quarta-feira, 24 de maio de 2017

Braga

"Com que então vais amanhã a Braga! Não te esqueças de levar o Pacheco como guia! Um abraço!" E desligou. Foi ontem à noite, ao telefone com um amigo.
Como estava apressado para outros afazeres em Lisboa, não me interroguei muito sobre o críptico Pacheco referido.

À noite, pus-me a pensar. Seriam os guias do Helder Pacheco? Mas, que eu soubesse, ele só tinha escrito sobre o Porto. Às tantas, haveria algo sobre Braga que eu não conhecia.
O Pacheco Pereira não era, pela certa. Li tudo o que escreveu e não me recordo de Braga ter particular saliência em algum escrito seu.
E até me veio a memória o Pacheco do Eça, esse "imenso talento" que para nada servia. Mas também não passara por Braga.
Num segundo, fez-se-me luz! Era o Luiz Pacheco, claro! O meu amigo, numa referência geracional, quis falar de "O libertino passeia por Braga, a idolátrica, o seu esplendor", esse opúsculo "maldito" que tanto escândalo provocou à época.
E, embora tardiamente, "ofendi-me"! Libertino, eu? Ou seria uma graça por ele me saber, por estes dias, "de Rodriguez" - esse estado de pontual liberdade matrimonial que os espanhóis crismaram para a história da blague.
Seja como for, amanhã vou reler o Pacheco.

Sem comentários: