quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Cabeçudo


Pediram-me que crismasse um "cabeçudo" da Senhora da Agonia, na minha qualidade, em 2016, de presidente honorário das Festas.

Não tive a menor hesitação: para o futuro, este "cabeçudo" que figura na imagem passará a chamar-se Ignatz. 

Porquê? Sei lá!

Ignatz pareceu-me um bom nome, não acham?

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Histórias de Viana (7)


O Sales era bastante mais velho do que todos nós, embora mais de uns do que de outros. 

Em todas as cidades de província, por esse tempo, era vulgar haver umas figuras com uns anos mais, que acamaradavam com gente mais nova e com as quais se estabelecia uma relação marcada por algum respeito. A diferença connosco era muito clara: enquanto nós éramos estudantes, dependentes da ajuda dos nossos pais, essas pessoas tinham uma profissão estabelecida, muitas vezes eram casadas, usufruindo de alguma liberalidade das cônjuges para acompanhar rapaziada mais nova pelas noites, geralmente em fins de semana.

O Sales tinha uma casa de artigos funerários, creio que na rua da Capela das Malheiras, o que dava um toque ainda mais misterioso a esse nosso convívio. Um mito rezava que, numa noite, deixara dormir num caixão alguém com uma dificuldade pontual de acomodação. 

Num Verão ou dois das minhas férias em Viana, aí com 16 ou 17 anos, foi-me dado o privilégio de integrar um grupo a que, a partir de certa hora da noite, se juntava o Sales. Se a memória não me trai, era um homem na casa dos 40, magro, bem vestido, julgo que de bigodinho fino, bem falante e excelente companhia. Numa idade em que o desbragamento no léxico era a palavra de ordem de uma certa tendência para afirmação, o Sales induzia alguma seriedade ao nosso grupo, sendo que isso em nada era incompatível com a sua jovialidade e uma atitude divertida.

Uma noite, creio que no Bar Oceano ou no Viana Mar, veio à ideia de alguém, eventualmente suscitado por qualquer filme da época, enviar uma "mensagem ao mundo", uma tirada filosófica qualquer, que sobrevivesse no tempo e pudesse ser percebida por outros povos. Quando não há nada para fazer, a imaginação dita-nos iniciativas cujo caráter disparatado só se percebe muito mais tarde. No embalo da noite, com umas cervejas à mistura, o brilho da iniciativa surge-nos como incontestável.

Não sei se foi o Sales que teve a ideia, só me recordo que dela participou com entusiasmo. Dessa reflexão, cujo teor específico não recordo, resultou um texto, que hoje imagino "exemplar", com a tal "mensagem ao mundo", creio que de paz e concórdia, ou coisa parecida. No plano prático, o "papiro", redigido já não sei por quem, seria encapsulado e bem arrolhado numa garrafa. Esta seria lançada às águas do Lima, para que este a conduzisse ao Atlântico e, daí, para o mundos que a fortuna ditasse. A circunstância do texto ir em português nem por um segundo perturbou a iniciativa, seguramente ciente a universalidade do idioma de Camões.

Deitar a garrafa ao rio ali perto do Hotel Aliança ou de algumas ladeiras lodosas para deslizar barcos, na borda riberinha do jardim, não era um cenário que oferecesse uma dignidade mínima ao empreendimento. Creio que rapidamente se consensualizou a ideia de que a operação deveria ter lugar a meio da ponte de ferro, a ponte Eiffel, esse ímpar ícone vienense. 

E lá fomos nós, em bando noturno, de garrafa em punho, comandados pelo Sales, lançar a nossa "mensagem ao mundo", de cujo texto, por imperdoável incúria historiográfica, não cuidámos guardar cópia. Chegados a meio da ponte, depois de uma breve homilia laica e positivista, o Sales encarregou-se da nobre tarefa de projetar o recipiente, com gesto largo, sobre as águas do Lima. Não sem uma certa emoção, vimos a garrafa fazer o seu caminho, chapinhar um pouco na aterragem e, não obstante o breu misterioso das águas, flutuar, graças ao ar que envolvia a "mensagem ao mundo". Um luar vindo dos lados de Darque permitiu-nos um último olhar sobre o objeto deslizante no marulhar discreto do rio.

E foi então que, num segundo, a desilusão se instalou nas hostes. Afinal, ninguém tinha cuidado de pensar no ritmo das marés e, nessa noite, o mar Atlântico subia pelo rio acima. E a nossa garrafa, com a "mensagem" definitiva que o mundo por certo tanto apreciaria, que já imaginávamos nas costas americanas ou num percurso oceânico que não era de excluir que pudesse ir tão longe como as Caraíbas ou, com sorte, o Índico ou o Pacífico, afinal acabaria encalhada no lodo sem nobreza das Azenhas do Dom Prior, logo ali à Argaçosa ou, com sorte, pelo Pinheiro ou lá para o Barco do Porto.

Nem quero imaginar as imprecações suscitadas pelo infortúnio! Apenas recordo que, face ao inevitável, optámos por completar o trajeto da ponte, descer ao Cais Novo e ali, à vista difusa da Senhora das Areias, pouco antes dos "temíveis" acampamentos de ciganos, que as árvores escondiam no impensável trajeto a essa hora para o Cabedelo, aportámos à padaria para adquirir alguns pães, para o que a fábrica prudentemente proporcionava já venda de manteiga. E assim, desiludidos e enfarinhados regressámos à outra margem. Se o mundo tinha ficado mais pobre e ignaro sem a nossa mensagem, ao menos que o nosso estómago pudesse ser reconfortado com uns cacetes mornos, geradores de sede que, na noite vianense, e por essa hora, talvez já só pudesse ser saciado no Bar Astúrias.

Eram tão simples e prosaicos esses tempos...   

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Os portugueses e as Nações Unidas


A história da relação portuguesa com a Organização das Nações Unidas (ONU) é complexa e interessante.

Os equilíbrios internacionais posteriores à 2ª Guerra mundial não permitiram que Portugal, sob ditadura, integrasse a organização desde o seu início. Curiosamente, isso não se iria aplicar à entrada portuguesa para a NATO, onde o “mundo livre”, pelos vistos, não teve reticências em incluir Portugal como país fundador.

O Estado Novo desconfiava do multilateralismo e tinha boas razões para isso. O tempo subsequente à admissão de Portugal na ONU, que ocorreu apenas em 1955, acabou por se revelar penoso para a nossa diplomacia. Neste caso, já menos pelas credenciais democráticas do regime e, muito mais, pela sua recusa em aceitar o direito de autodeterminação do “ultramar”, como Portugal passara a chamar às suas colónias. Num tempo em que a onda descolonizadora, pós Conferência de Bandung, estava na ordem do dia, a subsistência de um Estado que, com falsa ingenuidade, falava “do Minho a Timor”, surgia como um imenso anacronismo.

E aqui, perdoe-se-me o corporativismo, a diplomacia portuguesa esteve à altura daquilo que lhe foi pedido. Com escassos meios e lutando contra um mundo adverso, os diplomatas portugueses fizeram o seu melhor, com enorme competência. Pode parecer estranho que eu destaque aqui a figura de Franco Nogueira, mas a verdade é que, titulando ele uma política errada, o modo capaz como a soube desenhar e implementar, mobilizando a nossa pequena máquina oficial, configura um modelo profissional notável – embora eu saiba que muitos leitores não perceberão que eu escreva isto.
Isolada e acossada nas agências especializadas da ONU, a ditadura portuguesa ia tentando sobreviver num mundo onusino que, crescentemente, lhe era hostil. À diplomacia, repito, competia atrasar o inevitável. E fê-lo tão bem quanto soube e pôde.

O inevitável aconteceu num certo dia de abril de 1974. De um momento para o outro, de “pária”, Portugal passou a “enfant chéri” das Nações Unidas. A boa vontade face ao nosso país apenas ficou condicionada pela indefinição que se vivia em Portugal.

Spínola enviou Veiga Simão para Nova Iorque, para tentar fazer a “ponte” entre a face aceitável do “marcelismo” e a onda democrática e proto-descolonizadora que se vivia em Lisboa. O sucesso da iniciativa foi escasso. José Manuel Galvão Teles, segundo representante democrático português na ONU, titulou depois um Portugal ainda em convulsão.   

Só a normalização política no final dos anos 70 permitiu a Portugal aproveitar em pleno a “montra” que a ONU proporcionava. 

Progressivamente, e a partir daí, o nosso país foi-se destacando em várias áreas do universo nas Nações Unidas, através de qualificados técnicos e diplomatas. Assumindo o risco da injustiça por defeito, mas apenas a título de exemplo em áreas especializadas, deixo aqui a referência a nomes como Marta Santos Paes, Paula Escarameia e Catarina Albuquerque, como personalidades que, mais recentemente, ajudaram a firmar o compromisso de Portugal com setores importantes da ONU. 

