído pela paróquia, com a inscrição rimada "um tostão por dia para os padres da freguesia".

Não sei quantos quilos de "arroz do padre" tinham sido adquiridos, não tenho registo se o prazer em consumir aquela delícia compensou o remorso de estar dela a privar os seus naturais destinatários. Só sei que o conceito de "arroz do padre" passou a ser um "benchmark" referencial, quase inatingível, para qualificar um arroz  excecional. 

Um dia, na Noruega, confrontado com um prato acompanhado de um belo "Uncle Ben's" (um notável arroz americano), lembro-me do meu pai suspirar: "É muito bom, mas nada que se compare com o arroz do padre..." 

terça-feira, 16 de maio de 2017

Não!


Não, não vou falar aqui dos 2,8% de crescimento. Porquê? Porque quero ser simpático para com os meus amigos "conservadores" (que é outro eufemismo que alguma comunicação social usa para evitar falar de "direita" ou chamar isso a amigalhaços dela e meus). Por isso, só para lhes poupar um desgosto, optei por ficar, hoje, completamente calado, em sepulcral e respeitoso silêncio. Bem gostava eu de poder mandar um forte abraço de parabéns a António Costa, de fazer "mea culpa" por todos os alertas contra a "geringonça" que lhe transmiti. Mas não, não posso fazer isso, porque os meus amigos do "centro-direita" (a maioria gosta de ser chamada assim - façamos-lhe pois a vontade!) não me perdoariam. Já lhes basta a realidade que hoje, mais uma vez, lhes caiu em cima, coitados! E, por isso, não me passa pela cabeça atirar-lhes à cara, uma cara agora com um sorriso amarelo, que a governação "troika"/PSD e (às vezes) CDS foi um rotundo fracasso, titular de uma cruel insensibilidade, somada a uma clamorosa incompetência. E nem sequer vou lembrar-lhes que o país não os esquece - e, por isso, quer vê-los "com dono" por muitos e bons. Apetecia-me tanto dizer-lhes isto, bem alto, mas não, optei por não aborrecê-los. Até porque alguns se queixam (às vezes por interpostos conhecidos) de que eu ando sempre a "dar-lhes pancada". Assim, hoje não farei isso! Nem a eles nem a um amigo deles de quem deixo uma imagem, tirada há quase um ano, quando então exibia, como dizia Camões, aquilo que viria a ser um ridículo "contentamento descontente".

segunda-feira, 15 de maio de 2017

"Eixos da Política Externa Portuguesa"


É já amanhã, 3ª feira, pelas 18 horas, que terá lugar a primeira das conferências, organizadas pela Universidade Autónoma e pelo jornal "Público", que abordarão o tema comum dos Interesses de Portugal no Mundo.
Falarei na ocasião sobre os Eixos da Política Externa Portuguesa.

domingo, 14 de maio de 2017

O tal canal

Recordo-me bem desses tempos, no auge do cavaquismo, em que, pelo país, os padres recolhiam donativos para dar "um canal à igreja católica". Sei de gente humilde que foi às suas economias buscar dinheiro para concretizar esse sonho de ter uma "Renascença com imagem". Lembro-me de debates sobre a natureza particular que a sua programação iria ter, que se pretendia assente em valores diferentes daqueles que eram seguidos pelos outros canais.

Onde tudo isso vai! A TVI acabou, enfim, por ser o que hoje é, depois de passada "a patacos" a quem deu mais por ela. 

Há pouco, ao acompanhar uma ácida "crónica" de Vitor Moura-Pinto no jornal da TVI, satirizando a visita do papa a Fátima, num modelo que nenhuma outra televisão entendeu seguir, perguntei-me o que pensarão hoje alguns dos sacrificados desse tempo, ao constatar os insondáveis caminhos dos senhores em cujas mãos o "canal da igreja" entretanto caiu.

"Ai Portugal, Portugal!"

Roubei o título a uma canção de Jorge Palma, neste dia de alegria e boa música, com a consciência de que a letra conclui pela questão "... de que é que tu estás à espera?". A um país fazem falta momentos como estes, uma difusa ideia de que tudo está a correr bem, de que os astros se conjugaram para fazer sorrir as pessoas, de que Portugal está na moda. E, na verdade, está, de uma certa forma, e isso é bom e deve ser aproveitado - no plano material e naquilo que isso possa induzir no bem-estar das pessoas que por cá vivem. Nestes tempos de alguma euforia, parecerá quase sacrílego (e em coro com malévolos e ácidos cultores da desgraça) alertar, conta o vento dominante, para o facto de que tudo isto são boas ondas passageiras, que a realidade de fundo permanece, neste que é, de há muito, o país mais pobre da Europa ocidental, emissor de gente para o mundo, fruto da incapacidade de lhe proporcionar um futuro decente na terra onde nasceu. Gozemos bem estes dias, embora o passado nos venha ensinando, desde há séculos, que temos uma endémica incapacidade para sustentar os nossos episódios de sucesso e uma insuperável dificuldade em cavalgá-los para construir um futuro sereno, próspero, que venha a evitar novos ciclos de depressão e angústia, como os que, ainda há pouco, atravessámos. O melhor serviço que poderíamos prestar a nós mesmos, nestes dias de euforia e de otimismo, seria a tomada coletiva de decisão de nos organizarmos definitivamente para a mudança, para o rigor, para a disciplina, para a não perda de tempo, para a pontualidade, para o respeito pelos outros, para o fim do xicoespertismo, para que esta não fosse mais uma "alegria breve", para usar o termo cunhado, para outra realidade, por Vergílio Ferreira. Mas, se calhar, se viéssemos um dia a mudar, não seríamos nós, dirão alguns. Provavelmente, é neste eterno ser ou não ser - glórias e derrotas, euforias e depressões, do "agora é que é!" ao "não vale a pena!" - que, afinal, está a graça (e a desgraça) deste país.

