domingo, 1 de setembro de 2013

Piropos

O Bloco de Esquerda quer abrir um debate parlamentar para tratar a questão dos "piropos", ao que parece com vista a atenuar a agressão verbal decorrente de bocas foleiras que inundam as esquinas do país. Nada de mais urgente, claro!

Ainda bem que uma força política tem a coragem de trazer para a praça pública um assunto desta magnitude, conferindo-lhe prioridade legislativa. Eu ousaria dizer que este é um debate com séculos de atraso! Dada a atenção que o Bloco tem com as questões de género, posso imaginar que o diploma deve vir a cobrir, não apenas os piropos entre pessoas de sexos diferentes, mas, igualmente, os ditos brejeiros entre pessoas do mesmo sexo. Por isso mesmo, este é um debate que promete alegrar os dias da Assembleia da República, com a riqueza de "apartes" que se adivinha, que tanto vai incendiar setores tradicionais das partes fonteiras do areópago como pode mesmo vir a revelar algum "backbench" parlamentar até agora menos exposto ao escrutínio público. 

Fico com uma dúvida, provavelmente irrespondível: sobre o tema em si mesmo, será que a posição de bloquistas como Joana Amaral Dias e de Ana Drago é exatamente a mesma de Helena Pinto ou Catarina Martins? 

40 comentários:

Alfredo Caiano Silvestre disse...

Boa noite.
Li várias vezes que queria lançar o debate. Apenas aqui que queria lançar o debate parlamentar.

Concluo que fez uma leitura apressada.

Anónimo disse...

Decididamente, o B.E passou-se dos carretos! O estado da nossa Oposição começa a ser preocupante! A todos os níveis! Reinvente-se a Oposição!
P.

Anónimo disse...

Foi mauzinho Sr. (ex)embaixador, diria que até muito mauzinho. A JD já saiu do Bloco e a AD já saiu da assembleia.

EGR disse...

Senhor Embaixador: só tomei conhecimento da intenção do BE pela leitura do post de hoje.
E, não imagina V. Exa com que ansiedade fico até a abertura do debate sobre o tema cuja magnitude é por demais evidente.
Mais um inestimável serviço que a democracia deverá ao BE.
Recordo com emoção que os últimos foram um moção de censura ao governo de Sócrates bem como a rejeição do chamado PEC4 contributos relevantes para hoje termos os notabilíssimos governantes, a começar no PM, que dirigem o nosso país.
Só um ingrato, que me prezo de não ser, esqueceria isso, pelo que estou grato ao BE.

Anónimo disse...

Finalmente uma questão sbre a qual tenho todas as dúvidas. Será da esquerda ou de esquerda? Será de direita ou da direita?

Ao menos o Papa Francisco conseguiu ainda em vida fazer um milagre. Milhões de brasileiros apoiaram um argentino...

Guilherme.

Isabel Seixas disse...

A minha avozinha diria

"Até parece que não têm que fazer"...

Isabel Seixas disse...

A minha curiosidade reside no conhecimento do elenco de piropos lícitos e ilícitos...

Estava a pensar nos critérios para fazer prova de ter sido" vitima"para posterior atribuição de repreensão, coima, ou punição...

Agora como estratégia para gerar emprego aos licenciados e mestres em direito...

Já para os juízes já lhes bastavam os processos de descoberta de quem roubou a alface a quem...

Isabel Seixas disse...

Tenho mesmo saudades da minha cara amiga , velha Senhora, até para saber da sua opinião sobre o tema...

Alcipe disse...

Conta-se de uma socióloga inglesa que escreveu um livro sobre os costumes espanhóis. Trinta anos mais tarde regressou a Espanha e observou: "a sociedade espanhola esta muito mudada, mais moderna e mais assimilada aos padrões do resto da Europa: basta dizer que, ao contrario da minha experiência de há 30 anos, desta vez nao ouvi na rua um único piropo".

Anónimo disse...

Nao e cavalheiresco da parte de Vexa fazer observações pessoais dessa natureza sobre as dirigentes de um partido político. Compararia Vexa da mesma maneira e pelos mesmos criterios o Dr Seara com o Dr Abreu Amorim ou o Dr Antonio Costa com o Dr Antonio Braga? Esta a ver o seu machismo? Shame on you, como diz a Senhora Engenheira...

a) Feliciano da Mata, feminista admirador das Femen

ignatz disse...

um disparate igual ao do dia do cão do marques guedes.

Catinga disse...

Segundo o que eu li (e que incluía algumas citações), as preocupadas não querem passar a coisa à legislação (uma pena porque nunca é demais uma lei para ignorar), por acharem que a sociedade ainda não estava preparada (culpa minha e sua, portanto). É apenas um pré-debate, chamemos-lhe assim.