Em 1979/80, o nosso país seria finalmente eleito para um lugar de membro não-permanente do Conselho de Segurança, sob a liderança do embaixador Futscher Pereira. Poucos saberão que, em 1960, ainda antes das guerras colonias, Portugal ensaiara uma tentativa frustrada no mesmo sentido. 

Todas as prestações no CSNU foram sempre altamente prestigiantes para a imagem de Portugal, nomeadamente em 1997/98, com o embaixador António Monteiro e, em 2011/12, com o embaixador Moraes Cabral.

Pelo meio, ficou ainda o feito diplomático de ter conseguido eleger Freitas do Amaral para a presidência da Assembleia Geral, uma posição que, não obstante o seu caráter não executivo, tem forte significado. E, “last but not least”, é de justiça destacar as notáveis prestações das nossas Forças Armadas e policiais em operações de paz da ONU.

Portugal tem hoje a imagem justa de um “honest broker” no mundo da ONU. É essa imagem que seria agora importante reforçar com a eleição de António Guterres para secretário-geral da organização.


(Artigo hoje publicado no "Diário de Notícias")

domingo, 21 de agosto de 2016

Histórias de Viana (4)

Viana do Castelo é uma terra à qual o nome de Pedro Homem de Melo ficará para sempre ligado, quanto mais não seja pelo poema que Amália cantou.

O poeta tinha uma casa em Cabanas, perto de Afife, a poucos quilómetros da cidade.

Hoje, ao passar na praça da República, lembrei-me de uma história que o meu pai, testemunha presencial, sempre contava.

Pedro Homem de Melo passeava-se com amigos. Do outro lado da praça surgiu José "Rancheiro", uma figura conhecida da cidade, senhor de palavra fácil e de uma voz forte. E que, alto e bom som, fez ecoar pela praça o seguinte poema (cito de cor), que está num azulejo em Cabanas, junto à casa de Homem de Melo:

"O rio passa em Cabanas 
por entre fragas 
tão lindo
que mesmo que vá descendo
parece que vai subindo".

Acabada a curta declamação, José "Rancheiro" acrescentou, também bem alto: "Belo poema!". Ao que Pedro Homem de Melo, visivelmente lisonjeado, reagiu, com aquela voz rouca que tinha: "... dito por Vossa Excelência!".

Não deixava de ser bonito um certo cavalheirismo de um certo Portugal.

sábado, 20 de agosto de 2016

Histórias de Viana (2)


Estão a ver a pequena janela ao lado da Igreja de Nossa Senhora das Candeias, no Largo Vasco da Gama, em Viana do Castelo? Pertencia a uma casa minúscula, com entrada lateral para o largo que hoje se chama Amadeu Costa - que foi meu professor de natação e muito escreveu sobre Viana. 

Àquela janela assomava, na minha juventude, uma rapariga avantajada, de cabelos longos e ar desafiador. Tinha uma voz estridente, que se ouvia bem em todo o largo, quando falava para os conhecidos que passavam. A voz da jovem irritava-me supinamente e, na crueldade dos meus 10 ou 11 anos, gritava-lhe da varanda da casa da minha avó (fora da foto, à direita): "Cala-te, gorda!" 

A miúda - porque era uma miúda, pouco mais velha do que eu - respondia-me, furiosa, com impublicáveis impropérios com que me mimoseava, assentes num léxico muito "rico", bem próprio da Ribeira, que ali perto começa. A cena repetiu-se pelo menos por dois Verões. Depois, deixei de ver a minha interlocutora.

Lembrei-me dela hoje, ao passar pela janela fechada. Ainda será viva? A sê-lo, terá hoje cerca de 70 anos. Gostaria de pedir-lhe desculpa pela minha irreverência de há bem mais de meio século. Só tenho uma curiosidade: ainda usará os palavrões que, com sotaque bem vianense, ecoavam pelo largo, de um "nível" que fazia corar a estátua do Mercúrio que por lá há?

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Histórias de Viana (1)


Hoje, ao ver cair a chuva que atrasou o cortejo da Mordomia, na abertura das Festas da Senhora da Agonia, lembrei-me do "Santirso".

O "Santirso" era o nome de um barco espanhol de transporte que, na minha infância, aportava com alguma regularidade à doca de Viana do Castelo, em frente à casa da minha avó. Isso nada teria de especial, num porto que, à época, era bastante movimentado, se não se desse o caso da presença desse barco estar associada, no imaginário das pessoas da pesca vianense, à chegada de mau tempo. Por isso, e porque a coincidência se repetia com demasiada frequência, era voz corrente que as mulheres da ribeira apupavam os marinheiros do "Santirso", que olhavam como responsáveis pelas condições climatéricas que não permitiam a saída da barra dos pescadores.

O "Santirso" já não anda por cá e, neste ano em que sou o "presidente de honra" das Festas de Viana, espero que, definitivamente, a querela climática entre São Pedro e a Senhora da Agonia tenha ficado resolvida até domingo. Depois, pode chover à vontade... 

Remate para qualquer poema

Passeou pelos espelhos dos dias
suas clandestinas alegrias
que mal se reflectiram desertaram

(Ruy Belo)

Imunidade diplomática

Surgiu hoje nas notícias um caso que evoca a questão da imunidade diplomática. É um tema fascinante do Direito internacional público, que ressurge de quando em quando, em especial se, nesse domínio, se registam novos abusos.

Desta vez, ao que parece - e será preciso confirmar que assim foi exatamente - dois filhos do embaixador iraquiano em Portugal terão agredido barbaramente um cidadão em território português. A polícia, atentas as regras da imunidade diplomática, foi obrigada a soltá-los.

Pelas redes sociais vai já uma onda de indignação com a possível impunidade dos agressores, reclamando a sua punição pelas leis portuguesas.Convém parar um pouco para pensar.

É verdade que, a confirmar-se a agressão, os seus responsáveis poderão ficar impunes? É verdade. Isso só não aconteceria em duas circunstâncias:

         - se as autoridades iraquianas levantassem a imunidade dos jovens e permitissem que eles fossem julgados em Portugal pelo crime,

ou

             - se essas mesmas autoridades repatriassem os jovens e os julgassem no seu país.

Qualquer destas duas circunstâncias não depende da vontade do Estado português e não cabe a Portugal suscitá-las.

Esta situação tem laivos de injustiça objetiva e é natural que seja sentida como tal pela opinião pública. Mas ela é o "preço" a pagar pela salvaguarda da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas, um acordo internacional datado de 1961 e que regula a vida diplomática à escala do planeta, sendo considerado quase unanimemente como uma excelente Convenção.

Por que razão a Convenção protege estas "barbaridades"? Para evitar, por exemplo, que em países com alguns regimes sinistros, onde a proteção jurídica é muito frágil, onde a lei e a ordem estão raptadas por agendas de discricionariedade e arbítrio, contra qualquer diplomata estrangeiro possa ser montada uma "operação", na base de falsas alegações, acabando por ser julgado sem garantias, eventualmente fazendo-o passar anos na prisão ou mesmo sujeitando-o à pena de morte, se ela acaso ali vigorar.

É para a salvaguarda da liberdade de atuação e trabalho de uma esmagadora maioria dos diplomatas, cujo comportamento se processa dentro das regras, que a comunidade internacional paga o preço de ter de aceitar não punir os abusos que surjam, no âmbito das legislações nacionais.

O essencial da lógica da Convenção, em termos gerais (e sem entrar em preciosismos e particularismos aqui descabidos) é este: todos os titulares estrangeiros de cargos com acreditação diplomática, bem como os seus familiares (exceto se, por serem nacionais desse país, estiverem sujeitos à jurisdição local), estão isentos de responsabilidade penal por atos praticados nos países onde estão acreditados. (Não refiro aqui a questão complexa da responsabilidade civil).

Mas, então, Portugal não pode fazer nada neste caso?  Pode.

Se considerar que se confirmam os indícios de que aqueles cidadãos praticaram atos que configuram abusos da imunidade diplomática que lhes havia sido concedida, o governo português tem a possibilidade de considerar esses titulares de imunidade "personae non grata" e obrigar à sua saída do país, num dado prazo.

Uma coisa é clara e importante referir: Por exclusiva vontade própria, Portugal não pode julgá-los de acordo com as suas leis. Isso significaria colocar-se à margem das regras gerais que se comprometeu a observar. Nenhum país o faria, aliás.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Cristas redentora

Assunção Cristas, líder dos democrata-cristãos, deixou-se fotografar numa pose insinuante, tendo como fundo uma Lisboa estival, com um vestido branco, curto, com motivos de kiwis.

(Poderia colocar aqui a fotografia, que está a atravessar o país das redes sociais, mas prefiro não o fazer. Por duas razões. A primeira é porque a não apresentação da fotografia, mesmo para os leitores que já a conhecem, permite-me alimentar imageticamente esta narrativa (e isto não é despiciendo para a lógica expressiva deste espaço, desculpem lá!). A segunda razão é porque isso me permite concretizar um sonho: entrar num exercício idêntico à daquele programa da SIC, aos domingos, sobre futebol, construído com "paleio", sem imagens.)