Só faltava!


"Foi o Euro 2016, depois o défice, resolveu o diabo dos bancos, isto rebenta de turistas, lá elegeu o Guterres, veio o papa, tem o Marcelo no bolso, o Benfica dele ganhou, daqui a dias os tipos de Bruxelas abençoam o fim do procedimento e, agora, até o Salvador lhe saiu em rifa - que sorte a do Costa! Ao menos - bem, isso é dinheiro em caixa! - a Teresa Coelho lá vai ganhar a Câmara de Lisboa!"‬

sábado, 13 de maio de 2017

Para que não digam que não falei de futebol


Segundo se sabe, o papa é um fanático do San Lorenzo de Almagro.

Na minha infância, o nome de San Lorenzo de Almagro era sinónimo de perfeição em futebol. Ao que o meu pai me contava, com admiração, aquela equipa argentina teria feito, em 1946, uma temporada de exibição pela Europa e o seu jogo, marcado por passes curtos e uma apurada técnica individual, surpreendeu e venceu todos os adversários que defrontou. Popularizado então como o "Ciclone", o San Lorenzo infligiu mesmo uma derrota pesada a uma seleção nacional portuguesa. Antes disso, no estádio do Lima, no Porto, o San Lorenzo deu uma "abada" ao Futebol Clube do Porto.

Uma noite, no final dos anos 60, num jantar no Pedro dos Leitões, na Bairrada, tive o privilégio de assistir a uma rememoração dessa partida, feita por Gomes da Costa, que fora "avançado-centro" dos portistas nesse jogo e era médico em Vila Pouca de Aguiar, e o meu pai, testemunha de bancada.

Que fique claro que, aconteça o que acontecer, este é o meu único post sobre futebol neste fim de semana. E é porque o papa anda por cá.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

GNR




Depois de uma palestra em que participei, em Mangualde, na noite de ontem, perdi-me na cidade... Passava da meia-noite, não se via vivalma, andei de carro às voltas, a tentar descobrir o hotel, sem o GPS à mão.

A certo passo, cruzei-me com uma viatura da GNR, pedindo indicações. Iniciaram uma explicação mas, de súbito, disseram: "Siga-nos!" E, com imensa simpatia, conduziram-me até ao hotel, uns quilómetros adiante.

Há meses, falei aqui da experiência de um tratamento impecável por parte dos Bombeiros e da PSP, em Vila Real.

Ontem, a GNR de Mangualde confirmou-me que há, nos dias de hoje, um Portugal muito diferente, em matéria de serviço público. Para bem melhor.

As luzinhas do presidente


São contraditórias as notícias que chegam de Angola, sobre o real estado de saúde do presidente José Eduardo dos Santos. Num país cujo quotidiano, desde há décadas, está marcado por aquele que é o mais resiliente líder de África, é normal que alguma ansiedade atravesse quantos, mais cedo ou mais tarde, para o seu bem ou para o seu mal, vão ter de encarar o futuro sem ele.

Lembrei-me há pouco dos tempos em que vivi em Luanda, com Angola em guerra civil, no início dos anos 80, a cidade de certo modo sitiada, com fortes precauções de segurança e recolher obrigatório durante a noite.

Eu tinha um cozinheiro chamado Alberto, uma figura curiosa que herdara do meu antecessor na embaixada. Nunca lhe consegui extrair uma palavra de simpatia para com o MPLA e o seu regime, apenas algumas ironias crípticas sobre figuras políticas mais em voga. No fundo, sempre desconfiei que fosse simpatizante da Unita.

Um dia, fui com o Alberto buscar já não sei o quê à Corimba, no caminho para o Futungo de Belas, o complexo onde então vivia o presidente. A certo passo, ao longe, em nossa direção, vimos surgir um grande movimento de viaturas. A Luanda dessa época era muito diferente da de hoje, sem o tráfego rodoviário infernal que é o seu atual quotidiano. Um reboliço desse género era, à época, muito pouco comum.

Vi então Alberto, em geral seráfico, ficar muito agitado e dizer: "Doutor, cuidado!, são as luzinhas do presidente!" Eu estava há poucos meses em Luanda, pelo que demorei uns instantes a perceber o que ele queria dizer. O Alberto referia-se, percebi então, às dezenas de luzes, bem visíveis naquele fim de tarde com o sol a pôr-se, que se destacavam das motos dos batedores e dos carros da segurança, que precediam o cortejo de viaturas negras onde, com plausível certeza, viajava José Eduardo dos Santos.

A aproximação das "luzinhas do presidente" significava, muito simplesmente, a necessidade de qualquer viatura com que aquele aparato se cruzasse ter de encostar à berma e, mais do que isso, que o condutor colocasse as mãos sobre o volante, na posição "dez-e-dez", por forma a não criar a mais leve dúvida sobre a sua inocuidade para a segurança do líder do país. Vim a saber, mais tarde, que um cidadão português, menos atento a esta indispensável coreografia, teria sido morto, tempos antes, com disparos de uma das viaturas da segurança do cortejo.

