segunda-feira, 29 de maio de 2017

A Lusofonia e os interesses externos de Portugal


O embaixador António Monteiro, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, é seguramente uma das figuras diplomáticas portuguesas que melhor conhece África.
Nascido ele próprio em Angola, teve como um dos seus primeiros postos profissionais Kinshasa. Mais tarde, noutras funções, viajou amplamente pelo continente, vindo a ser figura central na negociação dos Acordos de Bicesse. Chefiou depois, em Luanda, a Comissão Conjunta Político-Militar para a implementação do acordo. Como Diretor-geral Político-Económico do MNE, deve-se-lhe o "desenho" da CPLP, que ajudou a construir. Embaixador na ONU e em Paris (curiosamente, vim a suceder-lhe em ambos os postos), continua hoje a seguir com atenção o mundo da lusofonia, a que está ligado em termos profissionais.
É uma reflexão aberta sobre os interesses que compete a Portugal defender nesse âmbito que António Monteiro irá fazer, a meu convite, em mais uma sessão das conferências sobre "Os interesses de Portugal no mundo", semanalmente organizadas pela Universidade Autónoma de Lisboa, numa parceria com o jornal "Público".
A conferência do embaixador António Monteiro terá lugar na 3ª feira, dia 30 de maio, pelas 18.00 horas, na Universidade Autónoma de Lisboa, Rua de Santa Marta, nº 56, em Lisboa.
A entrada é livre, até ao limite de disponibilidade da sala.

3 comentários:

Augie Cardoso, Plymouth, Conn. disse...

Entao Parabems ao so doutor Monteiro, o imperador do imperio da llingua portuguesa. O factor unificador das tribos poligamistas de Angola e outros locais africanos.
Sobretudo agora QUE o frances esta a passar ao estatuto de lingua morta. Vai sendo trocado pelo arabe, a porrada ou por amor.
Nas Americas o portugues vai coexistindo com o ingles e Impondo a existe via. O castelhano ainda e falado por MEIA duzia de americanos Zangados. Como na Espanha, um pais de bananas, ocupado por sacanas. Mas porque se lhes vai permitir de por o lixo nuclear na fronteira de tras OS montes?

Anónimo disse...

Augie
O seu comentário pouco o elogia e envergonha grande número de portugueses da diáspora.

Manuel do Edmundo-Filho disse...

Lusofonia!? O que é isso? Qua comunidade é essa? Com que laços se entrelaça? Quem teceu essas laçadas? A esta última interrogação ninguém ousa responder!