Também o informo de que as preocupadas estão-no somente com os piropos lançados por homens a mulheres. Só esses foram mencionados (estava mesmo à espera de outra coisa?!).

Quanto à urgência do debate, ela é tanta quanto qualquer outro assunto dos que têm feito parte do menu do BE, não?

Se esta maltosa ressabiada se preocupasse mesmo com questões de igualdade, estava mas era a defender a criação de quotas para as mulheres... nas obras!

Anónimo disse...

Vamos abrir mais uma frente de conflito com os países do sul da Europa ao regularmos os piropos em Portugal.
Está bonito está.
É desta que nos expulsam.

Anónimo disse...

Talvez esteja certo o comentário que li algures de que quem propôs esta iniciativa foi motivada pela raiva de nunca ter recebido nenhum piropo!

Anónimo disse...

Não admira esta nova charada do BE porque as deputadas que lá ficaram são tão feiocas que nunca devem ter ouvido qualquer piropo na vida... A ver se a Joana Amaral Dias e a Ana Drago se lembrariam de uma tolice destas.

A que falou, ontem, num dos notíciários nem de um trolha deve ter ouvido um simples "boneca"!

Isto não passa de um mero trauma das moçoilas do BE... devia haver uma concentração à porta da AR a gritarem-lhes uns tantos piropos e a ver se a coisa não mudava. O problema é que quem os dissesse teria que mentir e muito!!!

Uma preocupção destas não revela preocupação com a igualdade de género, mas tão simplesmente falta de ideias para a agenda política.

Os piropos, desde que não sejam ofensivos, fazem parte da cultura latina.

Isabel BP

Helena Sacadura Cabral disse...

Pois eu proponho que se mantenham alguns piropos e que se não perca esse hábito. Quem não se regozija com o "abençoada mãe que deu à luz esta filha!"?
Daqui a pouco o policiamento cívico das atitudes é tanto que a vida perde a graça...

Ao Anónimo das 00:36
A Ana Drago saíu da AR, mas não do BE, julgo eu.
Quanto à JA há muito que estava afastada e até lhe devem saber bem os merecidos piropos.

Anónimo disse...

Mui caro embaixador,

O tema que trás ao debate é da maior importância.Ou melhor, qeu BD trás ao debate. De facto, este é um país onde nada acontece, todos vivemos felizes e os temas do debate politico escasseiam de tal maneira que tudo o que permita manter ocupada a magna assembleia da república é sempre bem vindo. É verdada que é necessário fazer, pelo menos iniciar rapidamente, o debate, mesmo só de natureza epistemolóica sobre a diferença fundamenteal entre a expressão uma "boa mulher" ou "uma mulher boa". Por que isso, é de suma importancia, para manter bem vivo o necessário debate parlamentar, neste momento, incluir na agenda o que verdamente preocupa a nossa populaça. Não tivessemos nós aqui em Portugal outros problemas bem urgentes a tratar. O que é este debate comparado com a perda da soberania, a troika, a dívida publica, o desemprego jovem? Tudo! Viva o debate do piropo. A diferença entre uma boa mulher e uma mulher boa; o termo "és boa como o milho", comia-te toda, depois de provares não quererias outra coisa... Se não tivessemos uma esquerda assim, que pasmo, que tédio..

Anónimo disse...

A socióloga inglesa ainda queria ouvir piropos passados trinta anos? Por isso a sociedade mudou? Grande conclusão "cientifica"!...
Faz lembrar todos estes políticos que concluem que o povo é que deve ser despedido!
Para mim as mulheres são sempre bonitas! Cada vez mais! Claro, não são sempre as mesmas...
Quanto aos piropos, nunca os digo. Penso-os... Uma vez tive uma resposta: o senhor não se importa de me vestir!...

Anónimo disse...

O BE passou-se. E os outros riem-se.
Pois pois.
Quem aproveitará desta distração?
Pi

Patrick disse...

Esse é o momento em que este blogue, normalmente tão interessante, parece estar 50 anos defasado no tempo!

Portugalredecouvertes disse...


Há poucos dias vi um pavão macho com lindas cores na cabeça mas as penas do rabo estavam pequeníssimas, pareciam ter sido cortadas,
será que aquele leque de plumagem exuberante terá sido considerado "piropo" a uma fêmea das redondezas ?

Anónimo disse...

Esta é de se lhe "tirar o chapéu"! Parece que os nossos problemas, os principais, estão todos resolvidos. O BE no seu melhor. Pela opinião de outros comentaristas, as "meninas" do BE, estão preocupadas por nunca terem recebido piropos, daí terem protestado. Valha-as Deus...

ignatz disse...

se o vilhena fosse vivo, a joana-a-dias tinha sido capa da gaiola aberta.