Por que é que me lembrei disto? Porque estou numa área de serviço da autoestrada, perto da base de Monte Real, onde o papa aterrará daqui a pouco, e, embora em faixas diferentes, vislumbrei já algumas viaturas oficiais, precedidas de batedores, cheias de "luzinhas". 

E senti que é muito bom viver num país onde, felizmente, não somos obrigados a ter calafrios sempre que nos cruzamos com as "luzinhas do presidente".

O papa


Sendo nós um país cuja população se assume maioritariamente como católica, é natural que por cá seja sempre acolhido com gosto o chefe da respetiva igreja, cuja relação histórica com Portugal data da fundação da nossa nacionalidade.

Acresce que o atual papa é uma figura simpática, que projeta uma imagem de humanismo que passa muito para além das fronteiras religiosas.

Por tudo isso, e pelo que me toca, seja muito bem vindo a Portugal, papa Francisco!

Informações


Os serviços de informações são indispensáveis para a defesa dos interesses dos países, na ordem interna e externa. Nenhum Estado passa sem eles, porque as ameaças à sua segurança são permanentes e há que habilitar quem tem responsabilidades políticas com dados que permitam tomar decisões para a proteção desses interesses. Pela sua natureza, os serviços – que não são polícias - têm de ser discretos no seu trabalho de pesquisa, o que induz frequentemente suspeições e alimenta teorias conspirativas. E têm de ser independentes, desde logo dos meios económicos e, tanto quanto a razoabilidade e as leis da vida o permitem, dos meios políticos, para que a ciclicidade democrática não comprometa a sua funcionalidade. 

A "intelligence" tem sempre dois problemas a superar. O primeiro é não ter a possibilidade de se louvar publicamente da eficácia da sua ação, o que faria com que os cidadãos os aceitassem melhor. As ameaças evitadas raramente são notícia - na luta contra o terrorismo, a criminalidade organizada ou o extremismo inconstitucional. O segundo problema, é, por tradição, bastante mais complexo de resolver e, por essa razão, regular objeto de um controlo parlamentar, sobre cuja real eficácia entre nós sempre alimentei imensas dúvidas: trata-se da garantia de que os serviços funcionam num rigorosíssimo cumprimento da lei, em particular daquela que protege os direitos e liberdades individuais dos cidadãos.

Tal como em muitos outros países, em Portugal há dois serviços distintos: um para recolha de informações internas e combate à espionagem estrangeira e outro dedicado às questões externas, quase sempre em articulação com serviços “amigos”, que partilham idênticas ameaças. É vulgar esta separação, porque os objetos de pesquisa são diferentes e as culturas comportamentais nem sempre coincidem. Sinto, contudo, que começa a prevalecer uma tendência para a unificação dos serviços, através do reforço da respetiva coordenação. Confesso preferir o modelo dual.

Para a coordenação dos serviços de informação acaba de ser nomeado o embaixador José Júlio Pereira Gomes, uma excelente escolha do governo, avalizada pela oposição. Trata-se de um qualificadíssimo diplomata, do melhor que existe nas Necessidades, sereno, culto, com imensa experiência em matérias de Estado. Os diplomatas estão longe de ter o monopólio da ética pública, mas foram habituados, ao longo da sua vida profissional, a cultivar um sentido de patriotismo e de serviço que os ajuda a evitar a tentação de cair em certas derivas, como aquelas que, por mais de uma vez, atingiram o prestígio dos nossos serviços de informação em tempo democrático, afetando a sua imagem perante os pares.

(Artigo hoje publicado no "Jornal de Notícias")

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Fátima

Como ateu, tenho a minha opinião formada, desde há muito e em definitivo, sobre Fátima - a qual creio ser fácil de presumir. Essa leitura (certa ou errada) tem a montante um esforço de racionalidade, que é natural em quem não foi "tocado pela fé". Não me recordo de alguma vez ter discutido o tema de Fátima com crentes, porque sempre entendi que me situava num plano diverso, e irreconciliável, no tocante à interpretação do fenómeno. Mas que fique claro: respeito sinceramente quem acredita no "milagre" de Fátima, como matéria de fé.

Serve isto para dizer que, sendo embora "de outra freguesia", acho de uma grande insensatez o debate, envolvendo figuras da igreja, sobre se o que se passou há um século, em Fátima, foi uma "visão" ou uma "aparição". São reflexões sobre os factos que, em alguns casos, relevam da procura de uma certa racionalidade. Ora Fátima ou é uma matéria estrita de fé ou não é - e aqui tudo muda de figura. Posso estar enganado, mas ao enveredar por estas "technicalities", a igreja católica abre um caminho fácil à contestação de Fátima. Se segue por esta via, com facilidade podem ser trazidos à colação textos de Tomás da Fonseca, de Mário de Oliveira e até de Fina da Armada, entre muitos outros. É isso que querem? Eu aconselharia a que, quem acredita, continuasse no registo cândido da Virgem que apareceu aos pastorinhos sobre uma azinheira. E ponto.

"Talent de rien faire?"


O infante dom Henrique tinha por lema "talant de bien faire".

