domingo, 31 de março de 2013

Águas e espuma

Ontem, ao passar pelas Pedras Salgadas acordei para uma realidade que pode explicar muita coisa: um "quarto" de Água das Pedras já é hoje mais caro do que uma garrafa de cerveja. 

A água pode ter menos espuma, mas, pelos vistos, o seu litro aduba mais os cofres da UNICER do que a Super Bock. O que se passa hoje nas Pedras Salgadas deve ser lido à luz desta realidade. 

sábado, 30 de março de 2013

O PEC IV e o "governo Fabião"

Há uma conhecida escola especulativa da História que se dedica a elaborar sobre o que poderia ter ocorrido se acaso certos factos não tivessem tido lugar. Tenho alguns livros sobre essas teorias e, devo dizer, algumas delas são fascinantes.

Há dias, ao ouvir José Sócrates falar sobre o que poderia ter acontecido no país se acaso o chamado PEC IV não tivesse sido rejeitado, lembrei-me dessas teorias do "what if?". E ocorreu-me que o mítico PEC IV vai passar a funcionar, na história política portuguesa, como o "governo Fabião".

Estava-se no auge do "Verão quente" de 1975, com o V governo provisório, feito em torno dos "golçalvistas", do PCP e dos seus companheiros de jornada, a aproximar-se do seu estertor. No seio dos subscritores do "documento dos nove", ala moderada do MFA, à época em ascensão política, onde preponderava Melo Antunes, surgiu então a ideia de tentar formar um novo governo que pudesse acomodar Otelo e a ala mais propensa ao culto do "poder popular", que fazia escola no COPCON. O nome de Carlos Fabião, chefe de Estado-maior do Exército, uma figura com um perfil consensual, foi então falado para chefiar esse executivo, que chegou mesmo a ter nomes para as diversas pastas - e ainda ontem conversei com o "ministro dos Negócios estrangeiros" desse putativo governo. Porém, as alas mais radicais do MFA rejeitaram o "governo Fabião" e, dessa forma, acabaram por abrir caminho a um governo mais à direita. Curiosamente, aconteceu o mesmo com o PEC IV.  

Sexta-feira santa?


Isto já não é o que era! Ontem, em Vila Real, chegado ao restaurante, ouvi: "Vão umas tripinhas aos molhos?" e "o rancho está magnífico". Em alternativa: "Está a sair um entrecosto de truz". 

Sexta-feira santa, quem a viu e quem a vê!

No Portugal de outros tempos, muitas lojas fechavam na tarde de quinta-feira, para só abrirem depois do domingo de Páscoa. A rádio oficial deixava de emitir por essa altura, para só reaparecer na alvorada do sábado de Aleluia, com os sinos em uníssono a repicar nas capelas da cidade. Recordo-me de ouvir dizer que, nesse período, não se estendia roupa para secar. Era feio, perante a vizinhança.

Tenho ideia do dia em que acordei para a "abertura dos costumes". Foi em S. Bento da Porta Aberta, ali ao pé do Gerês, no anos 80. Era sexta-feira santa e, entre dois casais, em frente ao santuário, discutia-se que tipo de bacalhau iríamos comer, ou se se optaria pelo polvo, na antecipada certeza de que, naquele dia, não haveria quaisquer carnes no horizonte culinário do piedoso local. 

Subimos ao primeiro andar da estalagem do outro lado do santuário e entrámos na sala de refeições. Ele estava sentado sozinho à mesa, na mão direita empunhava um facalhão de serra, com o qual operava uma imensa e espessa bifalhada, regada a tinto servido de um jarro anexo. Da travessa, porque não cabiam no prato, rescendiam à distância, como diria o Eça, batatas assadas, com magnífico aspeto. Ele estava tão concentrado nas vitualhas que nem notou a curiosidade risonha com que o observávamos. Porque assim o exigia o esforço, que se notava no rosto rosado, tinha desapertado o cabeção. Seguramente beneficiando de uma qualquer bula libertadora, o senhor padre, qual Bob Dylan, provava que “ the times they are a-changin' ”. 

Nem olhei a lista. Pedi o mesmo. 

sexta-feira, 29 de março de 2013

A sé desportiva

Há poucas horas, ao passar pela sé catedral de Vila Real, neste tempo pascal, lembrei-me de uma historieta passada no "Verão quente" de 1975.

Eu tinha vindo por uns dias à cidade, nesse tempo militar em que misturava o meu radicalismo político com as provas do concurso para a diplomacia. Numa reunião de manhã, no regimento de Infantaria 13, tivera uma conversa menos fácil com o tenente-coronel Adão, comandante em exercício, junto de quem tentara garantir proteção militar para as sedes de alguns partidos de esquerda, que a voz corrente dizia que poderiam ser ameaçadas pela manifestação católica (que hoje se sabe muito mobilizada pelo MDLP) que teria lugar no dia seguinte. Usava as credenciais político-militares que advinham da minha pertença ativa ao MFA, mas cedo vi que o ambiente "no 13" estava mais com os manifestantes do que com a nossa ala "progressista". Por essa razão, o simples alferes que eu era pouco podia fazer, não obstante alguma desproporcionada influência de que, tal como outros milicianos, disfrutava então em certos meios militares de Lisboa.

Nessa tarde, na pastelaria Gomes, sentava-me com um amigo que partilhava as mesmas preocupações e cumplicidades, conversando em voz baixa sobre os acontecimentos que aí vinham. Lá fora, vimos aproximar, histriónica, uma das figuras da "reação" local. É preciso conhecer bem a Vila Real da época para se entender o facto de, na cidade, conviverem, sem dificuldade, pessoas com diferentes e até antagónicas ideias. Eu sabia que essa figura, entrada que fosse na Gomes, se sentaria inevitavelmente à nossa mesa, até pela certeza de poder encetar conosco uma estimulante disputa verbal. Por essa razão, num segundo, combinei um estratagema com o amigo que tinha a meu lado.

Como expectável, o recém-chegado juntou-se-nos para um "covilhete" (se o leitor não sabe o que isso é, visite Vila Real) ou uma fatia de bôla de carne. Olhando para a mesa, viu esquiçado numa página branca um desenho do que parecia um edifício, em forma de cruz. 

- O que é que vocês estão a tramar?, perguntou, curioso, ciente de que, com dois "esquerdalhos" como nós, esse desenho tinha, com toda a certeza, um objetivo não inocente.

- Nada que te interesse, disse-lhe eu, num tom que só aumentou a sua curiosidade.

- Uma cruz?! Quase parece a planta da sé...

- Pronto, "tá" bem, é a sé. E depois?

- Mas por que razão vocês estão a desenhar a sé?, alarmou-se.

- Ó homem! Isto é só uma ideia, mas, se prometes segredo, podemos revelar-te que há uma séria hipótese do espaço da sé poder vir a ser transformado numa área desportiva, de apoio aos tempos livres. Isto ainda não se sabe, mas a sé deve passar para a tutela do INATEL.

O visitante estava boquiaberto. E escandalizado. As suas piores suspeitas sobre as ideias dos "comunas" (para a direita, à época, esse espetro insultuoso era muito alargado) confirmavam-se em pleno. A sé catedral?! A velha igreja de S. Domingos transformada em recinto gimno-desportivo (não me recordo se o conceito já existia, à época).

Generoso, entendi dever ser um pouco mais detalhado:

- Vamos a ver se nos entendemos. Tens que concordar que há, na cidade, um défice evidente em matéria de equipamentos para lazer. A União Artística não chega, a "Católica" não tem espaço e a "Bufa" (nome depreciativo que dávamos à Mocidade Portuguesa) "já era". Ora a sé está desocupada a maior parte do tempo e está num lugar central ideal, bem fresco no Verão. Quem goste de rezar ou de missas tem imensas igrejas. A "capela nova" está aqui a dois passos, tal como a Misericórdia. E S. Pedro é logo ali em cima. A nossa ideia é procurar adaptar a área dos altares laterais da sé para dois bilhares livres e o altar principal para um "snooker". A questão da nave central é mais complicada, porque as seis colunas criam problemas à proposta de aí fazer uma zona para voleibol. Se assim não for, teremos de ir para a alternativa de mesas de ping-pong. Há quem pense num bilhar grande às três tabelas, que nem o Excelsior nem a Pompeia têm, mas resta saber se haverá clientela para isso.

O "reaça" esbugalhava os olhos. "Tomarem" a sé catedral, o centro religioso da cidade?! Sossegámo-lo, com modéstia temporal de intenções:

- Ó pá, isto ainda está apenas em planos. Estamos também a estudar a questão das balizas para futebol para pôr no adro. Por isso, só daqui a uns tempos é que se iniciará o desmantelamento da sé. Mas atenção!: é nossa preocupação preservar bem o recheio. O projeto é mandar muitas coisas para a Senhora de Lurdes.

A menção da capela da Senhora de Lurdes, uma igreja desativada, lá para os lados da estação ferroviária, em acentuado estado de desagração, aumentou a ira do já desestabilizado conservador.

Sempre tive uma excecional capacidade de sustentar estas historietas sem me desconcertar. Mas o meu comparsa estava, pouco a pouco, a deixar-se rir. Por isso, levantou-se e fez menção de sair pelas portas de guarda-vento. Mas, nesse movimento, teve ainda ânimo para estacar junto ao embasbacado reacionário e dizer-lhe, convicto:

- Não eras tu que gostavas de jogar matraquilhos? Pois é nossa intenção encher a sacristia de mesas de "matrecos". E de graça, porque isto agora passa a ser tudo do povo, pá!...