Francisco Seixas da Costa disse...

Caro Patrick: este é o momento em que este blogue assume a sua (talvez no passado menos explícita) rutura com o politicamente correto que nos tolhe as graçolas que nos dá na real gana dizer. Por mim, digo hoje as mesmas piadas que dizia há 50 anos (acrescentadas com outras que aprendi desde então), sem o menor respeito pela evolução das limitações que entretanto se foram impondo socialmente. Tenho muita pena, mas sou assim.

Isabel Seixas disse...

Eu desde logo proponho que pelo menos ilibem as Enfermeiras de tamanha usura, uma das principais aquisições no acesso ao curso é a entrada imediata no valor acrescentado do imaginário da expressão da sexualidade do erotismo com classe...

Só nos faltava essa, agora que (já que a progressão no conhecimento não é valorizada com equidade como noutras profissões)íamos propor o registo da patente, persuadindo a dimensão mais ascética, do património decerto erigido com mérito(embora ninguém saiba como nasceu, nem porquê , nem como, oh irrelevante)da detenção dessa qualidade, hum no mínimo poética...

Oh!...Que Invejosas...

A Isabel BP é a HSC têm toda a razão...

Por cá também ainda se usa com intensidade sentida o "Ai és tão Boa , ou mais profundo o "És boa comó ......."!!... Costumes brejeiros, têm a sua graça...

opjj disse...

Piropos - qual é a maldição verdadeira? O galanteio não é muito mais pernicioso? Palavras de muita simpatia.
Por exemplo, boa tarde vizinha; hoje chove, não trouxe guarda-chuva;quer tomar um caféziho;eu dou-lhe boleia a si e à menina;que cãozinho tão inteligente,( se o cão for tão inteligente como o do Manuel Alegre- q no seu livro, até lhe chama burro)etc, etc.

Muita gente precisa é de dar banho ao cão, e alguns incomodam bem ladrando.
Cumprimentos

Anónimo disse...

Sr Silvestre: lançar ou não é mesmo de cabeças sem rumo nem ideias !!!!!!

Alexandre

Anónimo disse...

pleo que se lê, é caso para dizer

gostam pouco, gostam!...

a proposito dos piropos, ja se vê...


bem haja

Anónimo disse...

Depois de tantas intervenções, proponho que se faça um concurso neste blogue sobre piropos. Para avaliar os melhores, proponho para jurados(as) o Manuel Luís Goucha (Antes Trouxa que Goucha), a Teresa Guilherme (Olá, Santa Teresinha!) e a Manuela Moura Guedes(Se fosse milionário, botoxava-te). Como em Maio de 68, a imaginação ao poder!!!

Patrick disse...

A maioria dos homens neste vídeo, a partir de uma pequena mudança no ponto de vista da situação, parecem entender que o problema não é de menor importância: http://www.youtube.com/watch?v=FaG7PUAHzb4

Anónimo disse...

Lido por aí :

“Depois da ideia do Bloco de discutir a criminalização do piropo, aquele Tribunal do Porto que ainda é a única pessoa neste país que defende os bons costumes já veio condenar essa medida, defendendo que o piropo pode ajudar a esquecer as agruras da vida e aumenta a produtividade.

«Imagine-se o trabalhador que já tem de passar o dia no andaime a assentar tijolo e que ao ver passar uma boa, nem sequer pode chamá-la para fazer uma proposta indecente, mesmo consciente que a hipótese de a boa aceitar é menor que a do tijolo ganhar vida e começar a assentar-se sozinho», escreve o Tribunal numa nota.

O colectivo de juízes lembra, também, que se a boa não se importar de ouvir os piropos e se não se importar de passar mais vezes lá à frente, a obra acabará mais depressa, na medida em que a produtividade aumenta, e toda a sociedade ganha com isso.”

Alexandre

Anónimo disse...

Patrick 50 anos para mais ou para menos?

diogo disse...

e onde fica a liberdade de expressão ?
os palavrões já eram condenados , por isso vai-se proibir o quê ?

Anónimo disse...

Patrick, O cinzento não lhe fica nada bem! Ou Fica?

Helena Cascais

Anónimo disse...