As embaixadas e consulados portugueses no estrangeiro vão estar encerradas, por "tolerância de ponto", no dia em que o papa vai a Fátima? O pessoal vai a Fátima, é? Estão a gozar connosco, lá nas Necessidades?

"Talent de rien faire?" Depois queixem-se sobre a imagem que as representações portuguesas no estrangeiro projetam...

quarta-feira, 10 de maio de 2017

O laço

Com a morte de Baptista-Bastos, o facho do porte do "papillon" passa, entre nós, a ser mais reduzido.

Na primeira linha, estarão João Carlos Espada, Nicolau Santos, Rui Vieira Nery, Francisco George e Miguel Esteves Cardoso (pelo menos, no passado), atendendo a que o professor Fernando Pádua tem sido pouco visto.

No Ministério dos Negócios Estrangeiros, o "papillon" tem uma certa tradição. Usava-o, em permanência, o desaparecido embaixador Humberto Morgado, figura referencial que, por muitos anos, foi diretor-geral da Administração. O ar algo aristocrático de Morgado escondia a sua sabida ligação, durante a ditadura, ao "Socorro Vermelho", uma estrutura dependente do PCP, em especial dedicada a apoiar as famílias dos presos políticos.

Mas Morgado deixou os seus seguidores. João de Vallera, hoje o "Mr. Brexit" das Necessidades, depois de ter deixado a chefia da embaixada em Londres, usa o laço intermitentemente (ontem, num almoço comigo, tinha-o trocado por uma bela gravata). Já o meu sucessor em Paris, José Filipe Moraes Cabral, não dispensa nunca o adereço, que funciona já como a sua "imagem de marca". Resta-me a dúvida sobre outro colega que, no passado, era regular portador de vistosos "papillons": Paulo Tiago Jerónimo da Silva. Já o não vejo há muito, pelo que não sei se ainda segue esse hábito. Ah! E o Luís Barreiros, outro embaixador, também é useiro e vezeiro no laço.

O laço, sejamos claros, nunca ameaçou a preponderância esmagadora da gravata. Porquê? Talvez porque muito o veem como um adereço "light", menos formal, um tanto excêntrico. Nunca esquecerei que o antigo ministro dos Negócios Estrangeiro da Áustria, Wolfgang Schussel, a partir do dia em que passou a ser primeiro-ministro do seu país, largou o laço e engravatou-se para sempre. Sinal de mudança de estatuto? A gravata consagrou o "upgrading".

A verdade é que, no meu caso, sempre que "me deu na veneta" de usar laço, foi em ocasiões bastante "soltas", pouco formais, ciente de que quem me conhece notaria e estranharia a mudança de registo "pescoçal". Daí a minha admiração sincera por quem usa o "papillon" em todas as ocasiões.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Baptista-Bastos


Morreu Armando Baptista-Bastos, um dos mais geniais cronistas do jornalismo português, uma figura marcante da nossa literatura. BB ou "O Bastos", como era conhecido nos meios da imprensa, transportava para os seus livros uma leveza da construção e uma riqueza vocabular que tornavam imperdíveis os seus textos nos jornais. A idade - tinha 83 anos - nunca afetou a frescura da sua escrita, da qual transparecia muita leitura e uma cultura excecional.

Conheci-o pessoalmente há mais de quatro décadas, quando, nos finais de tarde, nos encontrávamos num café e bar no topo da então livraria Opinião, na rua da Trindade - eu saído do meu emprego na Caixa, ao Calhariz, ele acabado o seu trabalho no "Diário Popular", também por ali perto. Esse era então um espaço aberto de conversa onde eu me imiscuíra, por via de amigos comuns. Por lá paravam jornalistas, escritores e outros que, como eu, eram então meros espetadores atentos da vida intelectual de Lisboa. Com a sua voz bem caraterística, não abandonando a marca pessoal que era o seu laço, Baptista Bastos confirmava, em pessoa, a frontalidade opinativa a que sempre nos viria a habituar no futuro e que muitos, mais tarde, vieram a conhecer nas entrevistas que fazia na SIC, onde tinha a pergunta que ficou clássica: "Onde é que você estava no 25 de abril?". 

Li Baptista-Bastos com regularidade e, à distância, apreciei sempre o seu sentido crítico e a sua postura ética, muito em especial a independência com que sempre preservou as amizades, por cima das ideologias a que se mantinha fiel. 

Há uns anos, com um amigo comum, João Paulo Guerra, tive um divertido almoço com Baptista-Bastos, num restaurante popular de Carnide, Foram umas belas horas de conversa, que guardo para sempre. Vai-se um nome grande do nosso jornalismo, uma figura cimeira da nossa literatura e uma respeitável personalidade cívica.

Realismo impopular


“Que negativo! Em lugar de saudares, com júbilo, a vitória de Macron, vi-te numa atitude reticente, augurando males para a sua governação, destacando mais o resultado de Le Pen”. Vários amigos comentaram desta forma o que disse ou escrevi no dia final das eleições presidenciais.

Vamos a ver se nos entendemos. Para a esmagadora maioria dos franceses, o candidato Emmanuel Macron, de que alguns nunca tinham ouvido falar até há muito pouco tempo, representou o escudo de proteção para um assalto ao poder de uma candidata que personalizava uma política de ódio, discriminação e autoritarismo, cavalgando medos e inseguranças, na base de um programa cheio de mentiras, simplificações da realidade e caricatura de soluções.