A patranha esclareceu-se nos minutos seguintes. Mas senti que o nosso amigo (porque era nosso amigo) "reaça" não ficou de todo sossegado.

Para a história, registe-se que a manifestação do dia seguinte não provocou violência. O PCP, acantonado na rua da Misericórdia (ironia toponímica...), não precisou de usar as caçadeiras que me disse ter para defesa da sede e o MDP-CDE, sobre a "Mabor", lá se aguentou às provocações lançadas da avenida, comigo encostado ao Tocaio, a ver a onda católica passar. Já o PS nada tinha a temer, porque o padre Sarmento, eixo da máquina clandestina da "Maria da Fonte", tinha-os, e bem justamente, por "compagnons de route" anti-comunista, nesse Verão complicado e muito "quente".

E a Sé, a magnífica igreja de S. Domingos, lá continua intocada, agora com uns belos (mas, para alguns, controversos) vitrais de João Vieira, que vivamente recomendo sejam vistos.

quinta-feira, 28 de março de 2013

Eurovisão

Eram noites assim. Apressávamos o jantar, sentávamo-nos confortavelmente e preparávamo-nos para o espetáculo televisivo. Olhávamos o cenário e ouviamos com atenção a figura cuja "performance" aguardávamos, com bastante curiosidade sobre como ela iria sair-se da prova. Eram as noites do festival da Eurovisão, no Portugal desse tempo.

Entre essas noites e a de ontem, houve, contudo, uma sensível diferença. À época, logo de seguida, tinha lugar uma contagem de votos. Desta vez, ao que parece, isso ainda vai demorar algum tempo.

Em tempo: detesto a palavra narrativa.

quarta-feira, 27 de março de 2013

Da escrita

Com a benevolência própria desse estatuto, amigos fazem-me discretamente notar que, não poucas vezes, nos textos que por aqui publico aparecem palavras repetidas e surgem algumas gralhas. Alguém cuida mesmo em me alertar para esses pecadilhos - e fico sempre muito grato por isso. Mas algumas falhas sempre escapam. Outros conhecidos queixam-se de que a crescente extensão dos textos pode limitar a paciência para a respetiva leitura.

Tenho consciência de ambas as coisas.

Os posts deste blogue são produto de uma escrita rápida, de lembranças de ocasião, às vezes cavalgando a oportunidade de um facto, outras vezes o vir à baila de uma história que, "como as cerejas", me leva a outras realidades. E a pressa não ajuda à precisão. Talvez não devesse revelar isto, mas muitas das coisas que por aqui deixo, particularmente ligadas à minha vida pessoal, acabam por ser escritas mais "para mim" do que para os eventuais leitores, porque constituem uma forma de organizar, por escrito, memórias que me marcaram. E, por isso, têm um estilo de "produção" apressado, de bloco-notas, sendo uma espécie de inventário afetivo de lembranças.

Assim, e porque tenho muitas outras coisas que fazer na vida, o estilo destes posts sofre, e continuará a sofrer, destas limitações. Escrever numa sala de aeroporto ou com a televisão à frente, como regularmente acontece, não pode deixar de ter consequências. Mas convém que fique claro: mesmo que fossem burilados com muito mais cuidado, estes textos não se afastariam muito daquilo que agora aqui surge publicado. Como já expressei no passado, e sem falsa modéstia, acho que atingi já o meu "princípio de Peter" em matéria de escrita. Nem estou preocupado com isso, nem tenho como objetivo melhorar muito neste domínio. Quanto à extensão dos posts, como sabe quem escreve regularmente, é muito mais difícil "fazer curto" do que "estender" as laudas ou, como alguém um dia disse, "não tenho tempo para ser breve". Pelo menos por ora, nesta singular "reforma" em que me meti...

Se, mesmo assim, tiverem paciência para me continuar a ler, "muit'agradecido", como se diz na minha terra.

terça-feira, 26 de março de 2013

Jérôme Cahuzac

Aos diplomatas colocados num determinado posto é pedido um esforço contínuo de previsão sobre o que pode vir a acontecer na vida política local. Às vezes, torna-se relativamente fácil fazer prognósticos, outras vezes, a indecisão permanece até ao momento de um sufrágio ou de um qualquer outro sobressalto político. Esse trabalho é sempre feito tendo como fundo referencial o quadro de interesses que o país a que o diplomata pertence tem por obrigação defender, tentando perceber em que medida uma eventual mudança política poderá, ou não, colocar em causa tais interesses ou afetar a vida dos seus nacionais que residem no país. Numa perspetiva mais alargada, importa também tentar analisar se isso pode acarretar consequências sobre as alianças ou quadros multilaterais em que os dois países se inserem.

Há menos de um ano, a França teve dois processos eleitorais consecutivos, para escolha do seu presidente e para o seu parlamento. Como embaixador em Paris, foi meu objetivo, durante meses, tentar prever, para informação das minhas autoridades, que diferenças traria, para os interesses portugueses, uma possível vitória da então oposição socialista - já que era mais ou menos evidente o que ocorreria se acaso as forças no poder viessem a ser reconduzidas. Não havendo, no plano dos interesses bilaterais imediatos, nenhum dossiê no qual uma eventual vitória dessa oposição realisticamente nos devesse vir a afetar, creio que posso revelar que o principal "esforço de pesquisa" se centrava na atitude que uma nova administração poderia vir a ter face ao processo de ratificação, então em curso, do chamado "tratado orçamental" europeu. Mais acessoriamente, tentávamos perceber se as relações entre a França e a NATO sofreriam alterações e, num quadro mais geral, procurávamos desenhar, por antecipação, que mudanças poderiam ocorrer na sua política externa, em particular face a quadrantes geopolíticos para nós tidos por relevantes.

Com o objetivo de obter "sinais" sobre as intenções de uma possível futura administração socialista, procurei, com um pequeno grupo de colegas embaixadores, discutir com interlocutores qualificados da área socialista quais poderiam ser as inflexões de política que, na hipótese do seu acesso ao poder, tinham intenção de introduzir. Foi um trabalho muito interessante, que permitiu antecipar muito do que veio a acontecer - como os arquivos do MNE, daqui a algumas décadas, poderão testemunhar. Devo dizer que, nesse esforço, passei várias horas em pequenos-almoços ou almoços de trabalho, ou em reuniões em "petit comité" ao final de tardes, com várias pessoas que hoje têm lugares destacados no governo francês - mas também com outras, menos conhecidas, que identificámos como oráculos relevantes junto do poder ascendente. Como é evidente, interessavam-nos menos as questões que envolviam as políticas públicas na ordem interna (as quais, contudo, foram por nós escalpelizadas quanto possível) e, bastante mais, áreas como a política externa, a política de defesa ou as grandes opções em matéria de política europeia - muito em especial as que se prendiam com o futuro do euro.

Um dos interlocutores, então praticamente desconhecido da opinião pública, que mais me marcou nesses discretos contactos chamava-se Jérôme Cahuzac. Era um deputado, médico de profissão e especialista em Finanças públicas, cujo discurso de grande rigor e precisão, a sua completa "maîtrise" dos dossiês, o apontava claramente para a sensível pasta do Orçamento (em França, o lugar ministro do Orçamento é uma pasta que, se bem que formalmente subordinada ao ministro da Economia e Finanças, dispõe de um poder autónomo muito superior ao de um simples secretário de Estado ou ministro adjunto). Não nos enganámos.

Jérôme Cahuzac foi uma das mais sólidas peças nestes primeiros meses de administração Hollande. Com uma competência reconhecida pelos adversários e com uma determinação temida pelos colegas de governo (por alguma razão, lembrava-me a minha amiga Manuela Arcanjo), revelou-se uma peça essencial para a França conseguir pôr em prática um ambicioso e difícil programa de redução do seu défice.

Cahuzac pediu há dias a demissão. A acusação de que, há mais de uma década, pode ter tido uma conta bancária não declarada na Suíça obrigou ao seu afastamento. Não tenho a menor opinião sobre se é ou não culpado, nem isso vem aqui para o caso. Apenas reitero que foi, no plano intelectual e no domínio das grandes questões financeiras, das personalidades políticas francesas que mais me impressionaram.

Em tempo: os acontecimentos vieram a provar que Jérôme Cahuzac era culpado e, pior que tudo, que mentiu descaradamente a todos quantos confiaram na inocência que proclamava. Porém, da mesma maneira que Dominique Strauss-Kahn não deixou de ser um dos mais criativos diretores-gerais do FMI apenas pelo facto de se ter posteriormente envolvido em episódios menos recomendáveis, a crédito de Cahuzac ficará sempre o facto de ter sido um dos mais competentes e eficazes membros do governo de Hollande, até ao dia em que prejudicou fortemente o presidente que o escolheu.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Eu

Leio hoje no "Público" uma entrevista do novo secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural.

O jornal coloca-lhe uma questão, a propósito da produção e da competitividade na Agricultura: "Quem representa os pequenos agricultores, que são a maioria em Portugal?.

A resposta do nóvel governante é exemplar: "Eu."

Como estamos próximos da Páscoa, terá oportunidade de em breve juntar água benta à presunção que, pelos vistos, já lhe não falta.

"On parle, on parle..."

Carlos Eurico da Costa, poeta surrealista e diretor da Ciesa-NCK, contou-me um dia a história de um elemento da empresa que foi a uma reunião a Paris e, perante uma discussão que entendia pouco produtiva e muito palavrosa, deixou uma frase que ficou no anedotário das agências portuguesas de publicidade: "On parle, on parle et après chapeau!"