Cara Isabel Seixas
A 'velha senhora', como é por aqui conhecida a minha velha amiga, agradece e retribui as saudades, que considera um piropo da sua parte:

agradeço e só é pena
vir de cachopa o piropo
piropo é lenço que acena
mas prefiro os de cachopo

A senhora regressou agora de viagem ao estrangeiro, ainda combalida de corpo - mas sempre ativa de espírito, como se vê. Sobre o tema em debate, ditou-me um sonetilho que diz ter cometido no hospital onde esteve brevemente internada (confesso que, por uma vez, não acredito na minha amiga, pois seria demasiada coincidência!):

adoeci no estrangeiro,
'stou num leito de hospital.
de mim cuida um enfermeiro
bem bonito, por sinal,

que um piropo diz, gaiteiro:
"a senhora não está mal".
"piropava-te eu, inteiro!"
- penso e calo, pois não vale

dar piropos de tal jeito
a quem jamais posso ter,
velha, pronta é já pra me ir.

mas o moço é tão bem feito!
vou descobrir-me e dizer:
"bonitão, vem-me cobrir!"

Helena Oneto disse...

Ah! que prazer em ver de novo a "velha senhora" por aqui:)!

Isabel Seixas disse...

Cara amiga

Não tivera eu de fazer,
pataniscas de bacalhau
com arroz de tomate coração
punha o teclado a correr,
depois da sua alusão ver
lembrava-me do estilo marau
escrever-lhe-ia piropos até à exaustão

mesmo assim Eufórica e frenética
como há muito já não estava
Hum, há mais tempo eu soubesse
que de reanimação precisava,
com "bejusinhos" anti- stress,
e pensamentos na estética
ó convalescença de um ermo
desintoxica-A até do governo...

Os piropos como o algodão doce
Dissolvem-se no momento
O autor às vezes usa a tosse
Para captar um olhar de alento

O destinatário faz que não liga
Mas vai inflacionando o ego
Assume um ar de fadiga
Fica com aspeto de patego

Quanto à inclusão no código penal
Talvez aí possamos algo fazer
Cara amiga, piropos não fazem mal
mesmo os da nossa idade não há que temer

alguns atrevidos fazem um escarcéu
ao de parar por trás Liceu e pela frente museu...

Já o piropo murro no estômago
do execrável está mais gordinha
vem de quem parece um termómetro
insensibilidade,cabeça de galinha...

pois vamos ficando com o prazer
e à falta de mais não perecer
perante piropos inteligentes de desfalecer
como De " bem conservada" padecer...





Patrick disse...

Vamos ouvir a opinião das mulheres sobre essa "questão menor", que só afeta o seu direito de ir e vir:

- Você acha que ouvir cantada é algo legal?
Sim 17%
Não 83%

- Você já deixou de fazer alguma coisa (ir a algum lugar, passar na frente de uma obra, sair a pé) com medo do assédio?
Sim 81%
Não 19%

- Você já trocou de roupa pensando no lugar que você ia por medo de assédio?
Sim 90%
Não 10%

- Você já foi xingada porque disse não às cantadas de alguém?
Sim 68%
Não 32%

Fonte: http://thinkolga.com/2013/09/09/chega-de-fiu-fiu-resultado-da-pesquisa/

Anónimo disse...

Réplica da 'velha senhora' à sua amiga Isabel Seixas:

invejo amiga o à-vontade
no fazer versos - que é o seu
rimar sem metro certo há de
dar muito mais de liberdade
do que o rigor - que é modo meu

pra mim rimar é executar
p a l a v r a s c r u z a d a s e x a t a s
tem cada letra seu lugar
e metro e rima hei de pesar
com manias de psicopatas

distraio-me a brincar assim
sem pretensões de ser poeta
cultivo alegre o meu jardim
fingindo não não ver o fim
tão perto já - velha pateta

Isabel Seixas disse...

Sr. Embaixador se me permite prosseguir o comentário personalizado ao post

cara amiga

"p a l a v r a s c r u z a d a s e x a t a s"

Eu sou mais quebra cabeças
na métrica libertina
refugio-me nas peças
de verso livre com rima

mensurar com exatidão
refém da geometria
enerva-me e com paixão
provoca-me alergia

um verso invetebrado
sem o risco de fratura
pode também ser julgado
mérito pela candura...

agora rigor por rigor
prefiro a anarquia
traduz-me sim, muito melhor
mesmo não sendo poesia...

quanto a usar plágio
só mesmo o criativo
criando o adágio
é do autor o seu crivo

sendo que nada mudará
a admiração que sinto
concedendo-lhe alvará
grande poeta,não minto...

Agora se brinco? Brinco


Lembro Um poeta com o Seu rigor e penso à sua altura...

Sempre evitei falar de mim,
falar-me. Quis falar de coisas.
Mas na seleção dessas coisas
não haverá um falar de mim?

Não haverá nesse pudor
de falar-me uma confissão,
uma indireta confissão,
pelo avesso, e sempre impudor?

João Cabral de Melo Neto