O voto “efetivo” em Macron foi o da primeira volta: 24,1%. Foi um resultado que beneficiou, desde logo, do candidato socialista ser Benoît Hamon e não Manuel Valls (que teria deslocado muito voto socialista moderado que foi para Macron) e da circunstância conjuntural, muito particular, que foram as “trapalhadas” de François Fillon, o candidato da direita clássica.

Convém que não nos esqueçamos de uma realidade muito evidente: se o “Canard Enchainé” não tivesse revelado as improbidades do casal Fillon, no dia de ontem a sua cara estaria em todos os jornais do mundo como novo ocupante do Eliseu. Sem a mais leve das dúvidas.

Desses 24,1%, Macron passou, no domingo, para 66,1%. Recebeu assim 42% a mais de “voto útil” de pessoas que, na primeira volta, tinham votado noutros candidatos e que, postos perante uma opção entre ele e Le Pen, não hesitaram em escolhê-lo. 

Mas Macron não tem mérito? Claro que tem e muito. Soube aproveitar o “nicho de mercado” político que se abriu com a exaustão dos partidos clássicos, em especial o fracasso rotundo dos socialistas, propondo uma ansiada e sempre adiada modernização da França, sem deixar cair esta ideia numa agenda puramente conservadora. Foi uma cara nova, num mundo de rostos desgastados por aquilo a que os franceses chamam a “politique politicienne” (que poderíamos traduzir por “política politiqueira”).

Macron tinha contra si o facto de, enquanto Ministro da Economia, ter proposto medidas fortemente liberais, que o alienaram de muitos setores socialistas. Mas essa mesma postura foi, no polo oposto, aquilo que o credibilizou junto de uma certa direita. Os seus 24,1% nascem assim de uma conjugação favorável de fatores, que soube aproveitar com um ambíguo discurso, nem-de-esquerda-nem-de-direita, fórmula que a História sempre revelou ser insustentável no tempo, mas que já alimentou no passado algumas outras aventuras políticas. Mas “a sorte protege os audazes” e Macron soube ousar e é premiado por isso.

O novo presidente tem, perante si, um imenso desafio, que começa com a necessidade de organizar uma nova maioria que lhe permita governar. A História mostra que um presidente que não tenha atrás de si uma maioria coerente, num país onde as coligações não são habituais, tem grande dificuldade em dar expressão prática ao seu programa.

Nas próximas eleições legislativas, a grande maioria dos 42% de votos a mais, face à primeira volta, que deram a vitória a Macron, regressarão com naturalidade aos candidatos a deputados que representam as forças políticas em quem esses eleitores tinham votado nesse primeiro turno. O mesmo acontecerá, com toda a certeza, com os cerca de três milhões de votos a mais que Marine Le Pen recolheu nesta segunda volta. É claro que não deveremos descontar que alguns dos “novos” eleitores de Macron, pelas sinergias que uma dinâmica presidencial não deixará de induzir, poderão ser tentados a confortá-lo com um crédito de confiança, votando agora  “En Marche!”. Mas eu aposto, singelo contra dobrado, em como, no final do dia 11 de junho, esse partido não irá ter muitos mais votos do que aqueles que o seu inspirador obteve na primeira volta das presidenciais. 

A grande dificuldade com que Macron se vai defrontar, nas seis semanas que se seguem, é transformar um movimento de apoio a uma candidatura num partido capaz de apresentar candidatos, credíveis e com hipóteses de serem eleitos, num número significativo de circunscrições, dentre as 577 existentes. O “efeito PRD” que experimentámos em Portugal em 1987, é reproduzível na França da V República? Tenho dúvidas.

A ingovernabiidade, ainda que relativa, da França de Macron nunca será uma boa notícia para Portugal. Com a expectável saída do Reino Unido da UE, Paris tem uma oportunidade soberana para recuperar algum terreno perdido no plano europeu, como contraponto cooperativo a Berlim. Uma França forte seria um importante fator de equilíbrio na Europa do futuro. Por isso, o êxito de Macron é desejável e só nos poderemos vir a regozijar se ele vier a ter lugar. O que não nos impede de dever ter a responsabilidade de afirmar que as condições para tal vir a ocorrer são ainda muito questionáveis.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

De trincheira em trincheira


Em 2000, a Europa chocou-se com a ascenção minoritária ao poder, na Áustria, de um partido de extrema-direita. Viena foi posta de “quarentena” e o episódio parecia ter funcionado como uma vacina para garantir que essa sombra negra não mais regressaria.

Dois anos mais tarde, Jean-Marie Le Pen, o negacionista desculpabilizador do colaboracionismo, chegou à segunda volta presidencial em França. A “frente republicana” ergueu-se, chocada, e votou Chirac. A Europa regressou ao “business as usual”.

Ontem, um candidato atípico, com o pé e a gravata dentro do sistema, mas contestando os representantes tradicionais deste, derrotou um “remake” edulcorado do pai Le Pen, em quem bem mais do que um em cada três franceses já hoje confiam.

Vamos recuando, de vitória em vitória, até à trincheira da derrota final? Ou alguém tem dúvidas de que, se tudo continuar na mesma, a agenda populista mantem todas as condições para crescer, tendo mesmo como farol os EUA, onde uma política de extrema-direita (não tenhamos medo às palavras) faz o seu imperial caminho?