Lembrei-me dessa pérola de cosmopolitismo linguístico ao assistir, há dias, ao discurso de Obama em Jerusalém, comparando-o com a mensagem de esperança que, em 2009, ele próprio tinha deixado, na sua célebre intervenção no Cairo. Passaram quatro anos e é preciso dizer que o processo negocial no Médio Oriente regrediu, que a desconfiança entre os dois lados se agravou e que Washington se revelou totalmente incapaz de utilizar o "leverage" que parecia ser o seu naquele contexto. E que tudo indica que, diga Obama o que disser, as coisas continuarão na mesma. Ou pior.

Ontem, comentei isto com um amigo americano com quem jantei em Lisboa. Ele mantém a esperança de que Obama (com John Kerry) vai conseguir, até ao final do segundo mandato, algum avanço significativo no processo de paz do Médio Oriente (se é que as coisas ainda se podem designar assim). Eu, devo confessar, sou muito mais cético. Acho que Israel, na cegueira estratégica a que desde há muito hipoteca a sua sobrevivência, teve artes, uma vez mais, de tornar refém uma administração americana, através da hábil instrumentalização do lóbi judaico no país. E isto não é uma boa notícia, não apenas para a promoção dos direitos dos palestinianos, mas principalmente para a atenuação das tensões maiores que, a prazo, podem pôr em risco a existência em paz do Estado de Israel. Mas espero sinceramente estar enganado.

domingo, 24 de março de 2013

Notas portuguesas

1. Desembarco no aeroporto de Lisboa e leio num jornal: "Comissão Europeia exige consenso político em Portugal". Olho bem a notícia, para tentar perceber se houve alguma reação, de qualquer dos quadrantes políticos, a esta flagrante intromissão na vida política interna do país. Qual quê?! Moita carrasco! Como os tempos mudaram! Há uns anos, uma declaração deste teor teria provocado um terramoto de declarações. 

2. É muito curiosa a expetativa criada em torno da possível reação do Tribunal Constitucional às medidas previstas no Orçamento geral do Estado. Foram os políticos quem desenhou as normas constitucionais. Foram os políticos quem preparou o Orçamento, ferido ou não de inconstitucionalidades. E, no fim de tudo isto, o eventual "odioso" de uma decisão passa para os juízes do Tribunal Constitucional. Ou será que o facto desses mesmos juízes serem escolhidos por via política leva a que, de certa forma, sejam vistos por alguns como uma espécie de câmara informal de representação da balcanização ideológica parlamentar?

3. O que aí vai com o regresso de José Sócrates às luzes mediáticas! Ou será que a opinião pública portuguesa não tem a maturidade suficiente para poder ouvir, com serenidade e fora da convulsão eleitoral, a voz e a opinião de alguém que chefiou o governo do país durante cerca de seis anos? Reescrevendo Albee, só me apetece perguntar: "Quem tem medo de José Sócrates?". Ou, continuando na escrita teatral, desta vez com Pirandello, deixemos que a democracia ofereça "para cada um a sua verdade". 

4. Desapareceu Óscar Lopes. Ao ler a notícia, perguntei-me sobre quantos, no Portugal de hoje, ainda dele se lembrariam (e quantos dele alguma vez ouviram falar). E, no entanto, para além dos seus cada vez mais esporádicos surgimentos públicos, em suporte das ideias que nunca renegou, todos devemos a Óscar Lopes (e também a António José Saraiva, cuja morte, há precisamente duas décadas, tem sido assinalada com excessiva discrição) a primeira grande interpretação moderna da nossa literatura. No que me toca, sou um modesto mas grato tributário dessa magnífica lição.

5. Não tenho paciência para as teorias conspirativas sobre a Maçonaria, com que a imprensa nos enche regularmente. Nunca fui tocado pelas "luzes" da subordinação espiritual ao "grande arquiteto universal" e por alguma razão nunca ninguém me aproximou a sugerir que me juntasse a esses rituais. Mas devo dizer que me incomoda esta espécie de suspeição obsessiva sobre a Maçonaria, talvez porque, durante a ditadura, sempre vi a diabolização da vida maçónica a ser feita por quantos combatiam a democracia. E essa é a minha eterna "linha Maginot", na qual eu conto os que estão do meu lado. Dito isto, e com todo o respeito pelos amigos que tenho nas várias "obediências", dei uma grande gargalhada quando ontem li que um membro da maçonaria iria recorrer aos tribunais por ter sido expulso de uma dessas estruturas. Onde isto chegou! 

Miguel Angel Martinez


Conheço e sou amigo de Miguel Angel Martinez há bastantes anos. Miguel Angel é um homem de causas, que não esconde as suas emoções, fazendo parte daquela espécie de pessoas que não usa "langue de bois" e diz abertamente o que pensa. Político espanhol com grande experiência europeia, é um dos mais antigos deputados europeus de Espanha, tendo já chefiado o Comité Executivo que orienta o Centro Norte-Sul do Conselho da Europa, que atualmente dirijo. Grande apoiante do Centro, participou comigo, na passada sexta-feira, em Estrasburgo, num grupo de trabalho, criado pelo Comité de Ministros, que debate o futuro daquela estrutura.

Em 2000, o então meu colega de governo, Luís Amado, à época secretário de Estado dos negócios estrangeiros e cooperação, fez uma intervenção num comité do Parlamento europeu, a propósito da sensível questão da organização da cimeira entre a União Europeia e a África.

(Em 2000 e, mais tarde, em 2007, Portugal organizou cimeiras UE-África, durante as suas presidências da União Europeia. Na primeira dessas realizações, defrontámo-nos com um sério problema. A maioria dos países africanos pretendia que, do seu lado, a representação fosse assumida pela então Organização de Unidade Africana (OUA) – hoje União Africana. Se tal acontecesse, Marrocos, que por virtude do conflito no Saara ocidental não pertencia à organização, não poderia participar. E, para nós, isso era impensável. Foi uma longa batalha, que, contudo, e “to make a long story short”, terminou com a presença de Marrocos na cimeira.)

Na ocasião, as declarações de Luís Amado e a postura portuguesa mereceram um comentário muito elogioso de Miguel Angel Martinez. Para nossa grande surpresa, um jornalista português fez um “take” para a Lusa em que, totalmente à revelia dos factos, Martinez era citado como tendo criticado Amado. O deputado espanhol fez, de imediato, um desmentido escrito.

Num dos dias seguintes ao incidente, estive no edifício do Parlamento europeu, em Bruxelas, para uma apresentação do programa da presidência portuguesa. No final, no corredor, chamei os jornalistas portugueses presentes e disse-lhes: “Não sei se leram este “take” da Lusa, onde se diz que Miguel Angel Martinez criticou o secretário de Estado Luís Amado”. E distribuí cópia da notícia. De seguida, estendi-lhes um outro papel: “Agora, têm aqui um texto distribuído pelo deputado, em que desmente formalmente a notícia, explicando que disse precisamente o contrário”. O grupo de jornalistas não percebia o que eu pretendia com o meu gesto, mas ficou a saber isso de seguida: “Talvez o vosso colega que escreveu a notícia falsa (e apontei para ele) já tenha feito a sua retratação pela mentira que publicou. Pode distribuir-nos uma cópia?”.

O visado ficou "branco como a cal". E o restante grupo de jornalistas portugueses ficou surpreendido pela violência do meu comentário. Virei as costas e fui para o hotel. À noite, dois dos mais credenciados profissionais portugueses em Bruxelas, Fernando de Sousa e José Rui Cunha, fizeram-me chegar o seu desagrado pela minha atitude, lamentando a “humilhação pública” que eu tinha provocado ao colega, que era desculpado pela sua inexperiência. O assunto acabaria de morrer com o tempo, mas estou certo que quem assistiu à cena a não esqueceu.

E, diga-se, até hoje nunca encontrei razões para me arrepender daquele meu gesto. Lembrei-me desta historieta na sexta-feira, ao dar um abraço ao meu querido amigo Miguel Angel Martinez, que há muito não via. 

sábado, 23 de março de 2013

Histórias dos Balcãs

Álvaro Guerra, que já aqui recordei um dia, foi um dos poucos embaixadores oriundos do mundo fora da carreira diplomática por quem o Ministério dos negócios estrangeiros sempre manifestou genuíno respeito. A história que hoje relato passou-se em 1996, ao tempo em que ele era nosso representante junto do Conselho da Europa (CdE).

Nessa tarde, senti o Álvaro um pouco embaraçado durante a conversa que comigo teve, no caminho entre o aeroporto e hotel em Estrasburgo, onde eu representaria Portugal, no dia seguinte, no Comité de Ministros do CdE, nesse que era o meu primeiro ano de governo. Estava mais lacónico do que era costume e, uma hora depois, ao deixar-me à porta da residência do secretário-geral da organização, onde os membros dos governos tinham um ritual jantar, surpreendeu-me com a frase: "logo à noite, espero por si no hotel. Precisava de falar a sós consigo".

Fiquei intrigado. Eu tinha uma excelente relação pessoal com Álvaro Guerra, uma figura da intelectualidade portuguesa que conheci logo após o 25 de abril, cujo humor e simpatia, depois complementados pela vivacidade inteligente da Helena, sua mulher, transformavam as minhas idas a Estrasburgo em belos momentos de amena cavaqueira, onde a política portuguesa era sempre percorrida com apurada ironia. E grande cumplicidade. Que quereria o Álvaro? Um novo posto? Ele estava há pouco tempo no CdE, pelo que talvez me quisesse sensibilizar para algum problema de pessoal. Logo se veria.