A fotografia é tirada do miradouro de S. Pedro de Alcântara, em Lisboa. Do piso superior, não do jardim de baixo, onde Fernanda de Castro, mulher de António Ferro, criou, com a complacência do ditador, um ramo da sua obra de assistência infantil. Desse nível, a perspetiva seria menos boa e a imagem decadente das estátuas, decapitadas ou mutiladas pela javardice das ressacas do Bairro Alto, não ajudaria. E, já nem no CDS deve haver muita gente que conheça a escritora, podendo ser assim sensível ao toque subliminar de uma referência conservadora.

Cristas (ou Líbano Monteiro ou Luís Paixão Martins ou António Cunha Vaz, dependendo da agência de comunicação avençada) quis ter Lisboa do alto. Mas não escolheu o vidro modernaço do terraço do Hotel Bairro Alto ou do Park bar ou da varanda do Insólito, por detrás da fotógrafa. Quis ter como base um peitoril sobre uma grade clássica, que esperou por uma excelente luminosidade para refletir uma cromia serena, nem excessivamente anoitada (inconveniente, na proximidade dos fados e do Bairro Alto), nem ensolarada de luz quente (que induziria nota de alguma lubricidade).

A pose é "casual", mas muito estudada. Por um lado, isso é bom. Um perfil totalmente natural induziria relaxamento, quiçá volúpia, abrindo portas (salvo seja!) a leituras liberais, nos usos e nos costumes. Ora Cristas é tudo o contrário disso, é uma senhora casada, mãe de família, com um rancho de crianças, num recorte muito tradicional. Fazer pose é, assim, de rigor.

Não se esperaria, porém, naquele cenário (com o Caldas ao fundo, para além do Condes) um "tailleur" cobrindo o joelho, como o fariam Ferreira Leite ou Teodora Cardoso, se lhes passasse pela cabeça deixarem-se retratar assim em frente à antiga FAUL, onde nasceu o PS lisboeta. Por isso, e porque é o elemento provocatório do conjunto, o vestido é toda "uma história". Tipo "saco", com meia manga larga, tem uma altura que não é chocante naquilo que revela, sem deixar de ter um toque ousado na sua contemporaneidade. Os motivos frutais têm tons de verde seco que acompanham os ramos do arvoredo por detrás da retratada, num conjunto que induz um tom algo intimista, de jardim, no mundo do recorte urbano. Os pés displicentemente cruzados, com sandália de tacão muito alto, assentam numa calçada dita portuguesa, embora verdadeiramente apenas lisboeta, reconduzindo a líder ao solo reconhecível. O relógio, negro, pouco clássico, rompe com a brancura da veste.

O olhar de Cristas é para a direita ("what else?"), para os lados do Paparrucha (outro belo possível cenário, para a próxima) ou do saudoso Pedro Quinto. O esgar é impecável, neutro, um toque de sobranceria que não fica mal, de destino assumido, auto-confiança, talvez com um excesso ligeiro de artificialismo na luz induzida. Há por ali firmeza, alguma distância, visão, uma determinação acentuada pelos tendões do pescoço, que revelam maturidade cruzada com a juventude adulta que se procura exaltar. Sobre os kiwis não me pronuncio, embora preferisse peras ou melões. Tudo menos laranjas!

Restam os joelhos. A decisão de mantê-los sem retoques de "photoshop" revela uma forte personalidade. "Chapeau"!

Que pensarå o PP sobre esta voluntária exposição da sua líder? E o velho CDS? E Portas, cujas poses eram em geral os seus piores retratos, porque ficava com ar de alguém que ironizava com a situação e tinha algo a esconder?

Esta é uma fotografia reveladora de uma certa imagem que Cristas procura fazer passar: ousada, firme, insinuante, conservadora moderna.

À atenção do PSD!

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Vigarice (2)

Com a ajuda de amigos que fizeram uma denúncia ao Facebook, ficou resolvida, num par de horas, a questão do perfil falso criado com o meu nome.

Fico muito grato a quem me avisou atempadamente e a quem tomou a iniciativa de denunciar o abuso.

Correr o risco de ver coisas assinadas por "nós", sem delas ser autor, é algo preocupante.

Felizmente que as redes sociais têm estas salvaguardas e que elas são eficazes.

Tudo está bem quando acaba bem! 

Vigarice

Um espertalhão qualquer criou no Facebook uma conta em meu nome, com uma imagem idêntica à da minha conta original. Já fiz queixa ao Facebook.

Assim, peço a quem receber um pedido de "amizade" em meu nome o favor de ignorar ou, se acaso inadvertidamente jâ tiver aceite, de "desamigar" ou bloquear essa conta, que se distingue por ter apenas umas dezenas de "amigos".

Conversas no Pereira (5)

- Estou furibundo! Só tenho duas contas bancárias e não é que me mudaram, nesta época, precisamente as minhas duas gestoras de conta?

- Não estranhes! Este é o período das transferências...

- Fico irritado com estas mudanças. Já tenho saudades do tempo em que, atrás do balcão dos bancos, por anos, havia sempre o mesmo sr. Almeida ou o sr. Gonçalves...

- Tu não tens saudades desses empregados. Tens é saudades do tempo em que havia bancos...

Meia dúzia de tweets desportivos

- Nestes jogos olímpicos o Bahrein está cheio de Obikwelos.

- Na hora na morte, é costume abaterem-se as bandeiras. Havelange foi um modernizador da FIFA, mas foi outras coisas menos boas.

- As Caraíbas tiraram muitas medalhas aos EUA em especialidades de velocidade. Não é novo, mas é notável.

- Tanta se reza no início das provas olímpicas! Lá em cima, deve ser uma confusão para "arbitrar"...

- Foi lamentável a vaia ao saltador de vara francês pelo "caseiro" público brasileiro. E parva a comparação feita com Berlim em 36.

- Portugal perdeu nas disciplinas com raquete apenas por culpa própria: os melhores ficaram na minha praia a dar-me cabo do juízo.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Medalhas

Acho alguma piada à desilusão nacional pela falta das medalhas olímpicas!

É claro que seria muito melhor obtê-las, mas fico bastante satisfeito pelo facto do país mais pobre da Europa ocidental, que hoje faz um investimento mínimo no desporto de alta competição (tirando o futebol, porque aí mete "massa da grossa"), consiga, apesar de tudo, ter alguns atletas que se qualificam nos dez primeiros do mundo. 

E fico orgulhoso por muito desse Portugal ser das cores da diversidade (não apenas étnica, mas também social) de que hoje, cada vez mais, é feito este meu país.

Eça agora




Eu pensava que Eça de Queiroz era um dos poucos consensos nacionais (verdade seja que não consultei nem Vasco Pulido Valente nem Alberto Gonçalves, esforçados profissionais nacionais do dissenso). Porém, há uns meses, um amigo surpreendeu-me. Trata-se de alguém bastante conhecido e que, tendo eu feito uma citação qualquer de Eça, me disse: "Eça, sendo um excelente escritor, reduziu o país a algumas caricaturas autoflagelatórias com que hoje nos comprazemos de forma comodista".

Devo dizer que percebo esse amigo, embora discorde dele a 1000%. Eça fez um retrato a preto e branco de um país em decadência. Uma decadência que não parou, desde então. Foi um retrato escrito ao longo de anos, o que significa que esse próprio esquiço de Portugal também não deixou de acompanhar a evolução do próprio Eça, o modo como a sua relação com o país se foi alterando - e esta é uma realidade que frequentemente não é tida em conta, como se tivesse havido apenas um "único" Eça.

Foi o realismo, às vezes quase maniqueu mas sempre com algum traço afetivo, com que Eça nos serviu uma multiplicidade de "characters", que fez com que o país passasse a dispor, projetados numa escrita genial, de uma multiplicidade de figuras-limite que, a partir de então, "colamos" às sucessivas realidades do país. Aos Conselheiro Acácio ou os Dâmaso Salcede continuamos a encontrá-los pelas esquinas e, olhando para a comunicação social de hoje, quantos Melchior ou Palma Cavalão não andam ainda por aí! Ou alguém tem dúvidas que "A Corneta do Diabo" era a premonição evidente de um tablóide matinal de cujo nome, como diria Cervantes para um certo lugar na Mancha, não me quero lembrar?

O meu colega de profissão José Maria Eça de Queiroz morreu faz hoje, dia por dia, 116 anos. Com 54 anos. Em Paris, seu último posto diplomático, como sucedeu a outras figuras portuguesas admiráveis, como Mário Sá Carneiro, Afonso Costa ou Gérard Castello-Lopes. Morrer deve ser chatote, mas Paris é, com toda a certeza, uma bela cidade para se morrer.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

A Moagem e eu


Um amigo atento ao que escrevo - tenho outros que me chamam a atenção sobre aquilo que não escrevo - disse-me há pouco: "Isso de tratares o Diário de Notícias como o "quotidiano da Moagem" não é muito bonito!". Confesso que não sei se foi o mesmo que, há alguns meses, me chamou a atenção por ter designado o Público como "a estimável folha da Sonae".