Derrotar Le Pen ou Wilders, travar o AfD e fazer frente a Orbán, contestar Trump ou denunciar o primarismo por detrás do Brexit, tudo são passos necessários mas insuficientes. Se a Europa - porque as respostas ou são europeias ou não serão verdadeiras soluções – não for capaz de apaziguar o mal-estar das pessoas, acalmar os seus medos, atenuar as suas múltiplas inseguranças, gerando confiança no futuro e nas lideranças de turno, daqui a meses regressaremos a uma nova trincheira.

Será Macron capaz de impulsionar diferentes políticas europeias? Mas que autoridade externa pode vir a ter alguém que passa a liderar um país em evidente perda de velocidade competitiva, um dos “doentes” mais notórios da Europa, atravessado gravemente pela “malaise” que aduba os extremismos, de esquerda ou de direita? Até que ponto Angela Merkel estará disposta, na iminência do abismo europeu, a ajudar a França a com ela pilotar soluções diferentes para o futuro imediato?

Dentro de seis semanas, ver-se-á com que maioria parlamentar Emmanuel Macron poderá vir a governar. Se o seu movimento “En marche” não vier a ter um espetacular e pouco provável sucesso maioritário no sufrágio, terá que constituir uma coligação heteróclita que dificultará a colocação em prática do seu programa. Na oposição, terá um Front National que tem condições de sair desse mesmo sufrágio como o maior partido de França e uma esquerda que pode vir a ter mais força nas ruas do que no parlamento.

Macron terá assim meses difíceis à sua frente. Por um lado, procurará potenciar as hipóteses do “En Marche”, dramatizando a crise de governabilidade que pode aí vir. Contudo, terá de fazê-lo não hostilizando demasiado o “Les Republicains” de Sarkozy, bem como alguma esquerda mais moderada, de cuja boa vontade pode vir a necessitar para não ficar refém exclusivo da direita. É um caminho muito estreito que não se pode excluir que venha a conduzir, no fim de contas, a uma maioria pouco coerente, titulada por um primeiro ministro que, dependendo do sentido ideológico prevalecente, poderia ser (da direita para a esquerda) François Baroin, François Bayrou ou Gérard Collomb.

Mas tudo isto não passa de especulações de um analista que só tem uma certeza: um fracasso de Macron e uma crise política em França, a curto prazo, seria uma péssima notícia para a Europa. E, claro, para Portugal

domingo, 7 de maio de 2017

Rui Moreira

Terminou o namoro entre Rui Moreira e o PS, no Porto. Nada que não fosse expectável e que, a meu ver, só tinha sido evitado, até hoje, graças ao génio do relacionamento que se chama Manuel Pizarro, um "gentleman" e um homem de bem que os socialistas têm a sorte de ter no Porto.

Rui Moreira, pessoa por quem tenho simpatia, fez da Câmara uma via de afirmação muito pessoal, que se liga mal com a lógica das formações partidárias tradicionais que, goste-se ou não, constituem o eixo central da representação cívica em Portugal. Não há vida política para além dos partidos? Há, no microcosmo das pequenas autarquias ou por uma conjuntura temporalmente limitada, que pode suportar uma certa fulanização.

Os partidos tentam, pela normalidade das coisas, aproveitar em seu favor aquilo com que se comprometem. O PS, que colocou os seus simpatizantes ao lado de Moreira, considerou necessário tirar vantagens disso. Rui Moreira não gostou? É uma opção. A meu ver, deveria ter compreendido uma coisa que, a prazo, lhe pode ser fatal: é muito difícil, na "alta política" em Portugal, sobreviver de forma sustentada sem uma aliança, expressa ou subliminar, com um dos dois grandes partidos portugueses. Ora, ao alienar agora o PS, estando de costas voltadas para o PSD que existe, Moreira pode acabar por ficar sozinho na praia... da Foz.

O Nuno e o MAR

O Nuno Brederode dos Santos foi militante do MAR, o Movimento de Ação Revolucionária.

O MAR nasceu no início dos anos 60, tempo de grande agitação política e académica, muito marcado pela experiência cubana e por várias outras vivências revolucionárias. Não se confundia com o PCP, nem tão pouco com a extrema-esquerda maoísta que então borbulhava. Tanto quanto julgo saber, o MAR reuniu apenas algumas figuras da intelectualidade, em especial lisboeta. Nuno de Bragança, Manuel de Lucena, João Cravinho, Bénard da Costa e alguns outros integraram essa estrutura clandestina de cuja ação prática e concreta a História acabou por não recolher grandes notas. O MAR, contudo, viria a integrar a FPLN (Frente Patriótica de Libertação Nacional), criada em Argel. 

Ouvi uma história (terá sido ao Nuno?) segundo a qual, numa ocasião de alarme por iminente repressão policial, João Bénard da Costa terá enterrado umas caixas metálicas, contendo documentação sensível do MAR, numa certa zona da serra de Sintra. A precipitação com que essa ocultação foi feita, durante a noite, fez com que, tempos mais tarde, ao procurar esses arquivos, nunca mais tivesse conseguido descortinar o local do esconderijo. Assim, só o futuro trará um dia ao mundo essa prova documental sobre a robusta ação do MAR.

Um dia, o Nuno contou-me que foi destacado pelo Movimento para ir a Roma para um encontro clandestino com uma pessoa, uma mulher, que ele devia procurar numa determinada direção. Ela chamava-se "Raquel" - nome da clandestinidade, claro - e ele devia identificar-se como "Norberto" (inventei agora estes nomes, porque não fixei os que o Nuno me disse).