Os jantares em casa do secretário-geral do CdE, que tinham lugar todos os seis meses, eram sempre precedidos de uma conversa "au coin du feu", com um convidado. Nessa noite, entrei na sala lado o lado com o ministro croata dos Negócios Estrangeiros, Mate Granic, e, por um acaso, sentámo-nos um em frente ao outro, nos dois melhores sofás individuais da sala.

(Nos cinco anos seguintes, eu e Granic, quase sem exceção, duas vezes por ano, tornar-nos-íamos "proprietários" desse lugares, que passaram a ser "cativos", na invariável coreografia com que o SG Daniel Tarschys e, mais tarde, Walter Schwimmer dispunham a sala. Caprichávamos em não perder esses "nossos" sofás, cujo conforto nos permitia resistir melhor às "secas" que alguns convidados nos pregavam. E gozávamos com isso.)

Eu conhecera Granic, meses antes, em Zagreb. No quadro de um discreto périplo que havia feito à volta da Europa, acordara com ele uma troca de apoios: a Croácia votaria favoravelmente a nossa candidatura ao Conselho de Segurança das Nações Unidas e nós dar-lhe-íamos o nosso voto para a sua pretensão de entrar para o CdE. Diga-se que esta última candidatura estava longe de ser consensual: o regime croata mantinha ainda falhas no tocante à observância de alguns princípios da ordem jurídica protegida pelo CdE e, por essa razão, alguns Estados membros mantinham reservas quanto a esta adesão. Por "realpolitik" e particular interesse nacional, mas igualmente pelo facto de considerarmos que uma integração da Croácia no CdE era a melhor forma de promover a observância de tais obrigações, o governo português, a que eu pertencia, havia optado por dar o seu apoio à pretensão croata, contrariando abertamente a posição que era defendida pela missão portuguesa em Estrasburgo, chefiada por Álvaro Guerra. No dia seguinte a esse jantar, a anteceder a reunião do Comité de Ministros, teria lugar a "foto de família", com os membros do governo e os embaixadores, que consagraria a entrada da Croácia na organização.

Regressei ao hotel e, no "hall", estava já o Álvaro Guerra. Sentámo-nos para uma bebida no bar e ele revelou-me a razão pela qual queria falar comigo: vinha pedir-me o favor de o dispensar de estar presente na cerimónia do dia seguinte. Álvaro Guerra fora embaixador em Belgrado e, tal como a esmagadora maioria dos colegas portugueses que haviam tido a experiência de servir na capital jugoslava (hoje da Sérvia), Belgrado, Álvaro "went native" e assumia uma posição fortemente pró-sérvia, com muito escassa simpatia (e isto é um "understatement"...) pela Croácia.

Era uma posição política, talvez pouco diplomática, mas as questões limites de consciência são respeitáveis, desde que assumidas de modo discreto. Não vi, assim, nenhum inconveniente em isentá-lo do exercício, que constatei que lhe seria muito penoso. No dia seguinte, ele assistiu, de longe, à fotografia comemorativa da adesão da Croácia, que há dias descobri na minha papelada (com muito menos cabelos brancos, diga-se).

Logo de seguida, sentámo-nos na sala do Conselho de Ministros e o Álvaro perguntou-me: "quem foi a "alma danada" que, em Lisboa, teve a infeliz ideia de decidir o nosso voto em favor da Croácia?". Com um sorriso irónico, esclareci-o que fora precisamente eu o autor do "deal" com Granic, feito em segredo em Zagreb, escassos meses antes. Álvaro Guerra estava estarrecido! "Você?!". Expliquei-lhe a negociação e a racionalidade subjacente à decisão tomada, mas tenho a certeza que não o convenci.

Álvaro Guerra não se zangou comigo, como também o não fazia quando eu combatia, com ardor e ironia, a sua "aficción" tauromáquica. Lembrei-me ontem dele, com bastante saudade, quando intervim na mesma sala, num diferente contexto. O Álvaro morreu em 2002. Acho que ficaria contente se soubesse que, nos dias de hoje, dirijo o Centro Norte-Sul, do "seu" Conselho da Europa. Estrutura da qual a Croácia ainda não é membro, mas a que estou a tentar que adira. Desta vez, não em nome de Portugal, mas sim do próprio Conselho da Europa.

sexta-feira, 22 de março de 2013

O Bertelo e as Finanças


Há dois tipos de gerações em Vila Real. As que conheceram o Bertelo e as que existem depois dele. É para as primeiras que eu aqui escrevo esta memória, tentando que as posteriores possam perceber o que perdeu ao já não fazer parte da cidade do Bertelo.

Sempre me lembro de mim conhecendo o António Bertelo. Não me recordo da cidade antiga sem ele. Era uma figura de feições algo disformes, com um evidente atraso psicológico, que, por muitos anos, serviu de "moço de recados" de muita gente, que lhe pagava a execução de tarefas simples, de levar-e-trazer coisas. 

A minha geração tratava-o por "tu" e, com naturalidade, ele procedia da mesma maneira. Um dia dos anos 80, à entrada para a redação de "A Voz de Trás-os-Montes", ao cumprimentá-lo, notei que o Bertelo me tratou por "senhor doutor". Reagi de pronto: "estás parvo ou quê, António? Então não me tratas por tu?". O Bertelo fez um sorriso que caía estranho naquela cara atípica, mas não me creio que, desde então, tivesse optado por mudar essa forma de tratamento, o que, para minha genuína tristeza, quebrou uma ligação simples que vinha desde a minha infância.

Durante muito tempo, o Bertelo - o nome vem da aldeia dos contrafortes do Marão de onde era originário - apareceu ligado a tarefas de uma peixaria que havia na rua Direita, o que fez com que ficasse associado odorificamente a essa tarefa, bem notória  à distância. Depois, sem que nunca tivesse havido um sensível "improvement" em matéria de odores, o Bertelo teve outras atividades, desde auxiliar nas entregas do jornal da cidade, de refeições ao domicílio e, por um longo período, ao serviço da sé catedral, neste caso sob a tutela do padre Henrique, que muito o protegeu. Nos últimos anos de vida, creio, preponderava no controlo do portão do seminário.

Quando coadjuvava aquele pároco da Sé, o Bertelo foi protagonista, num domingo de Páscoa, de um episódio memorável. Ia ele pela avenida Carvalho Araújo acima, à frente do padre, com a cruz na mão, quando uma gandulagem decidiu chamá-lo, à distância, por um nome que, à época, ele abominava: "Manaca". O Manaca era um jogador que provocara um contencioso sério entre o Sporting e o Benfica, com um desfecho favorável ao primeiro. Chamar "Manaca" ao Bertelo, indefectível benfiquista, era o suprassumo do insulto. Daí que, em reação à provocação, esquecendo as vestes litúrgicas que trazia, tivesse decidido "plantar" a cruz, bem vertical, no relvado do canteiro junto à estátua de Carvalho Araújo e perseguir em corrida quem o provocara. Sob o olhar divertido de toda a gente, o padre Henrique ficou a gritar pelo Bertelo, que demorou minutos a acalmar e a retomar o auxílio à visita pascal.

O Benfica era a "perdição" do Bertelo. Um dia de 1966, um grupo de vilarealenses da cor do clube da águia deslocou-se a Lisboa para ver uma partida entre o Benfica e o Manchester United. À falta de lugares no carro, o Bertelo teria viajado no porta-bagagens (mas há versões que contradizem esta), com alguém a ter a simpatia de lhe garantir um bilhete para o estádio. Conta-se que, nos primeiros minutos de jogo, chegou a levar alguns "cachaços", porque estranhamente lhe terá dado para "puxar" pelo Manchester, para grande surpresa dos companheiros de jornada. A explicação veio logo de seguida: o Bertelo via muito mal e como o Benfica naquela noite jogava de branco havia decidido, com naturalidade, apoiar os "vermelhos"... que era o uniforme da equipa adversária. (Talvez tivesse sido melhor se a ilusão se tivesse prolongado até ao fim do jogo: o Benfica perdeu por 5-1, com dois belos golos de George Best, nessa fabulosa equipa de Busby).

O Bertelo foi, muito provavelmente, por muitos anos, a figura mais popular de Vila Real. Respeitador, era extremamente simpático para quem bem o tratava. Sempre com a sua típica boina basca, metia o braço a muitos conhecidos que se passeavam pela rua Direita ou pela rua Central, fosse essa pessoa o Governador Civil ou o presidente da Câmara, um advogado, um estudante ou um empresário. Ninguém de bem se afastava do Bertelo, um homem honestíssimo, que não bebia uma gota de álcool, cuja pobreza o levava a aceitar ajudas de quantos com ele simpatizavam. Com gosto, fui das pessoas que, até ao seu desaparecimento, lhe ia dando algum apoio, sempre que com ele me cruzava, nas minhas subidas à "Bila", como nós chamamos à nossa cidade.

Por que razão trago hoje o Bertelo ao blogue? Porque me lembrei de uma frase que o meu pai, com simpatia, sempre recordava do Bertelo, quando um dia este lhe pretendeu transmitir que passara a fazer alguns recados para a Repartição de Finanças de Vila Real. Na sua simples e permanente disponibilidade, de quem se esforçou sempre por ser útil, aproximou-se do meu pai e disse: "Desde a semana passada, estou a trabalhar nas Finanças. Se precisar alguma coisa de lá, é só dizer!" 