Ora bem! Que fique claro que o facto de eu poder criticar, aqui ou ali, o trabalho de alguns jornais só prova, desde logo, que os leio. E revela, em especial, a minha estranheza por encontrar, por vezes, nesses mesmos órgãos de comunicação social, aquilo que tenho por falhas ou imprecisões, que acho menos dignas da qualidade a que me habituaram. 

Quanto à Moagem, desculpem lá! Era o nome popular da Companhia Industrial de Portugal e Colónias a qual, por muitos anos, foi a proprietária do jornal. Creio que foi em Artur Portela Filho que li, pela primeira vez, essa referência. Eu sei que hoje já não há colónias (embora ironicamente as ex-colónias tenham regressado ao DN...), que se tivesse sido concretizada a vontade de alguns figurões, que ainda andam por aí algarviar lérias, já quase não havia Portugal, mas a imagem da Moagem ainda me atrai. Tal como me atrai esta deliciosa imagem de Stuart, que retrata a sede do DN na Avenida da Liberdade, aliás creio já passada a patacos para mãos estrangeiras. 

Assim, nesta confortável inimputabilidade de leitor (e de ocasional colunista convidado do DN), apetece-me hoje dizer: que pena que o DN já não seja da Moagem! 

Rigor

Há-de haver alguma diferença entre a "Voz de Sanguinhedo" e o "Diário de Notícias"!

No primeiro periódico, se acaso existisse, era desculpável que algum plumitivo amador atribuísse a Jorge Sampaio a expressão que ele nunca proferiu: "há mais vida para além do défice".

Mas a uma senhora jornalista profissional, com uma coluna de opinião com foto sorridente numa página ímpar do "Diário de Notícias" (recordo que, nos jornais, as ímpares, salvo a última, são mais importantes do que as pares), não é admisível essa referência (mesmo que atenuada com o "atribuída a") que, além de rotundamente falsa, tem de injurioso tudo quanto alguns têm com ela procurado fazer ao longo de anos. Injúria que este novo artigo prolonga e assim aduba, por muito que possa não ter sido essa a intenção. É que, no jornalismo, ao contrário do que dizia o manholas de Santa Comba para a política, o que é parece.

Se a "silly season" na redação do quotidiano da Moagem não der tempo para ir ao Google, pode sempre ler aqui (e não tem nada que agradecer)

O mês de 40 dias

Na minha cabeça, tenho o ano dividido em dois períodos, muito desiguais em dimensão: de setembro a dezembro e de janeiro a julho. Estes são os meus dois "semestres". Agosto é a pausa.

Para mim, o ano começa, verdadeiramente, em setembro. É um mês diferente de todos os outros, com menos "eventos" mas não com menos compromissos, bem pelo contrário. Arrumo (ou penso arrumar) nele muitas coisas, no caminho para os onze que se seguem. Depois, outubro e novembro são meses cheíssimos. Só lá para 20 de dezembro é que tudo estaca. A pausa natalícia prolonga-se até à primeira semana de janeiro, quando tudo rearranca, de novo bem a sério. Fora o período da Páscoa, todo esse segundo "semestre" é muito intenso, apenas com as festividades em junho a atenuar o ritmo, mas com as aulas a reforçá-lo. Como já estou muito longe do tropismo obsessivo para o turismo, fico a ver os meus amigos, entre maio e junho, a avançar para "as viagens".

A maior diferença que senti entre os anos de vida em que estava numa atividade profissional oficial, "from nine to five", e a atípica "aposentação" que se aproxima dos quatro anos, são os meses e julho e dezembro. No passado, esses eram meses de transição para tempos de férias, já de um relativo "phasing-out" laboral. Hoje, não: verifiquei que a atividade privada acelera fortemente na última quinzena de julho e na primeira de dezembro. Foi uma descoberta interessante.

Quando vivi na Noruega, ouvia dizer que o dia de hoje, o 15 de agosto, era "o início do inverno". Também convém não exagerar! Mas há pouco, ao acordar, confesso que senti, como dizia o poeta", que já "cheira a setembro". Aliás, confesso, ando a preparar esse mês há largas semanas. São muitos os amigos com quem já troquei o clássico "então, combinado!, almoçamos lá para setembro!". Se acaso todos esses almoços de "rentrée" viessem a ter efetivamente lugar, setembro seria um mês de 40 dias. Úteis, claro.

domingo, 14 de agosto de 2016

Fidel

Julgo que por uma questão etária, a Revolução cubana nunca fez parte das mitologias políticas a que fui particularmente sensível. A mim, disse-me sempre muito mais, por exemplo, a guerrilha vietcong no Vietnam do que a aventura da Sierra Maestra. Mesmo as peregrinações posteriores de Guevara, do Congo à Bolívia, levei-as à conta de um voluntarismo romântico, simpático mas algo inconsequente.

Dito isto, é impossível, para alguém da minha geração, não ter tido alguma afetividade pelo movimento que conduziu ao derrube de Fulgêncio Baptista e pelo desafio orgulhoso aos Estados Unidos em que Cuba se erigiu, em especial num tempo em que Washington, à luz de uma cínica realpolitik motivada pela Guerra Fria, se tornou protetor de várias sinistras ditaduras, um pouco por toda a América Latina.

Li o que julguei necessário sobre Cuba e, um dia, passei por lá uns dias, bem fora das zonas turísticas. E, devo confessar, não gostei muito do que vi. Chocou-me a desesperança triste de alguma gente com quem falei. 

Já não vivo num mundo maniqueísta que me leve a justificar a flagrante ausência de liberdades e a vida miserável - repito, miserável - daquela gente como contraponto óbvio das pressões externas, nomeadamente com os malefícios do ridículo bloqueio americano. 

Por tudo isso, os 90 anos de Fidel, ontem completados, não suscitaram em mim qualquer particular emoção.

sábado, 13 de agosto de 2016

Conversas no Pereira (4)

- Acho que não vamos ter mais nenhuma medalha nos Jogos Olímpicos.

- Que pessimista! Por que é que dizes isso?

- Porque o Marcelo já regressou do Brasil.

- Ora essa! Que tem uma coisa a ver com a outra?

- Tem tudo! Não é ele que distribui medalhas pelos portugueses?

Desordens

Não sei como hei-de dizer isto sem ofender algumas classes profissionais, mas não posso calar o sentimento de que, em certos setores, as Ordens parece terem caído a pique no nível dos dirigentes que nos dias de hoje elegem. 

É talvez a "proletarização" de certas atividades que a isto conduziu, mas faz-me confusão ver eleitas para cargos de bastonário pessoas que, por exemplo, foram objeto de processos por conduta profissional incorreta.

Tinha-me habituado a ver num bastonário, não uma espécie de "duplo" dos dirigentes sindicais da classe, mas figuras referenciais na profissão, personalidades prestigiadas junto dos seus pares, sempre contidas na palavra, com a utilização desta a revelar peso, com prestígio que facilitasse a interlocução com os poderes. O que se vê mais por aí (com exceções, diga-se) são figuras de terceira ou quarta linha, truculentas, sem autoridade moral, de palavra vulgar.

Se acham que esta nota foi suscitada por um artigo que acabo de ler no "Público" sobre a Ordem dos Advogados, não se enganaram.

Memória pouco militar

O "Diário de Notícias" de hoje traz uma longa e interessante entrevista com o cineasta João Botelho. Andámos juntos no liceu e somos daquela espécie de velhos amigos que se encontra a espaços, às vezes com anos de intervalo. Quase sempre no "Snob", da última vez num ensoleirado "ferry" fluvial.

Há dias, num grupo de amigos, contei uma historieta com mais de meio século, em que me recordo que o João também figurava. 

Creio que na dúvida sobre se conseguiríamos entrar no exame para universidade, alguns de nós, no Verão de 1966, em Vila Real, começámos a treinar no Regimento de Infantaria 13 as provas de acesso à Academia Militar. Confesso que, à distância, me não estou a ver com um futuro castrense e, até hoje, pergunto-me por que diabo me prestei a esses exercícios masoquistas, que incluíam o sinistro "galho", o "pórtico", o muro, a vala e outras provas que vim a reencontrar menos de uma década mais tarde, quando involuntariamente me vi militar a prazo. No termo desses treinos, e essa era a melhor parte, organizávamos partidas de futebol, juntando os tais "voluntários" que nós éramos com pessoal da unidade, em especial os oficiais que nos orientavam. E acabávamos com um copo na messe.

Um dia, numa dessas ocasiões, vimos ao longe dois soldados de mão dada. O nosso espanto foi imenso. A cena era insólita numa sociedade como a portuguesa, há 50 anos, ainda por cima dentro de uma unidade militar. Imagino os sorrisos e dichotes irónicos que ela terá provocado, na reação machista tradicional e então quase de regra. 