O Nuno bateu à porta, surgiu uma mulher muito bonita a quem perguntou: "É a Raquel?" Ela disse que sim, inquirindo: "Você é o Norberto". Estabelecido o contacto, passaram a uma sala, para tratar dos graves assuntos políticos que tinham motivado a deslocação.

E agora ficam as palavras do Nuno: "Ao final de cinco minutos de conversa, usando o "Raquel" e o "Norberto", demo-nos conta do ridículo da situação. Ali estávamos nós, sozinhos numa sala de Roma, a utilizar pseudónimos revolucionários, quando ambos nos conhecíamos de Lisboa. Ela era a Maria Carrilho... Acabámos numa risada!"

Há uma semana, no sábado em que o Nuno morreu, telefonei de Paris à Maria Carrilho, que tinha acabado de chegar a Lisboa, vinda de Nova Iorque, a dar-lhe conta de que acabara de perder o seu interlocutor clandestino de há mais de meio século...

sábado, 6 de maio de 2017

Trocos

"Não acredito!" A jovem da loja dos sumos da rua Nova do Almada olhou para mim, incrédula.

Duas horas antes, eu tinha entrado (não muito, porque aquilo é esconso) pela porta dentro, com uma nota na mão, a pedir trocos, para estacionamento. Não obstante a situação da caixa registadora, neste domínio, não ser brilhante, a jovem havia sido de uma grande simpatia e lá me arranjou um par de moedas.

Agora, duas horas e tal passadas, aí estava eu, com o dobro dos trocos na mão, a "devolver-lhe" a gentileza, pedindo uma nota "em troca". A jovem estava siderada com o meu gesto. Sorrimos - e ela era bonita - e eu fui à minha vida.

O meu carro, parcado em frente, lá estava, dentro da hora do estacionamento, naquele dia em que a app da Emel "não dava". Tudo perfeito!

Foi então que vi o pequeno envelope vermelho no pára-brisas, Dentro, a fatídica multa. Era uma zona para residentes! 60 euros a pagar! Afinal não eram trocos...

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Grau zero


“O senhor não tem o monopólio do coração”, lançou Giscard d’Estaing a François Mitterrand, com maestria, no debate presidencial de 1974. Qualificado de “candidato do passado”, Mitterrand retorquiria a Giscard, em 1981, que ele era “o candidato do passivo”. Mais um septanato decorrido, o mesmo Mitterrand, presidente recandidato, calaria o seu “challenger”, o primeiro ministro da maioria hostil, Jacques Chirac, quando este sublinhou que ali não estavam um presidente e... um primeiro-ministro, mas apenas duas pessoas com estatuto idêntico, com o soberbo: “Tem toda a razão, senhor primeiro-ministro”. Chirac começaria a cair aqui.

Alguns desengravatados na linguagem argumentarão que os tempos já não estão para “punhos de renda”, que a linguagem franca é a regra do jogo, que os dias que correm convocam outro tipo de discurso. Imagino que sejam as mesmas pessoas que não se escandalizam com as javardices insultuosas ditas pelo presidentes dos clubes, que assim ditam o tom à turbamulta alarve das claques, com as violências consequentes.

Pode ser que sim, e as ruas da amargura em que se transforma, em certas tardes, o nosso debate parlamentar parece dar-lhes razão. É claro que o tempo do “olhe que não, olhe que não”, entre Soares e Cunhal, já lá vai há muito, que a elegância do confronto político parece francamente perdida.

Mas o bom senso, e até o sentido prático de deixar abertas algumas portas para o diálogo, talvez recomendasse que se preservasse uma reserva de urbanidade. É que a política também se faz à porta fechada e o que se diz em público, se passar determinados limiares, pode condicionar certas pontes que o futuro pode revelar necessárias.

Tenho vindo a pensar mais nisto desde que testemunhei, um pouco atónito, o nível verbal das trocas entre Donald Trump e Hillary Clinton. E, na passada quarta-feira, ao constatar o “grau zero” a que chegou o confronto de Marine Le Pen com Emmanuel Macron, interroguei-me sobre o efeito que este tipo de linguagem poderá vir a ter junto dos respetivos eleitorados.

Mas depois, pensando melhor, cheguei a conclusão de que estamos perante um fenómeno bi-unívoco, isto é, os líderes cada vez mais refletem o nível do eleitorado que os apoia e o seu êxito parece ser proporcional à simbiose que demonstram com essa base. Só assim se explica que passem impunes atentados flagrantes à verdade dos factos – como Trump ousa todos os dias e Le Pen deixou patentes no debate.

Este é um tempo político perigoso, feito de caricaturas, de simplismos, de linguagem primária, que subordina a razão à emoção. Se a isto somarmos a dispensa da ética, a legitimação dos egoísmos e da discriminação e a ausência de respeito pelos outros, está criado um caldo de cultura que, no passado, deu no que deu.

Cri de coeur


Uma vitória de Marine Le Pen "significaria o fim da União Europeia porque a UE, sem a França, não faz sentido. E significaria o colapso do euro e a crise financeira, com consequências através do mundo". Quem disse isto não foi uma pessoa qualquer, foi Gérard Araud, embaixador francês em Washington. Acabo de ler na Newsletter diária do Washington Post. 