Tenho saudades do Bertelo. É que, hoje mais do que nunca, nestes tempos de "troika", é que dava jeito ter um amigo nas Finanças...

quinta-feira, 21 de março de 2013

Anos de chumbo

Eduardo Paz Ferreira lançou, há dois dias, na reitoria da Universidade de Lisboa, uma coletânea de textos produzidos entre 2008 e 2013, a que deu o sugestivo título de "Crónicas de anos de chumbo".

Por lá estivemos, a dar-lhe um abraço, bastantes dos seus muitos amigos, num testemunho sincero a um homem que pensa com rigor o país em que vive e que tem uma intervenção académica de grande valia, de paralelo com uma longa dedicação a causas cívicas, desde os seus tempos açoreanos. E que tenho cruzado, com regularidade, ao longo das últimas décadas, num registo de permanente cumplicidade.

Devo dizer que me impressionou o tom geral das intervenções produzidas na ocasião, comummente  marcadas por uma manifestação de sofrimento pelo tempo por que passamos, uma espécie de revolta cada vez menos contida, que não se sabe até onde poderá ir. Até pelas canções com que Cristina Branco fechou a sessão passou essa surda tristeza que a todos nos abala nos dias de hoje. Adequada, aliás, ao que se avisa na contracapa: "Este não é um livro alegre". Não é, de facto, mas também não é um livro macambúzio, é um livro simples na forma mas muito denso no conteúdo, feito em boa escrita, com notas de um humor que os dias que correm também convoca, porque, como diz o autor, "a ironia é uma arma muitas vezes mais poderosa do que a raiva". Mas a raiva também faz falta, às vezes.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Cultura geral

Anda por aí forte polémica sobre a prova de "cultura geral" com que se iniciou o novo concurso para a admissão de diplomatas no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Não conheço o regulamento do concurso e, confesso, não tenho uma opinião formada sobre se o modelo de prova para aferir tais conhecimentos gerais é adequado ou não.

Uma coisa quero dizer, desde já: entendo que qualquer diplomata português deve ter conhecimentos de natureza cultural que excedam a história diplomática e relações internacionais, o direito internacional ou a economia política. E que o essencial desses conhecimentos tem de ser demonstrado nas provas de entrada. E que deve ser excluído, liminarmente, quem não seja suficientemente culto. Se a prova adequada é a que foi apresentada ou se há outros melhores melhores para fazer essa avaliação, isso é já uma outra questão.

Quando, em tempos idos, fiz parte do júri destes concursos, havia lugar a uma prova, de cerca de 20 minutos, durante a qual três membros desse júri tinham uma conversa com cada candidato, com um período de conversa em francês ou inglês. Posso estar enganado, mas tive sempre a ideia de que era relativamente fácil, através desse diálogo, constatar se o candidato era razoavelmente culto e se sabia expressar e articular ideias em moldes adequados. Não tenho a menor dúvida de que, no final dessa conversa, nós percebíamos se o candidato não tinha condições para fazer parte da carreira. Por vezes, alguns que deixámos ir em frente vieram a revelar-se maus funcionários, porque a prova que haviam feito nos iludiu ou porque não tinham outras qualificações, algumas das quais só o tempo permite ajuizar. Tenho a consciência muito tranquila: sem exceção, todos os que ajudei a "chumbar" não tinham qualidades mínimas para entrarem no número de vagas que nos competia preencher. Alguns foram admitidos noutros concursos posteriores, ou porque melhoraram, ou porque o nível médio dos candidatos baixou ou porque os critérios do novo júri variaram.

Não posso admitir que entre para os quadros do MNE alguém que, num diálogo com um interlocutor estrangeiro, não consiga manter uma conversa com substância cultural, que, por exemplo, não conheça um mínimo de literatura portuguesa, que não tenha referências sobre pintores, arquitetos, cineastas, etc, que não tenha uma ideia dos grandes tempos da nossa História, que não conheça aqueles que ajudaram a construir a nossa identidade nacional, por esse mundo fora. Quando fiz parte dos examinadores desses concursos (e também já examinei colegas noutros momentos avançados da carreira, sob critérios diversos), não foi uma nem duas vezes em que, ao citarem autores contemporâneos, os candidatos, perguntados sobre o que tinham efetivamente lido desses autores, esclareciam: "ler, ler, não li!". E alguns deles acabaram por "passar", porque, não obstante não terem lido esses autores, mostraram ter suficiente informação sobre eles.

É para mim indiscutível que quem tem a pretensão de vir a representar Portugal pelo mundo deve possuir uma razoável cultura geral, bem para além das temáticas técnicas da profissão. Resta saber se é através de testes "americanos", e especificamente dos que foram aplicados, que isso se avalia.  

Deixo aqui uma nota que, no passado, escrevi sobre este assunto. 

terça-feira, 19 de março de 2013

Aposentação

Chegou há pouco a carta: desde 11 de março de 2013, estou aposentado da função pública. Encerra-se assim uma bela "aventura", iniciada no dia 18 de novembro de 1971, quando subi as escadas da Caixa Geral de Depósitos, no Calhariz, para tomar posse como funcionário do Estado, como já recordei aqui.

O meu pai costumava contar que, no Minho da sua juventude, no início do século XX, havia um emigrante português no Brasil que, de anos a anos, vinha de barco visitar a família que deixara para trás. Ficava por algum tempo e, nos últimos dias da estada em Portugal, inventava sempre pretextos para dar uma "coça" nos filhos. Aos mais íntimos explicava: fazia isso por bem, para evitar que sentissem saudades dele.

Por alguma razão, lembrei-me hoje desta história.

Feminismo

Neste que é mais um "ciclo" de diabolização da função pública, talvez as forças sindicais devessem lembrar à opinião publicável que o setor do Estado é o único onde não existem discriminações salariais entre os homens e as mulheres, contrariamente ao que acontece, com excessiva frequência, em algum setor privado.

Não está na moda dizer bem do Estado, mas eu gosto do que é politicamente incorreto.

Chipre

Das duas uma: ou se aceita o sistema bancário global tal qual ele é, isto é, incorporando a dimensão de confiança que está na sua base ou, ao pô-lo em causa, está-se disposto a arriscar o delicado equilíbrio do sistema do euro. 

A incomensurável irresponsabilidade política que marcou a decisão do "eurogrupo" - leia-se, o conselho de ministros das Finanças da zona euro - sobre Chipre, é uma lição que nos obriga a refletir sobre a suposta qualidade técnica das "vedetas" que hoje gerem a vida financeira europeia.

Que saudades da presidência de Jean-Claude Juncker, sob a qual o "eurogrupo" esteve sempre longe de tomar decisões tão irracionais! E que insulto tudo isto é para o excelente trabalho que Mário Draghi (e Vitor Constâncio, por muito que alguns por cá não gostem dele) tem vindo a fazer no Banco Central Europeu.

O que se passou no caso cipriota* prova que a Europa está à deriva e que a política deixou de estar no comando das operações.

* o anunciado recuo parcial nas medidas fiscais também é revelador do estado a que as coisas chegaram. 

segunda-feira, 18 de março de 2013

Claque

Não era muito dada a "futebóis", embora fosse uma discreta adepta do Futebol Clube do Porto. O marido pedira-lhe para o acompanhar a Lyon, onde os portistas disputavam um jogo com o Olympique local. Acedeu, com a condição de não ir para a tribuna, à qual o marido tinha direito de acesso, mas onde, no passado, ela nunca se sentira excessivamente bem. Assim, concordaram em utilizar bilhetes na bancada.

À chegada ao estádio, o casal foi surpreendido, contudo, pelos lugares que lhes haviam sido atribuídos: a zona da claque portista, dominada pelos "Superdragões". Depois de algum receio inicial pelo inusitado da companhia, ela acabara por achar a experiência algo divertida, naquele ambiente marcado por uma imensa tensão entusiástica, com uma sonoridade agressiva tingida pelo léxico nortenho, dessa vez algo atenuada pelo facto da partida ter sempre corrido de feição para o clube. 

No final do jogo, a bancada dos "Superdragões" mostrava-se exultante e desejosa de abandonar o estádio. Porém, como sempre acontece neste tipo de eventos, e por razões de segurança, fora pedido aos adeptos do FCP para permanecerem nos seus lugares por uns minutos mais, a fim de proceder à sua saída organizada em direção aos autocarros, já depois de estar garantido o afastamento dos adeptos lioneses. Não era fácil para a claque portista aceitar aquela forçada clausura, entre gradeamentos fortes. As "bocas" dirigidas aos responsáveis pela segurança local eram, felizmente, intraduzíveis.

Sossegada em definitivo pelo animado curso dos acontecimentos, a episódica integrante da claque anotava discretamente os comentários, nessa noite feliz para as hostes azuis - talvez imaginando o que eles seriam se acaso o Porto tivesse perdido! Foi então que ouviu, de um adepto mais impaciente, desejoso de sair rapidamente daquela espécie de jaula, num sotaque inconfundível: "Bámus lá! Abride isso, carago! Atáum num fuâram bociês que inbentárum o "passe-vite" "? 

A "boca" perdeu-se no barulho coletivo, mas a sua divertida recordação ficou a marcar essa rara visita conjunta do casal a um estádio de futebol. 