Fomos interrompidos, nos nossos comentários, por um sargento: "Não é o que pensam!" Olhámos surpreendidos para o militar, que nos contrariava o pensamento óbvio. Ele explicou: "É gente que vem de aldeias isoladas muito longe, da zona do Barroso, que está fora pela primeira vez da sua terra. Aquele gesto é um sinal de fraternidade e de mútuo apoio, face ao isolamento que sentem. Não são homossexuais" (a palavra usada não foi essa). 

Com os anos, voltei a assistir a gestos semelhantes em África, em especial em países árabes e sempre me recordei desse episódio. De uma coisa estou certo: se a cena se voltasse a repetir no Portugal contemporâneo, a nossa presunção de há meio século seria seguramente confirmada.

Não acredito!

Alguns dirão que esta é uma atitude gratuita, não fundamentada, porventura preconceituosa. Outros considerarão que releva de falta de respeito político pelo governo, mesmo de incompreensível ausência de solidariedade para com gente que é minha amiga. 

Será o que quiserem e adoraria estar enganado, mas não consigo acreditar que o grupo de trabalho criado para tratar da questão da prevenção e combate aos fogos florestais, cujas conclusões irão a conselho de ministros no Outono, vá resultar em algo substancialmente relevante, que possa ter um impacto significativo no estado de coisas que se vive em Portugal. É uma descrença de quem já viu este "filme" anos e anos consecutivos, que assistiu a inúmeros "agora é que é!" que acabaram por dar no que agora aí se vê.

Pelo que se observa pelo mundo, uma constatação impõe-se: sempre que houver um "cocktail" de condições adversas, com temperaturas altas e baixa humidade, a floresta vai arder de novo. Em Portugal como em Espanha, nos Estados Unidos como na Austrália. Pode é arder mais ou menos, dependendo das condições criadas para o evitar.

A minha teimosa falta de crença nas soluções que aí vêm liga-se ao que entendo ser a inevitável continuação de dois fatores negativos, que Portugal não vai conseguir superar: a sua estrutura fundiária, com gente cada vez mais ausente das zonas rurais ou que é proprietária de terrenos que não produzem o rendimento suficiente para sustentar a sua limpeza, e a falta dos recursos financeiros ao Estado para vir a suprir essa lacuna dos proprietários privados, que hoje são detentores de mais de 90% da área florestal do país. Porque nenhum destes fatores pode mudar por obra e graça do "novo banco", tudo vai continuar na mesma. 

O resto, os meios de deteção e prevenção, os de combate aos incêndios e a otimização da sua organização, a repressão dos incendiários e a melhoria da legislação para os punir, bem como o sempiterno "número" salvífico do uso dos militares, isso é outra parte da história. Uma história que eu receio acabe da mesma maneira que tem acabado ao longo de vários governos, isto é, em "águas de bacalhau".

Que fique claro: não tenho soluções miraculosas, não sou especialista no assunto, nem sei mais do que um qualquer outro cidadão. Mas tenho o meu inalienável direito à "fezada", neste caso à falta dela, e exerço-o aqui.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

O abraço de Marcelo


Anda aí um pequeno debate sobre o abraço de Marcelo a uma vítima dos incêndios na Madeira. Desde os neo-marcelistas recém-convertidos com o amplexo até aos detratores irónicos que acham haver politiquice no gesto.

Conheço pessoalmente Marcelo Rebelo de Sousa há bastantes anos. Não votei nele (votei António Sampaio da Nóvoa, para que não haja dúvidas), mas tenho consideração e simpatia pessoal por ele. Espero, com sinceridade, que o país ganhe com a sua presidência. Já está a ganhar, pelo contraste feliz que faz com o seu sombrio antecessor. Quem, no fim, julgará isso? Eu, claro, porque sou dono da minha opinião, como o sou do meu voto.

Porque creio conhecer suficientemente o cidadão Marcelo Rebelo de Sousa, estou totalmente seguro de que aquele abraço, aquela emoção, aquele gesto são de uma total genuinidade, representam um instante solidário para com um deserdado da sorte, por parte de quem, sendo o presidente da minha República, é acima de tudo um homem com sentimentos.

Neste mundo de teorias conspirativas e de claqueiros de teatros de sombras, as pessoas esquecem que as coisas, às vezes, são bem mais simples do que parecem.

Ninguém morre de véspera


Regressemos ao final de 2015, ao momento em que António Costa surpreendeu o país com o acordo parlamentar que proporcionou a « geringonça » que nos tem governado. 

Lembremo-nos do tom patibular de Cavaco Silva, da deselegância política com que reagiu ao entendimento parlamentar que reconduziu a esquerda ao poder. Recordemos o « roadshow » revanchista que a antiga maioria promoveu pelo país, tentando incendiá-lo politicamente contra a nova solução governativa. Elenquemos as « cassandras » (nas quais me incluo) que davam por certa a incompatibilidade entre socialistas e os companheiros da « frente popular ». Tenhamos presente as previsões que garantiam que Bruxelas, que detesta ver a « esquerda da esquerda » perto do poder, iria fazer vergar o primeiro orçamento, esmagar com sanções o défice herdado dos seus « amigos » e criar uma guerrilha permanente que transformasse este num Verão em que do calor não resultassem só incêndios. E quantos não foram, à pressa, reler a detestada Constituição, tentando perceber os meses que faltariam para que o futuro presidente de direita dissolvesse o parlamento, convocasse eleições e retornasse os seus ao poder ?

O futuro é sempre mais imaginativo do que os homens. A maioria, embora sacudida pela chantagem do sindicalismo paleolítico e por umas flores legislativas « fraturantes » que a sua natureza obrigou a adotar, demonstrou uma inesperada capacidade para trabalhar em conjunto. Com maior ou menor esforço e sucesso, ultrapassou algumas crises, como a dos contratos de associação com o ensino privado, polémicas de conjuntura, como a demissão de João Soares ou os governantes « voadores », ou ratoeiras herdadas do passado, como o Banif ou a Caixa. 

A crise das (não) sanções acabou por gerar um momento de indignação nacional, que atrapalhou a oposição e colocou o país atrás de António Costa. O Euro futebolístico acabou por reforçar o otimismo com que o sorriso do primeiro-ministro tem vindo a acalmar um país que, em boa medida, viveu estes meses num surto de alguma esperança, de recuperação de rendimentos e de uma « oxigenação » salutar do seu quotidiano.

Seria de uma grande injustiça não pôr também a crédito do novo presidente da República uma fatia importante da descrispação que o país atravessa. Mas não nos iludamos. Por muito boa vontade que Rebelo de Sousa pudesse ter, se tudo se tivesse desconjuntado, por exemplo, em matéria de finanças europeias, as coisas não estariam como estão.

Em perspetiva, há que convir que a « geringonça » soube ultrapassar os grandes testes com que foi confrontada. Até ver, a avaliar pela nervoseira raivosa que provoca nos seus opositores, saiu « melhor do que a encomenda ». O futuro ? É só amanhã ! Ninguém morre de véspera.

(Artigo que hoje publico no "Jornal de Notícias")

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Anedotas

- Por que é que não escreves um livro de memórias?, perguntei hoje a um amigo, durante um almoço em que nos contou alguns episódios, bem divertidos e interessantes, da sua vida diplomática.

- Porque são simples anedotas, respondeu.

A palavra portuguesa "anedota" concentra dois conceitos que, em língua inglesa, são distintos: "anedoct" e "joke". Enquanto que este último é uma "piada", uma "graça" para gargalhar, o primeiro aproxima-se mais daquilo que por aqui "pratico", isto é, a historieta que descreve uma situação ocorrida, em geral divertida ou espirituosa, mas não necessariamente hilariante. Deve ter sido esta a perspetiva do meu colega.

Em qualquer das suas aceções, o conceito, contudo, não deixa de ser desqualificador. Publicar anedotas, ou melhor, resumir uma vida a um percurso de episódios mais ou menos divertidos, é um passo discutível, concedo. Há uns anos, li um livro divertidíssimo de um diplomata estrangeiro que, de tão obsessivamente recheado de historietas, em geral titulada por outros, quase fazia esquecer o seu próprio percurso pessoal.

Fiquei a pensar que, lá no fundo, essa será porventura a principal mas não assumida razão pela qual nunca perdi umas horas a recolher deste blogue algumas das largas centenas de historietas que por aqui tenho vindo a deixar registadas, desde há mais de sete anos, transformando-as num livro, como às vezes me sugerem. É porque detestaria que a imagem de uma profissão a que dediquei quatro décadas da minha vida pudesse ser marcada no imaginário de quem me viesse a ler, em letra de forma, pelo tom deliberadamente "light" que por aqui utilizo. 

Esta é uma decisão definitiva? Sei lá! Não disse que era uma decisão irrevogável...