Pode um embaixador ter propósitos destes, hostilizando abertamente uma candidata que a vontade popular francesa poderá conduzir à chefia do seu país? 

Araud, um excelente profissional, que conheço bem (era diretor político do Quai d'Orsay quando eu era embaixador em Paris), tem, com certeza, a plena consciência de que está a ultrapassar a "linha vermelha" da neutralidade que aos servidores públicos incumbe ter perante as escolhas democráticas. As eleições em França decorrem em total liberdade, sem o menor condicionamento, pelo que não há a menor dúvida de que a resultante final do sufrágio, qualquer que ela seja, corresponderá à livre vontade do povo francês. Por isso, Araud prevaricou, de acordo com as regras estabelecidas e que lhe cumpria cumprir.

Mas eu percebo Gérard Araud. Um diplomata não é um eunuco político, é um cidadão que sente os problemas do seu país e, provavelmente, tem mesmo uma leitura mais qualificada do efeito externo das escolhas internas. E ele pressente que, se a França viesse a escolher Le Pen, isso teria um impacto muito negativo para a imagem e prestígio do seu país. E escolhe dizê-lo.

Ao tomar esta atitude, Araud sabe que, em caso de vitória de Le Pen, a sua "cabeça" rolaria e, muito provavelmente, teria de deixar o serviço diplomático. Por isso, pelo facto de um dos mais prestigiados diplomatas franceses ter ousado abandonar a neutralidade a que a função o obriga, dando este "cri de coeur", pondo em risco a sua carreira, pode ter-se uma ideia mais clara da gravidade da escolha que os franceses serão chamados a fazer no domingo.

Segunda-feira


Emmanuel Macron ganhou o debate televisivo contra Marine le Pen? Confesso que, depois do Brexit e de Trump, sou bem mais cuidadoso nas opiniões que emito sobre realidades estrangeiras e, em especial, nas avaliações prospetivas sobre o sentido desses eleitorados. Porquê? É muito simples: o referencial de análise que cada um de nós utiliza é sempre desenhado à luz daquilo que pensamos ser o eleitor comum, do qual, implicitamente, tendemos a não nos afastar muito em termos pessoais (embora possamos fazer um esforço interior para tal). Ora isso não leva suficientemente em conta a circunstância desse mesmo eleitor "médio" poder ter, entretanto, mudado bastante, fruto de situações conjunturais que podemos não conseguir medir convenientemente, de ele ser hoje menos sensível a sentimentos e realidades que, no passado, sabíamos que estavam mais presentes nas suas escolhas. Quero com isto dizer que fatores emocionais, que somos levados a considerar como primários e simplistas, podem afinal ter um papel central na decisão de cada um. Por exemplo, o rigor factual nas propostas ou comentários dos candidatos, que sempre tendemos a considerar qualificadores do seu discurso, podem dizer muito pouco a eleitores que se deixem tentar pelo "vale tudo" e que considerem isso um preciosismo dispensável. Viu-se nos os debates entre Clinton e Trump.

Repito: Macron ganhou o debate? Para mim, ganhou, mas tenho a certeza de que um "enragé" (para utilizar a clássica expressão do maio de 1968), que deteste um tipo engravatado com ar "certinho", a lembrar a alta finança e o "sistema" que ele acha que lhe põe em causa o seu emprego, que lhe abriu as fronteiras por onde entra a “diferença” que ameaça a imagem que tem da sua identidade nacional, que o não protege dos terroristas e dos "voyous" que lhe assombram a segurança das ruas no HLM onde vive, que, para ele, representa tudo aquilo que mobiliza a sua raiva, essa pessoa não pensa exatamente como eu. E pode, afinal, sentir-se representada pelo escárnio (que eu acho alarve, mas ele talvez não) presente nas atitudes de Le Pen durante o debate, indiferente ao facto de ela não saber quando foi introduzido o euro ou o seu visível desconhecimento da máquina europeia. O eleitorado, dirá o leitor, não são só "enragés"? Claro que não. Mas o eleitor "médio" sereno, que oscilava entre o centro-direita e a social-democracia, por muitos anos o fiel da balança do sistema, por onde andará hoje, com as estruturas políticas da direita clássica e dos socialistas destroçadas? Hoje, está visto, é tão “enragé” o operário vítima das deslocalizações como o é o estudante sem emprego à vista que votou Mélenchon ou o idoso burguês do XVIème que se assusta ao cruzar-se nas ruas com as “burkas” e que até tinha perdoado os pecadilhos a Fillon para ter um “genérico” de Sarkozy no Eliseu.

Logo veremos. Mas, seja qual for o resultado, o mundo irá mudar com esta eleição francesa.

Se, numa hipótese que não espero, Marine le Pen entrasse no Eliseu, a disrupção e a instabilidade que isso provocaria no projeto europeu seriam imensos e imediatos. Se for Macron a ganhar, como me parece mais provável, será sempre mais um presidente “by default” do que uma escolha pela positiva.

Em qualquer dos cenários, vai ser necessário esperar pelas eleições legislativas de junho, de cujo resultado dependerão as condições de governabilidade de qualquer presidente. Uma coisa é clara: uma forte “onda” Le Pen trará impactos determinantes sobre esse mesmo sufrágio, atenta a “balcanização” do voto dos seus múltiplos opositores.

A França será muito diferente a partir de segunda-feira. A outra má notícia é que, muito provavelmente, a Europa também, e para pior.