No dia subsequente àquele em que o Porto pode ter perdido na Madeira a revalidação do título, aqui fica esta historieta, que me foi contada, há dias, pelo marido da protagonista, numa conversa divertida por cima do Atlântico. 

domingo, 17 de março de 2013

A Malta do Chipre

Durante anos, quando em Portugal se falava de Chipre, praticamente ninguém fazia anteceder o nome do país de um "o". Agora, com a crise por lá, é "o Chipre" por todo o lado.

Por mim, tudo bem! Mas, já agora, passem a falar "da" Malta!

San Lorenzo de Almagro

Segundo rezam os jornais, o novo papa é um fanático do San Lorenzo de Almagro.

Na minha infância, o nome de San Lorenzo de Almagro era sinónimo de perfeição em futebol. Ao que o meu pai me contava, com admiração, aquela equipa argentina teria feito, em 1946, uma temporada de exibição pela Europa e o seu jogo, marcado por passes curtos e uma apurada técnica individual, surpreendeu e venceu todos os adversários que defrontou. Popularizado então como o "Ciclone", o San Lorenzo infligiu mesmo uma derrota pesada à nossa seleção nacional. Antes disso, no estádio do Lima, no Porto, o San Lorenzo deu uma "abada" ao Futebol Clube do Porto. Uma noite, no final dos anos 60, num jantar no Pedro dos Leitões, na Bairrada, tive o privilégio de assistir a uma rememoração dessa partida, feita por Gomes da Costa, que fora "avançado-centro" dos portistas nesse jogo e era médico em Vila Pouca de Aguiar, e o meu pai, testemunha de bancada.

Esperamos que o novo papa, tal como outrora o seu clube, também nos possa agora surpreender a todos.

sábado, 16 de março de 2013

Lajes

Faz hoje dez anos. Um tropismo seguidista de enviezamento ideológico levou o então governo português, não apenas a acompanhar uma atitude aventureirista da América face ao Iraque, sem qualquer mandato e sob um álibi de mentiras, mas chegou mesmo ao ponto de organizar nos Açores uma cimeira que ficou nos anais mais tristes da vida internacional.

Pela primeira vez, em muitos anos de vida diplomática, senti-me então tentado a expressar publicamente a minha distância face a um lamentável gesto de política externa, porque feito à revelia de uma linha de atuação internacional responsável, que é um importante património em que se sustenta a imagem de Portugal no mundo. Optei por não o fazer, porque, nessa como noutras ocasiões, prezei acima de tudo a lealdade que considerei ser devida ao Estado, independentemente da transitoriedade de quem o titula e tem uma desculpa democrática para o poder comprometer com os seus erros.

Os anos passaram. Tanto quanto se sabe, os responsáveis pelo humilhante "catering" açoreano não fizeram qualquer mea culpa nem pediram perdão ao país pelo modo como o comprometeram com a sua flagrante irresponsabilidade. Convém não perder a História de vista - mesmo a "pequena História", como foi o caso - para a necessária memória futura, que tudo indica virá a ser útil daqui a uns tempos.

sexta-feira, 15 de março de 2013

À entrada

A América Latina, agora também terra de um novo papa, é um continente complexo, onde sobrevivem fortes tensões. As últimas décadas testemunharam a consolidação de importantes processos democráticos, mas, infelizmente, não estão totalmente afastadas as raízes da perturbação social e política.  

Esta imagem, que tirei à entrada de um edifício público de uma capital sul-americana, aliás uma das mais sólidas democracias da região, parece-me ilustrativa de que ainda há muitos mundos por este mundo.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Francisco

Tinha prometido não abordar por aqui a eleição papal, tema sobre o qual não me sinto qualificado, ao contrário da insuspeitada legião de "vaticanistas" que emergiu entre nós nas últimas semanas.

Vejo-me forçado, porém, a fazer uma exceção, apenas para saudar a primeira decisão do novo chefe de Estado da Santa Sé: a escolha do seu nome como papa. 

quarta-feira, 13 de março de 2013

Chavez

Já não tenho qualquer vínculo de subordinação hierárquica ao Ministério dos negócios estrangeiros. Por essa razão, e porque o que é verdade deve ser dito, estou muito à vontade para afirmar que me revejo totalmente nas declarações proferidas pelo ministro Paulo Portas, por ocasião da morte do presidente da Venezuela, Hugo Chavez.

A política externa é uma política de Estado. As divergências neste domínio podem existir e até é saudável que se expressem em público. Ao contrário de outros, nunca considerei "anti-patriótico" que as temáticas do nosso relacionamento externo sejam amplamente debatidas. Essa é sempre uma forma de enriquecer a necessária definição desta política pública e de lhe dar real substância, procurando impedir que a política externa de Portugal se confunda com uma espécie de preguiçosa reiteração da sua prática diplomática. Porém, é ocioso estar a procurar, de forma artificial e apenas por motivos de chicana política, diferenças e divergências que não têm razão de ser.

Portugal e os portugueses têm importantes interesses a defender na Venezuela. A posição assumida pelo chefe da diplomacia portuguesa correspondeu, na minha opinião, a uma correta e eficaz defesa desses mesmos interesses. Discordo assim, em absoluto, de quantos o criticaram pela posição que tomou.

terça-feira, 12 de março de 2013

St. Maarten

Há uns anos, recebi um dos vários vídeos que figuram no YouTube sobre as peculiaridades das aterragens de aviões no aeroporto de St. Maarten, na parte holandesa de uma ilha, partilhada com a França, situada na costa venezuelana. A distância entre os aviões e a praia é impressionantemente curta.

Ontem, numa escala para reabastecimento, aterrei nesse aeroporto. De facto, mesmo do avião, a sensação é forte. Aqui fica um desses ilustrativos vídeos

Emergentes

"For the record": em 27 de junho, pelas 18.00, na Fundação de Serralves, no Porto, moderarei o colóquio "Um mundo multipolar com novas potências assentes em economias emergentes".

Trata-se de um dos debates inseridos na série "O imaterial 2 - cidadãos, instituições, fronteiras e capitais", de que é comissário Artur Castro Neves. Neste colóquio intervirão duas personalidades brasileiras bem contrastantes: Rubens Ricupero, diplomata e antigo ministro, e Márcio Pochmann, reputado economista.

segunda-feira, 11 de março de 2013

O bispo e as Felicianas

Ao ouvir, há pouco, na rádio, notícias sobre o conclave para a eleição papal, recordei-me dos tempos do concílio Vaticano II, realizado em Roma, entre 1962 e 1965. Dentre os 29 membros portugueses de uma delegação do episcopado português a Roma, contava-se o bispo de Vila Real, dom António Valente da Fonseca. Como administrador apostólico ficou, pela diocese, monsenhor Libânio, uma figura esguia que ainda hoje justifica o nome dado a um cadeirão comprido, herdado do meu avô, a que sempre chamamos a "cadeira do padre Libânio", não obstante o próprio nunca a ter experimentado.

Nas ociosas noites do Verão vilarealense, havia muito pouco que fazer, quando eu andava pelos meus 15 anos. Por isso, num grupo de amigos, alguém se lembrou de inventar uma chamada telefónica "feita" pelo bispo, que, desde há samanas, estava em Roma para o concílio, destinada ao monsenhor Libânio, que então vivia no seminário de Vila Real.

O local do "crime" foi a casa do celebrado fotógrafo da cidade, Mário Silva, "Marius" de nome artístico, pela mão do seu filho, António Manuel. O autor material da chamada telefónica foi um primo deste, Dionísio Rodrigues da Silva, o "Nizo", um amigo já desaparecido, talvez o elemento mais velho desse pequeno grupo que se juntou para a organização da "partida".

Desconhecedores do que era uma chamada internacional, ao tempo obrigatoriamente feita através de telefonista, inventámos um conjunto de ruídos que supostamente credibilizariam a comunicação. Ligámos para o número do seminário, pouco depois da hora de jantar. Atendeu-nos uma voz a quem, num italiano de má opereta, deixámos a indicação de que "don António voglio parlare con il signor don Libânio". A chamada era entrecruzada por arbitrários silvos e apitos, sons secos e uma profusão de sinais que, no nosso entender, poderiam fazer parte de uma ligação telefónica internacional. A nossa preocupação era escusada: no seminário, o porteiro sabia de italiano e de comunicações externas bem menos do que nós...

Após alguns minutos, ouviram-se passos apressados no lagedo  de mármore da sala de entrada do seminário, onde se situava então o único aparelho telefónico da casa: Um ofegante dom Libânio surge então ao auscultador. Do outro lado, "de Roma", o senhor "dom António" interpela-o:

- Então, Libânio, como vai você? E a diocese?

Extasiado com a oportunidade proporcionada pela maravilha das comunicações, dom Libânio respondeu:

- Muito obrigado, senhor bispo. Vai tudo muito bem, graças a Deus. E como passa vossa excelência reverendíssima?

- Estou bem, Libânio, estou bem. Mas diga-me uma coisa, ó Libânio, com que estou preocupado: como é que vão as nossas Felicianas*?

Dom Libânio presumiu ter ouvido mal, tanto mais que as comunicações, à época, eram más e o lenço que utilizávamos para tentar tapar a voz criava uma distância que afetava a audibilidade das mensagens.

- Como? Não estou a ouvir bem... Como disse, excelência reverendíssima?

- As Felicianas, Libânio, as pequenas da Vila Velha que sempre alegram as nossas noites por aí...

O pobre do administrador apostólico deve ter ficado à beira de uma apoplexia. As Felicianas era um plural pouco magestático para designar umas raparigas, da mesma família, que facilitavam alguns prazeres físicos tarifados, bem conhecidas de toda a cidade.