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Os sorrisos de Luanda



Foi no domingo, num fim de tarde alentejano, com o sol a declinar sobre o mar, como esta imagem (medíocre) atesta. De súbito, olhando a paisagem, perguntei a quem ia ao meu lado: "Isto não te lembra nada?". A resposta foi "Luanda".

Em rigor, não era bem Luanda, era a estrada que saía de Luanda para sul, passada a Samba e a Corimba, o Costa do Sol, a misteriosa zona presidencial do Futungo, a caminho do Quilómetro Dezassete, onde uns "camaradas" procediam "ao reconhecimento das viaturas", antes de entrarmos no longo percurso até à barra do Quanza. Depois de novo controlo na ponte - "já há kwachas por aqui!", dizia-se, nos últimos anos -, seguia-se pela reserva da Quissama até a um ponto alto de onde se descia para Cabo Ledo, para as belas lagostas do Mário, cozinhadas em água do mar. Praia, conversa, almoçarada longa e divertida e regresso à capital, com paragem obrigatória no Morro da Lua, para um último whisky, seguida de pores do sol magníficos, que gozávamos como versões lusotropicais da "National Geographic".

Esta era a vida privilegiada de alguns diplomatas, técnicos estrangeiros, "cooperantes" e amigos angolanos, nos domingos luandenses dessa segunda metade dos anos 80, que quase sempre ainda acabavam numa jantarada generosa em casa dos "Guedais". Na véspera, no sábado, o programa tinha sido, em geral, o Mussulo, uma romagem em barcos com arcas frescas e vitualhas, que saíam sabe-se lá bem de onde.

Éramos, há que reconhecer, uma quase obscena "ilha dourada" nessa cidade de grande pobreza, onde afluiam dos campos centenas de milhares de refugiados, expulsos pelo conflito, que viviam um musseques cada vez mais gigantescos e miseráveis. Cruzávamo-los pelas ruas, nas suas deslocações, a pé sob o sol a pique ou atafulhados em "combies" abafantes, a caminho do sustento. Eram milhões, mas só conhecíamos alguns, aqueles que trabalhavam para nós, junto de quem absolvíamos, com gestos facilmente simpáticos, o nosso íntimo desconforto.

Às vezes, raras, essa nossa Luanda tocava, em algumas ocasiões públicas ou sociais, estratos da classe política angolana, nesse tempo muito radicalizada politicamente, com muito escassa propensão à ostentação, vista talvez como inconforme com os rigores do conflito que atravessava o país. Era gente quase sempre esforçadamente distante de nós, com menos compreensíveis (ou, se calhar, nem tanto) exceções, que afivelava uma lusofobia oficiosa militante, atenuada à chegada à Portela de Sacavém, para visitar a família.

Luanda era então, recorde-se, uma cidade em guerra, quase sitiada pela instabilidade, pelos rumores de erráticos incidentes. A Norte, podia passear-se até ao Cacuaco, a Leste até Viana - mas para ir aí fazer o quê? Arriscar uma avaria e, em tempo sem telemóveis, "entrar numa fria"? Frequentes eram os cortes de energia elétrica, as falhas de água, havia imensa malária, as escassas lojas estavam quase vazias, os imensos mercados populares estavam muito aquém dos limites da salubridade, os serviços públicos eram altamente deficientes, os hospitais e clínicas de evitar a todo o custo, havia dois ou três restaurantes "íveis", imprevisíveis na abertura e a "fazer-se caros" nas reservas, era zero a oferta cultural (salvo filmes repetidos à exaustão em ruidosos e algo caóticos cinemas ao ar livre e livros soviéticos ou aparentados traduzidos, à venda numas livrarias manhosas, onde, de português, só se encontrava o "Avante!"). Nas madrugadas, entre a meia-noite e as cinco, era proibido circular durante o "recolher obrigatório", exceto com salvo-conduto cuja eficácia sempre temíamos, atenta a distração, às vezes etilizada, das tropas de serviço.

E, no entanto, esse foi um tempo magnífico das nossas vidas! De amizades para a vida, de histórias deliciosas, de convívios memoráveis. Um tempo único, talvez porque a idade também ajudasse. Tenho muitas imagens que me ficaram de Luanda. Uma boas e outras más. Faço um deliberado esforço para só guardar as primeiras. E, dentre elas, guardo sempre os sorrisos.

Fiquei com os sorrisos alegres, às vezes desdentados, das simpáticas quitandeiras dos mercados, preocupadas que algum "camarada ladrão" nos assaltasse a carteira. Os sorrisos ingénuos dos jovens soldados nos controlos das estradas, que se rasgavam com um maço de tabaco ou uma cerveja. O sorriso resignado daquela logista onde, ingénuo, entrei para comprar algo que estava na vitrine e que, nesse imenso armazém cheio de prateleiras vazias, me retorquiu com ironia triste que aquilo era "para encher montra". O imenso sorriso e a gargalhada franca do Sambo, o empregado do "grill" do Trópico, quando com ele inventávamos ágapes imaginários, garrafeiras míticas, num teatro amigável e divertido, com que procurávamos dar a volta à realidade trágica dos dias.

E, principalmente, lembro-me muito bem dos sorrisos abertos das crianças. Aqueles filhos de pescadores do Mussulo a quem levávamos o "lanche", as sandwiches e as Coca-Cola, que sorviam como um banquete. E as crianças da vizinhança do "compound" da embaixada, que por anos nos diziam adeus a dançar para as nossas janelas, das casas pobres onde viviam, quando, pelos Natais, lhes trazíamos de Portugal caixotes de brinquedos que os nossos sobrinhos tinham já posto de lado. Nunca esquecerei o brilho daqueles olhos. Que será feito deles? Sorrirão?

Quarta-feira de Ramos

Houve hoje por aqui, fruto das distrações da "silly season", um troca de nomes. Parabéns, agradecimentos e desculpas aos leitores atentos.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Os livros e as férias


A minha relação com os livros, em férias, é muito complexa. E, invariavelmente, frustrante, embora eu disfarce isso perante mim mesmo, com relativo sucesso.

Em miúdo, em casa da minha avó, lá por Viana do Castelo, durante as férias, passei a dormir, por vários anos, num divã colocado na biblioteca. De três grandes armários envidraçados surgiam-me as lombadas de uma imensidão de livros, na maioria encadernados, numa escolha que não era muito óbvia mas que correspondia aos interesses culturais de um tio por afinidade - o tio Túlio - que morrera antes de eu nascer e cuja biblioteca ficara como a sua imagem póstuma. (Às vezes penso que é possível fazer um perfil bastante aproximado de alguém através dos livros que deixou ao longo da vida). Durante alguns anos, olhava para aquilo como cenário. Depois, com artes, acedi à chave e, sem o menor critério, ou melhor, com critérios erráticos de quem não tinha para isso a menor orientação, lá fui lendo (às vezes só algumas páginas de) livros um pouco ao acaso. Era o tempo em que a banda desenhada me ocupava quase obsessivamente as horas  - e nunca me perdoei disso.

Noutro cenário de férias, na casa do meu avô, em Bornes de Aguiar, ao lado das Pedras Salgadas, o ambiente da disponibilidade bibliográfica tinha a caraterística de ser mais eclético, mais caótico e muito mais contemporâneo (bastante fornecido por um tio que vivia em Lisboa e era dado à curiosidade pela literatura). Havia de tudo por ali, mas, estupidamente, não me lembro de ter aproveitado devidamente muito de bom que podia ter lido, que poderia ter ajudado fortemente a colmatar falhas graves que permanecem na minha cultura no terreno da ficção. O que eu por ali então li, em grande prioridade, foram livros sobre a Segunda Guerra mundial, sobre as relações Leste-Oeste ou artigos das Seleções do Reader's Digest. De romances, apenas alguns Camilo e Redol, ou romances da guerra, de Leon Uris ou Erik Maria Remarque. Ou então uma coisas chatíssimas, mas informativas, de Fernando Namora, sobre uns encontros de debate internacional a que assistira, na Suíça.

Um dia, para todos nós, as férias passam a ser da nossa exclusiva conta. E os livros que para elas levamos também. De início, havia muito "whishful thinking": livros que "havia que ler" mas que, durante o ano, nos não apetecia ler. Se eram coisas "pesadas", menos razão havia para ir carregado com esses monos, muitas vezes coisas "essenciais" mas ai damais impossíveis de digerir em ambiente estival. (Recordo-me que o mais próximo que estive de ficar deprimido alguma vez na vida foi, numas férias algures na Beira, quando dei por mim a soçobrar a meio do segundo volume do "Traité d'Economie Marxiste", de Ernest Mandel. Talvez por essa razão, senti um imenso alívio, há dois anos, quando ofereci os três volumes dessa obra do pensador trotskista belga à Biblioteca de Vila Real, para integrar o espólio de milhares de livros meus que para aí vão caminhando com o tempo).