- Não consigo ouvir, senhor bispo! Não ouço quase nada! Vou ter de desligar...

E assim fez. Nós já estávamos no limite da gargalhada coletiva. Mas tínhamos ganho uma excelente noite.

* o nome talvez não fosse bem este...

domingo, 10 de março de 2013

Motorista

Para o exercício das funções de diretor executivo do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa, considerei importante, desde o inicio, poder ter o apoio pontual de um motorista, com vista a facilitar a execução de certas tarefas laborais em Lisboa. Estando eu a prestar tais funções pro bono, isto é, sem por elas receber qualquer salário, achei que ser essa uma compensação mínima. 

O MNE também assim entendeu e acaba de proporcionar-me esse apoio. E, talvez porque me conhece bem, foi gentil ao ponto de caprichar na escolha do motorista que me dispensou. Chama-se Américo Tomás.

sábado, 9 de março de 2013

Revelação

O cenário da curta conversa era clássico: um velório. Ontem, em Vila Real.

Chegou sozinho. Não percebi bem quem era. Foi simpático e agradável. Mas, quase de imediato, tentou "confessar-me" sobre a atual situação política no país. Procurava, claramente, "tirar nabos da púcara". Como eu não o conhecia bem e, pelos vistos, ele também me não conhecia muito melhor a mim, a conversa andou um pouco às voltas, comigo a dizer umas coisas redondas e óbvias, para perceber onde é que ele queria chegar. De certo modo, o diálogo divertia-me, embora o "outing" político me parecesse um exercício pouco adequado para aquele momento.

A certo ponto, olhou para ambos os lados, aproximou-se um pouco e deixou, em voz baixa, a informação: "Sabe? Eu apoio este governo e estou de acordo com quase tudo o que ele tem feito". E voltou a olhar em volta, claramente à espera que ninguém tivesse ouvido esta sua revelação.

O que é que eu lhe disse? Apenas o procurei sossegar, dizendo-lhe: "tem todo o direito a ter essa opinião". Sorriu-me, creio que grato, embora disso não tenha uma absoluta certeza. Minutos depois, vi-o afastar-se. Sempre sozinho.

Tempos difíceis, estes. Para todos, como se vê. 

Notícias



Há um minuto, na RTP, vi a imagem da capa do "Diário de Notícias" de hoje, tendo como um dos títulos: "Moção de estratégia do líder do PS critica governo".

Caramba! Que notícia! Que surpresa! Quem diria?! Quem seria o inspirado jornalista que teve esta genialidade? Provavelmente, estaria à espera que o principal partido da oposição apoiasse o governo. Daí a imenso espanto, convertido em título de primeira página.

Ele há cada um...  

sexta-feira, 8 de março de 2013

Bornes de Aguiar


quinta-feira, 7 de março de 2013

Atitude

Há dias, ao ver falar na televisão uma determinada figura, dei comigo a lembrar-me de um velho embaixador que tinha um hábito que sempre me irritou. Num dia, afirmava, com uma inabalável segurança, uma determinada ideia ou orientação, derrotando qualquer proposta em contrário que se lhe pudesse contrapor. Alguns dias passados, porque a realidade entretanto mudara, afirmava posições que eram em tudo divergentes das anteriores, talvez pensando que eramos esquecidos ou parvos. Se acaso lhe lembrávamos que a sua opinião mudara, arranjava argumentos, por mais bizarros que fossem, para tentar explicar que não havia a mínima dissonância entre uma posição e a outra e que, antes pelo contrário, a segunda decorria "logicamente" da primeira. Uma única coisa nunca lhe ocorria: dizer que se tinha enganado.  

quarta-feira, 6 de março de 2013

Roissy

Hoje no meu regresso de Estrasburgo, passei de novo no aeroporto parisiense dito Charles de Gaulle, a que muitos franceses (e eu próprio) teimam em chamar Roissy.

(Estas designações póstumas podem ser algo constrangentes. Muitas vezes a memória popular não acompanha o voluntarismo afetivo dos proponentes. Veja-se o que acontece, em Paris, com a place de l'Etoile, onde está o Arco do triunfo: ninguém a designa por "Charles de Gaulle", sendo esse, no entanto, o nome oficial. Em Portugal, a maior "maldade" foi darem ao Areeiro o nome de praça Francisco de Sá Carneiro (e colocarem por lá uma espécie de estátua artisticamente ofensiva). É óbvio que ninguém chama o lugar por esse nome. E, no Porto, ouço ainda muita gente a falar da praça Velasquez ou do aeroporto de Pedras Rubras, em lugar de nomearem a malograda personalidade que, por onze meses, chefiou o executivo português, durante 1980).

Quem não viveu essa época não pode imaginar a fortíssima impressão que o novo aeroporto de Paris podia fazer a quem, como eu, por lá passava, pela primeira vez, em fevereiro de 1976, menos de dois anos após a inauguração. A arquitetura muito avançada, quase espacial, daqueles "tubos" transparentes que levavam aos "satélites", conferia ao local uma imagem dos cenários de "Barbarella" e tudo rimava com o "Concorde", que por aí começou e por aí acabaria, de forma trágica.

Enviado pelo Ministério da Cooperação (já ninguém se lembra, mas existia então um ministério com esse nome, para onde eu fora destacado), tive de ir a S. Tomé e Príncipe, via Paris e Libreville, para tentar pôr termo a uma greve de algumas dezenas de professores cooperantes que Portugal tinha enviado meses antes, e por cuja pré-seleção eu fora responsável. Embarquei em Roissy e, confesso, fiquei extasiado. O "choque" com a modernidade do aeroporto foi imenso.

Hoje, quase quatro décadas depois, sempre que por lá passo noto que a imagem do aeroporto está longe de ser tão "glamourosa". O edifício envelheceu mal, os "tubos" e os "satélites" tornaram-se anacrónicos, todo o espaço é muito pouco funcional. Para obviar aos problemas de crescimento, o aeroporto multiplicou estruturas cumulativas. Anteontem, estive uma par de horas no hall G, uma instalação que pede meças, em fealdade e frieza, àquele edifício sinistro que foi construído como complemento do aeroporto de Lisboa (ou da Portela), a que, eufemisticamente, se chama "terminal 2".

Tenho tendência a olhar para os velhos aeroportos (e para os hotéis, também) como se eles fossem pessoas: os que envelhecem mal, os que mantêm beleza e dignidade na inevitável decadência, os que, enquanto podem, se rejuvenescem, nomeadamente através de "liftings" com sucesso. Mas, porventura, estou a ser demasiado cruel. Para os aeroportos, claro. 

terça-feira, 5 de março de 2013

No labirinto

Nunca tinha tido um contacto com aquele assunto. Mas, perante a instrução que me era dada, em face da ausência do colega que normalmente tratava da questão, não tive qualquer reticência em receber aquele empresário português que nos pretendia transmitir o resultado de uma sua deslocação a um determinado país de expressão portuguesa, onde a situação político-militar era muito confusa. Ao que me haviam dito, tratava-se de uma pessoa com muito bons contactos e que nos poderia ajudar a contribuir, de forma positiva, para a estabilização e para o diálogo interno, por forma a superar os dissídios fratricidas em curso.

O nome do empresário era-me familiar. Tratava-se de um homem já de uma certa idade, muito simpático, profundamente religioso, claramente sem "agendas escondidas", que apenas pretendia ser útil a um país de que gostava muito. A sua ligação à rede da igreja e a muitos responsáveis políticos e económicos tornavam-no precioso, tanto mais que, na recente viagem que agora nos ia reportar, uma das muitas que profissionalmente fazia ao território, tivera novos e muito interessantes contactos.

Começou por agradecer a minha disponibilidade para o receber e relatou:

- Como sabe, tenho muito bons amigos locais. No Norte, falei com o bispo, que me deu conta da tensão que se adensa. O vosso Ministério já sabe, bem melhor do que eu, o que aconteceu por lá no passado. Algumas coisas não vieram a público, e ainda bem!, mas vocês conhecem-nas bem. O governador, como já disse há semanas a um seu colega, é um homem inábil e conflitual. Aquelas confusões, em setembro, eram perfeitamente escusadas, mas o homem, que, como sabe, tem aquele irmão mais velho nos negócios (eu não sei se o tipo de Vila do Conde ainda é sócio dele) e aquela prima que anda aí por Lisboa (casada com o "grandalhão" dos portos), teima em criar dificuldades. Eu, na reunião passada com o seu colega, já deixei claro que as coisas têm tudo a ver com o tráfico daquilo que sabemos. E o homem da Marinha, como vocês suspeitavam, está "enterrado" até à cabeça na tramóia. Nesta viagem, um amigo ligado a empresa do homem disse-me que o presidente da República de lá estava furioso com o assunto. E até o nosso amigo brigadeiro, que você aqui receberam há meses, foi da mesma opinião.

A conversa prosseguiu, sempre neste tom. As informações jorravam... mas eu não sabia de quem é que ele estava a falar. Não surgia no relato um único nome, seguramente por uma delicada "precaução" de segurança. No que me tocava, havia cometido um erro de palmo. Deixara passar largos minutos sem inquirir de quem é que ele estava a falar. E, a certo ponto, já era tarde para inquirir "o bispo é de onde?", "quem é o general?", o "irmão nos negócios é quem?". Eu cometera o lapso de pensar que, com o decurso da conversa, acabaria por apanhar o fio à meada e "agarrar" a história. Mas era tarde! O meu embaraço era total. Não perante o homem, que prosseguia, sem cessar, as referência "àquela empresa portuguesa que o governo português bem tem apoiado", ou "aos nossos interlocutores habituais mais lá em baixo" ou mesmo "aos bons amigos que o senhor ministro, como sabe, tem por lá". E foi assim, até ao fim.

No termo do encontro, que tentei apressar, agradeci todas as "utilíssimas" informações que nos tinha passado e quase tive vontade de me rir, às gargalhadas, de mim mesmo. Que iria eu dizer a quem me encarregara da tarefa? Já não me recordo muito bem do que aconteceu. Apenas registei que falei com o meu colega que habitualmente tratava da questão, a quem relatei o sucedido. Muito nos rimos. Estou certo que, nos dias que correm, estando ele como embaixador português junto da OCDE, já não se confronta com situações tão crípticas.

segunda-feira, 4 de março de 2013

... e Paris aqui tão perto

Sensação curiosa esta: passar por Paris - aterrar aqui em Roissy, para apanhar um avião para Estrasburgo - como se se tratasse de um qualquer aeroporto, como se, ali bem perto, não estivesse a cidade onde, até há pouco mais de um mês, vivi desde 2009. Com a maior das franquezas, devo dizer que não tive a menor tentação, nem vontade, de dar uma saltada a Paris. Como se ainda fosse cedo para rever amigos e lugares.

Sempre tive por curiosa esta minha propensão para "fechar" as cidades onde vivi. Aconteceu-me sempre, sem nenhuma exceção - em Oslo, em Luanda, em Londres, em Nova Iorque, em Viena e em Brasília. Àparte esta última, a todas já regressei, a algumas por mais de uma vez, mas apenas tempos mais tarde, para rever as pessoas, notar os locais e as suas mudanças. Tudo, porém, num registo de que esteve em absoluto ausente qualquer espécie de nostalgia.

Algumas pessoas acham estranha esta minha atitude. Devo dizer que até eu! De certa forma, ela pode ser lida como uma espécie de defesa, uma fuga implícita à constatação da impossibilidade de um regresso. Ou talvez não: pode ser apenas a necessidade de me concentrar a 100% no futuro, que me obriga a colocar parêntesis no passado. Seja lá como for, a verdade é que é muito agradável nunca sentir qualquer dependência dos dias de ontem.

domingo, 3 de março de 2013

Questão de substância

Era e é um homem simpático, sempre sorridente, com graça e uma boa cabeça. Aquele embaixador, porém, tinha - e imagino que ainda tenha - como vício irritante responder às questões com outra pergunta. Se se inquiria, a propósito de uma determinada atitude do governo do país onde estava acreditado, "o que é que você acha que eles querem?", era muito possível que a resposta fosse "mas a posição deles foi vista como ofensiva?" ou uma coisa do género.

Trata-se, nem mais nem menos, do que mais um cultor da velha "escola" de abstenção opinativa que sempre existiu nas Necessidades. Há colegas que fizeram toda a sua carreira furtando-se habilmente a dizer o que pensavam. Alguns procuram ouvir os interlocutores para, de forma mais ou menos subtil, se colarem ao que acham ser a posição deles, num mimetismo seguidista, para logo caírem nas respetivas boas graças. Outros limitam-se a questionar e vão conseguindo, por elaboradas artes de dissimulação, nem concordar abertamente com o parceiro mas também nunca o afrontar. Não é fácil! É uma elaborada escola do "nunca me comprometo". Outras vezes, por detrás dessa atitude, não há sequer quaisquer razões de fundo: a fuga para a reação interrogativa está-lhe no sangue, é superior à suas forças. Era o caso do embaixador de quem vou contar uma historieta passada comigo.

Um dia, estava eu então no governo, recebeu-me, de passagem, na sua residência, numa determinada embaixada europeia. Eu tinha andado de um lado para o outro, durante todo o dia, envolvido em reuniões. Com a pressa, e porque o programa era muito intenso, fui adiando a necessidade, que se ia tornando cada vez mais premente, de ir a uma casa de banho. Assim, chegado à embaixada, logo que encontrei o embaixador, ainda no hall de entrada, perguntei-lhe, algo ansioso:

- Posso ir a uma casa de banho?

- Para quê?, perguntou-me o embaixador.

Devo ter feito um ar de grande surpresa. Então o homem pretendia saber a razão pela qual eu queria ir a uma casa de banho? Isso era coisa que se perguntasse? Fiquei sem palavras. O mesmo não aconteceu com o embaixador, que logo esclareceu:

- Se é para uma coisa "simples", pode ir aqui a esta pequena casa de banho, junto ao hall. Mas se é para uma coisa mais "substancial", é melhor ir a uma das casas de banho do primeiro andar.

Nunca mais esqueci o requintado qualificativo, que não deixa de ter algo de quantificativo, que, na peculiar organização espacial do homem, fazia toda a diferença.

sábado, 2 de março de 2013

Protesto

Olhei para a cara das pessoas que hoje estavam na manifestação que, em Vila Real, se associou ao protesto nacional - contra a "troika", o governo e algumas entidades mais. Pareceu-me haver algum desânimo pelo facto do cansaço, e talvez do sentimento da eventual inutilidade do gesto - porque ninguém de bom-senso pensará que há hoje mais conquistados para as políticas praticadas -, ter afastado muita gente e transformado este evento numa sombra do protesto de setembro de 2012. Parece-me, porém, que laboram num equívoco. Esse protesto de então foi único, porque foi o primeiro momento em que aquele Portugal que não era parte do setor público (jornalistas e comentadores incluídos) sentiu que lhe estavam a "ir ao bolso". Fez toda a diferença!

O humor faz também parte destes exercícios e, pelo menos em Vila Real, ele ainda persistiu em alguns cartazes. Um deles rezava, de forma muito transmontana e numa bela transcrição fonética, dirigido ao poder: "num baleides um tchabelho". Sorrir, mesmo de forma amarela, ainda não paga imposto.

sexta-feira, 1 de março de 2013

Aos papéis

Volta e meia, responsáveis políticos são chamados ao parlamento para serem confrontados com decisões que tomaram durante os tempos em que exerceram funções governativas. Nada de mais natural, numa República democrática em que a responsabilidade pessoal se não esgota no momento em que se abandonam os cargos.

O que mais me surpreende é o facto desses antigos responsáveis políticos aparecerem a responder nessas instâncias parlamentares escudados em documentação do tempo em que exerciam tais funções executivas. A menos que essa papelada lhes haja sido fornecida pelos seus imediatos sucessores - hipótese improvável, no ambiente de "guerrilha" em que se transformou a vida política nacional -, só posso presumir que, ao abandonarem os cargos, essas figuras políticas levaram consigo cópia de tal documentação, que hoje lhes serve de escudo contra eventuais acusações, muitas das vezes injustas, como se comprova pelo facto de raramente alguém ser "condenado" nesse contexto.

A posse de duplicados de tais documentos oficiais é, assim, um ato de mera prudência e até de bom-senso. Só que há um pequeno, embora talvez não despiciendo, problema: é que isso é ilegal. Ninguém pode guardar documentos oficiais quando deixa de exercer funções políticas. Ponto final.

Tive consciência disso ontem à noite, neste tempo em que me divirto a arrumar em casa a minha papelada, na curiosa revisão retrospetiva de vida que a aposentação propicia. No que pessoalmente me toca, não fiquei com um único dos despachos e, em especial, de qualquer das decisões de concordância relativas a verbas, cuja movimentação autorizei ao longo do mais de cinco anos de funções governamentais que exerci. Se acaso fosse hoje chamado a uma comissão parlamentar, entraria na sala apenas com a minha memória. A qual, não sendo má de todo para aquilo que me interessa, tem hoje saudáveis brancas para as burocratices da vida. Com os riscos inerentes, claro.  

Comentava isto hoje a um amigo, ao almoço. A reação foi: "Dá-lhes ideias, dá!..."

Grillo

Eu tinha à volta de vinte anos. Numa madrugada, o Sud-Express em que seguia a caminho de França parou, por alguns minutos, numa estação espanhola. 

Dado que a "couchette" que me cabia era grandemente incómoda, há horas que eu vagueava pelo corredor do comboio, espantando o sono. Era Verão e abri uma janela, na noite quase deserta de gente, no meio da meseta. Perguntei a alguém que passava onde estávamos: Medina del Campo, foi a resposta.

Foi então que, de alguém que viajava duas carruagens adiante, ouvi, num tom arrastado, num registo de óbvio gozo, uma voz gritar: "Grilo! Ó Grilo!". Ao meu lado, um viajante, também sem sono, comentou: "Quem será este Grilo?". Eu sorri.

Não expliquei, talvez porque era uma longa história, que o passageiro aos berros era, com toda a certeza, um queiroziano de mérito. Numa noite ferroviária em Medina del Campo, repetir o chamamento do "Grilo" era, garantidamente, alguém a reproduzir a cena famosa de "A cidade e as serras", quando um desesperado Jacinto temia que o criado negro, que tinha a seu cargo as milhentas bagagens destinadas a confortabilizar Tormes, se viesse a perder na mudança de comboio. O que acabou por acontecer, com as 27 malas a irem parar a Alba de Tormes...

Lembrei-me deste episódio ao ouvir ontem, em toda a comunicação social, imensas notícias sobre um Grilo. Este Grillo tem dois "ll", é italiano e parece que vamos ouvir falar muito dele no futuro, para mal dos nossos pecados - para quem os tenha, claro.