Desde há muitos anos que, incluída na bagagem para as férias, há a chamada "saca dos livros". Tem sempre entre 30 e 50 volumes e, não raramente, alguns deles transitam de ano para ano. Por lá figuram obras "virgens", compradas num momento de inconscinte otimismo num dia bem disposto numa livraria, de que nunca abri um página. Outros são livros que comecei a ler, que ascenderam à pilha sobre a minha mesa de cabeceira, mas que foram lentamente submergidos por outros. Um dia, aí de três em três meses, quando a resma começa a inclinar-se, qual "torre de Pisa", são retirados alguns para uma estante de apoio, também estategicamente existente no quarto de dormir, que funciona como uma espécie de "banco de suplentes". Aí se vão acomodando, sem o menor critério temático, à espera de melhores dias, isto é, das férias. A sua inclusão na "saca dos livros" (de longe, a mais incómoda peça da nossa bagagem, ou, como diz a munha mulher, que "a que pesa como chumbo") é uma espécie de rebate de consciência, de autocrítica subliminar, de ilusão de que posso vir a fazer a devida justiça a essas obras que, numa noite, foram friamente desprezadas, trocadas por uma qualquer novidade editorial mais apelativa e prometedora.

Há mais de duas décadas, por uma razão pontual, fui obrigado a fazer férias sozinho. Estive quase duas semanas numa já desaparecida pousada alentejana e, logo no dia da chegada, arrumei mais de meia centena de livros por todo o quarto. Nos dias seguintes, notei que o pessoal me olhava com uma inusitada curiosidade. A notícia devia ter circulado. Eu não tinha, humanamente, a menor hipótese de ler aquilo tudo, ainda por cima (mas julgo que não chegaram a esse ponto de análise) eram obras muito díspares, sem a menor coerência entre si. Ao final de alguns dias, com um estatuto já meio "da casa", à conversa com a jovem diretora da pousada, o assunto derivou para livros, para o que se quer (e deve) ler e o que é realisticamente é possível. Ela não podia assumir que sabia que o meu quarto estava estranhamente atulhado de livros, pelo que fez uma conversa "à volta", perguntando se eu estava a escrever algum. Matei-lhe a curiosidade, mas perdi de caminho boa parte do mistério criado, quando lhe expliquei que, das dezenas de livros que sempre levava comigo para todas as férias, só em anos muito excecionais eu conseguia ler mais do que um quinto de todos os títulos. Na vida, expliquei-lhe, o que é bom é podermos ter à disposição, à "mão de semear", em abundância, o que nos pode trazer prazer, com a total liberdade da escolha a fazer parte integrante desse mesmo gozo. Não sei se ela ficou com a impressão de que eu estava a "fazer-lhe a folha" quando, juro!, só estava a tentar reproduzir, por outras palavras, o dito batido de Pessoa: "Ai que prazer / não cumprir um dever. / Ter um livro para ler / e não fazer!"


segunda-feira, 8 de agosto de 2016

A pergunta eternamente sem resposta


Era, com toda a certeza, o resto de uma conversa que nascera ainda no carro, a propósito de limites de velocidade, e que se prolongava agora à mesa do restaurante.

O miúdo tinha um ar de "sabichão", óculos de aros grossos, daqueles que querem saber tudo. Falava com uma voz agaitada, estridente e algo irritante, que ecoava por toda a sala. A pergunta era "simples":

- Mas, ó mãe, se cá é sempre proibido andar a mais de 120, porque é que deixam vender carros que "dão" mais?

A senhora olhou em volta, embaraçada, sem saber o que dizer, com o puto a insistir, alto, "diz lá, mãe!"

Não a pude ajudar, porque justificar perante uma criança uma chocante hipocrisia da nossa sociedade é algo que não está ao alcance de um simples escriba de blogue.

domingo, 7 de agosto de 2016

Maracanã


Como era de esperar, Temer teve a vaia tradicional no Maracanã. Nada de novo: "Maracanã vaia até minuto de silêncio", já escrevia Nelson Rodrigues, o mais genial reacionário brasileiro.

O Maracanã, esse estádio-símbolo do futebol mundial, esse Wembley com sol, está hoje muito diferente. Mas ao ver nele entrar, na inauguração olímpica, a "vóvó" Elsa Soares (por que será que, ao vê-la, me lembro sempre da Mara Abrantes?), tive pena que ali não estivesse também Mané Garrincha, esse seu famoso namorado, o mago de pernas tortas na ponta-direita, que tanto génio por aquele (ou outro) gramado ilustrou. E, claro, a história dos russos.

Foi no Mundial de 1958. Garrinha estava a ser instruído pelo treinador Feola sobre o modo de ultrapassar a defesa russa. Há muitas versões do episódio. No essencial, Feola teria dado sucessivas dicas a Garrincha sobre como atrair e derrotar, sucessivamente, os jogadores russos, até conseguir chegar à linha de fundo e centrar para a cabeça de Vává. O dispositivo era descrito de forma tão precisa, com decorrências tão automáticas no colapso da defesa então soviética, que Garrincha, a certo ponto, não se terá contido e perguntou: "E já combinaram com os russos?" 

A frase ficou até hoje e é utilizada regularmente, no dia-a-dia brasileiro, para significar uma situação difícil em que apenas por ingenuidade se pode crer num resultado favorável, como se o adversário não existisse.

Às vezes, acho que a Nato tem, um destes dias, de pensar a sua estratégia europeia com Garrincha.

Ivo Pitanguy


Em 2005, acabado de chegar ao Brasil como embaixador, fui um dia convidado para um jantar dado no Rio por Yeda e Roberto Assumpção. Eu havia encontrado esses meus anfitriões numa outra ocasião. Assumpção era um embaixador brasileiro reformado e a sua mulher tinha escrito um livro de memórias que, por um mero acaso, eu havia lido uma semana antes desse encontro. Nasceu então o convite para um jantar com os seus amigos, um grupo de cerca de vinte pessoas da sociedade tradicional da cidade. Entre elas estava Ivo Pitanguy.

Pitanguy era um nome mítico da cirurgia plástica à escala internacional e, a grande distância, o cirurgião dessa especialidade mais conhecido do Brasil. Recordo-me de ser uma figura muito interessante, belo conversador, com um domínio excecional da língua francesa, como na ocasião tive oportunidade de constatar, por estar alguém presente dessa nacionalidade. Falámos bastante nessa noite, ou, pelo menos, tanto quanto a necessidade protocolar de "circular" entre os vários convidados o permitia. Revelou-se um homem de uma cultura multifacetada, leitor de coisas essenciais e pessoa muito atenta ao mundo.

A certo ponto da nossa conversa, juntou-se-nos uma senhora bonita e elegante. Já não sei por que motivo, veio à baila o facto de ela ter andado no colégio com uma amiga brasileira que eu também conhecia e que, à época, teria quase 70 anos. Numa tirada, meia de charme meia de sinceridade, disse-lhe da minha perplexidade: como é que ela podia ser colega de infância dessa nossa amiga, sendo muito mais nova que ela? A minha interlocutora, sentada num braço de sofá, com uma saia que punha a descoberto uma perna bem torneada, exibindo um sorriso que se rasgou com o elogio, fez a pergunta de resposta impossível: "Que idade você me dá, "baixadô"?". Percebendo que todo o exagero por defeito me seria perdoado, quiçá mesmo agradecido, arrisquei: "Talvez 58 ou 59? Enganei-me?". A senhora alargou ainda mais o sorriso e revelou: "Que simpático, querido embaixador! Tenho 67 anos. Mas não pareço, "né"? É graças aqui ao mestre!", voltando-se para Pitanguy. Este assistira à cena, deliciado, com aquela sua cara redonda, sorridente, que nos anos seguintes algumas vezes voltaria a encontrar no tradicional chá dos académicos, nas tardes das quintas-feiras, na Academia Brasilleira de Letras (ABL), de que ele era um dos "imortais".

Pitanguy, que na sexta-feira chegou a empunhar a chama olímpica, morreu precisamente ontem, sábado, aos 93 anos.

Duas coincidências. Um grande amigo brasileiro enviou-me ontem um email, dizendo ir concorrer a um lugar vago nos 40 "imortais" da ABL. Com a morte de Pitanguy, passará a haver mais uma vaga. A segunda coincidência é que tenho combinado um jantar hoje com um outro grande amigo, excelente cirurgião plástico português, que, há bem mais de três décadas, na Noruega, pela primeira vez me falou sobre Ivo Pitanguy. Isto é um mundo muito pequeno, não é?

sábado, 6 de agosto de 2016

O Mini, o Zé e o Verão


Anda aqui pela praia, há dias. É um Mini Cooper, dos antigos, todo "artilhado", como antes se dizia. Esta manhã, à ida para os jornais, lá estava ele, ao pé do Pereira. Lembrou-me uma historieta de um Verão dos anos 60.

Lá por Vila Real, quem tinha uma "máquina" parecida com essa era o José Araújo, conhecido pelo "Foquita", um dos meus mais sólidos (e saudosos) amigos desde a infância. Em férias, depois dele regressar da tropa, passávamos horas sentados no carro, à conversa com música, discutindo este mundo e o outro, quando não às "voltas ao circuito", depois de meter "cinco escudos de gasosa", na bomba do Platas, em frente à farmácia Almeida.

Um dia, foi anunciado que o Rali Tap tinha uma "classificativa" que passava ali perto, pelo Marão. Os automóveis nunca me interessaram minimamente (embora Vila Real seja a indiscutível "capital" do desporto automóvel em Portugal), mas o espetáculo noturno de uns aceleras a levantar poeira, com faróis dardejantes, nos caminhos de terra batida lá para os lados da Pousada, entusiasmou-me a alinhar numa expedição com o Zé, com o Antonio Lopes e o Gama mais novo, numa certa madrugada de Verão. Ainda guardo fotos dessa noite.

No regresso a Vila Real, ainda sob o efeito do ambiente excitado do rali, ao Zé Araújo deu-lhe para acelerar e apertar nas curvas, sob alguns protestos de prudência, pelo menos meus. Já estávamos quase a chegar a Parada de Cunhos, uma das portas da cidade, quando, na curva a seguir à Toca do Lobo, o Mini fugiu do controlo do Zé, fez um "pião", desligou-se e aí fomos nós, numa silênciosa queda às arrecuas, para dentro do que julgo que era uma vinha. O carro ficou "de pé", connosco, ilesos, a olhar para o céu e a emitir alguns qualificativos pouco abonatórios (e impublicáveis) sobre os dotes do condutor. Eu e o Zé, que íamos à frente, fomos os primeiros a conseguir sair, com o Lopes e o Gama (que, tal como o Zé, já se foi desta vida), vindos lá de trás, a terem de ginasticar-se para o exercício.

Depois, seguiu-se a operação "resgate". De boleia, fui aos bombeiros "de cima" (em Vila Real, os bombeiros estão "balcanizados") acordar o chefe Artur, com quem regressei ao local do acidente no Jeep com guincho, com ele a remoer todo o caminho contra o Zé Foquita. 

Mas a noite ainda não tinha terminado... Retirado o Mini para a estrada, verificou-se que o tubo de escape havia ficado bloqueado com terra, o que impedia o arranque da viatura. Simpaticamente, o ocupante de um dos carros que pararam para "ver o desastre" colocou a cara ao nível do escape e procurou desobstruí-lo com uma chave de fendas. O Zé, que estava mais do que nervoso, distraído, colocou o carro a trabalhar no preciso momento em que o improvisado ajudante ainda olhava para dentro do tubo. Um último torrão atingiu então a vista do prestável cidadão, que ficou aos berros de dor na noite, tendo que ser conduzido de imediato ao hospital. Os colegas do ferido, pessoal da Régua, queriam dar um "enxerto" ao Zé Foquita, pela sua imprudência. Deu trabalho acalmar as hostes! 

O que um Mini na praia agora me fez lembrar!

Hombre!

Afinal, na tabacaria da vilória, a oferta em matéria de revistas não era melhor do que na da praia, onde já me aviara de jornais. Claro que havia tudo quanto o social de coscuvilhice exige, mas o Nouvel Observateur era-lhes desconhecido, o L'Express não tinha vindo e o Economist "talvez só amanhã".  

Trouxe o El Pais e vinha a olhar para os títulos da primeira página, com a tragicomédia do impasse político espanhol, quando me dei conta de que tinha deixado o carro muito mal estacionado, quase no meio da estrada.

Pensava para comigo "ando muito distraído, tenho de ter mais cuidado", quando abri a porta do carro e comecei a sentar-me.

Foi então que ouvi, do banco ao lado, um sonoro e feminino "Hombre!" Que diabo tinha dado à minha mulher?! Como é que ela tinha adivinhado que eu tinha comprado um jornal espanhol?

Olhei melhor: era outra senhora, era outro carro, de cor exatamente igual ao meu, o qual, claro, estava imediatamente atrás. Pedi "perdón!", com a minha mulher a rir-se imenso e eu encavacado.

Será do calor ou da idade?

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

António Guterres


Continua a ser encorajante a votação obtida por António Guterres, agora no segundo escrutínio na corrida ao lugar de secretário-geral da ONU. O favoritismo que vinha do primeiro apuramento de resultados não se perdeu, mas o facto de terem surgido dois votos de "não encorajamento" tem de ser analisado com atenção.

Na primeira votação Guterres tinha tido 12 votos de "encorajamento" (agora teve 11), nenhum de "não encorajamento" (agora teve dois) e três votos "sem opinião" (agora teve dois). Se acaso pelo menos um desses votos de "não encorajamento" tiver tido origem num dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (os chamados P5), só uma reversão do sentido desse voto pode garantir hipóteses ao candidato português. Chamo a atenção de que um voto negativo de um P5 é um veto.

Mas, atenção! Os principais adversários de António Guterres não mostraram uma evolução favorável nas suas votações. Danilo Turk aumentou de dois para cinco os votos de "não encorajamento", Helen Clark de cinco para oito, Susana Malcorra de quatro para seis, Irina Bukova de quatro para sete. Apenas o sérvio Vuk Jeremic reduziu de cinco para quatro esses votos se sentido negativo. E os 11 votos de "encorajamento" de Guterres comparam com apenas oito para Malcorra e Jeremic, sete para Turk (tinha 11!) e Bukova, seis para Clark.

Este cenário, a meu ver, deixa ainda em aberto a possibilidade de surgirem novos nomes para juntar à lista de candidatos.

Uma pequena nota para o facto de se falar, nos "mentideros" da ONU, do lugar de secretário-geral adjunto poder vir a ser jogado num "trade-off" final.

Seguros?


O que vier a passar-se, em termos de grau de cobertura dos prejuízos e rapidez de reembolso dos danos, no triste caso das centenas de viaturas que arderam em Castelo de Vide, vai ensinar-nos muito quanto à verdadeira responsabilidade assumida pelas seguradoras. Esperamos que elas não existam apenas para a cobrança dos prémios em tempos em que nada acontece. Um caso a seguir com muita atenção.

Que achas?


Na minha terra, utiliza-se bastante uma expressão de modéstia opinativa, depois de falar sobre qualquer tema que temos por não consensual: digo eu, não sei!

No Brasil, chama-se «achismo» à tendência natural para emitir opiniões, a propósito de tudo e de nada, muito «conversa de mesa de café». Os italianos criaram a expressão «tudólogos» para qualificar os catedráticos públicos de generalidades – e os portugueses conhecem bem alguns.

Lá no fundo, todos «achamos» alguma coisa sobre quase tudo, sobre o que conhecemos bem ou apenas «pela rama». Raras vezes guardamos para nós essas ideias, geradas no que lemos ou ouvimos a alguém que temos por «abalizado» (adoro este conceito antigo).

As redes sociais «democratizaram» o exercício de troca de opiniões e deram à generalidade dos cidadãos um «altifalante» para dizerem o que pensam junto de um público mais alargado. Com franqueza, não tenho a certeza de que o esclarecimento coletivo tenha ganho muito com isso, mas essa seria uma longa conversa.

Alguns leitores estarão a perguntar-se : «Mas então ele não tem um blogue diário, uma página no Facebook, uma conta no Twitter e colunas na imprensa?» Claro que sim. E nelas escrevo o que penso sobre vários temas. Quase sempre, porém, apenas sobre aquilo de que julgo saber alguma coisa. Ou, quando isso não acontece, faço um «disclaimer» relativizador, do género «digo eu, não sei».

Uma passagem pelo governo, em tempos idos, refreou em definitivo a minha pulsão para dar opiniões de «mesa de café». Nesses anos, confrontado com a necessidade de estudar melhor algumas questões, dei-me conta da complexidade de temas sobre os quais, antes, «mandava bitaites» sem grande rigor. E passei a ser muito mais cuidadoso ao pronunciar-me sobre assuntos distantes das áreas onde atuei ou onde exerço atividade profissional.

Ninguém nunca me ouviu uma palavra sobre se os hospitais devem ser centralizados ou regionalizados, sobre se deve haver grandes esquadras ou polícia de proximidade, sobre opções em matéria de ensino, se o novo aeroporto devia ser na Ota ou em Rio Frio, sobre se deve ou não haver TGV, etc. São assuntos sobre que não tenho opinião, decisões que, no quadro da democracia representativa que acerrimamente defendo, entendo que devem ser decididos por quem elejo para gerir o país. E por aqui me fico.

«Olha lá! Então nem uma palavra sobre o juíz com filho na escola subsidiada, sobre o secretário de Estado que «galpeou» para o Europeu, sobre o boato da privatização da ADSE, sobre o mito da introdução do sol & vistas no IMI?» - já imagino alguns amigos a perguntar. Não! Sobre isso, só a tagarelar debaixo do toldo da praia...

(Artigo hoje publicado no JN)