segunda-feira, 29 de maio de 2017

Notícias raianas


António Costa e Mariano Rajoy encontram-se hoje, em Vila Real, numa cimeira entre governantes de Portugal e de Espanha. Não qualifico de "ibérico" este encontro peninsular por (boas) razões que quatro décadas de Necessidades me ajudaram a cultivar (e que não são para aqui chamadas).

(O encontro tem lugar na minha terra, em Vila Real, uma cidade pouco dada às luzes da ribalta mas que uma gestão camarária recente muito inteligente tem vindo a recolocar no mapa.)

Há uma semana, também em Vila Real, os presidentes dos parlamentos dos dois países, acompanhados de deputados de todos os principais partidos, debateram já alguns temas de interesse comum. Tive o gosto de ser convidado para fazer, na abertura desse encontro, uma intervenção em que elenquei os grandes desafios europeus que os dois países devem enfrentrar na Europa que aí vem.

Notei, nessa ocasião, que as "sintonias" político-partidárias entre Lisboa e Madrid raramente foram o terreno necessário para um entendimento frutuoso. Cavaco Silva e Felipe Gonzalez ou António Guterres e José Maria Aznar foram a prova provada disso, com o contraponto do "tandem" menos bem sucedido entre José Maria Zapatero e José Sócrates. Esperemos que Costa e Rajoy confirmem a "regra".

O grande tema da Cimeira de hoje é a cooperação transfronteiriça. Há mais de 40 anos (acho que já referi isto por aqui, pelo que peço perdão por eventual repetição), dois jornalistas espanhóis escreveram um livro (não sei se editado por cá) intitulado "La  Raya de Portugal, la frontera del subdesarollo", que evidenciava que a pobreza e o subdesenvolvimento rimavam com a proximidade a Portugal. Anos antes, um grande jornalista português, Manuel da Silva Costa, escrevia o "Portugal país macrocéfalo", um retrato trágico de como então (e não havia o Pordata) o país era Lisboa e "o resto" era "paisagem".

As coisas mudaram muito. Em Espanha, seguramente para melhor, com um excelente "aménagement du territoire" (expressão francesa para a qual "ordenamento" me não satisfaz), que não atenuou pr completo algumas debilidades. Por cá, embora com variantes de acordo com a região, o despovoamento, a desertificação e a pobreza "qualitativa" acabam por marcar a esmagadora realidade da nossa zona raiana.

Por essa razão, ter a cooperação transfronteiriça no topo da agenda da cimeira é um ato de inteligência e bom-senso. E tentar encontrar maneira de ancorar essas zonas a apoios europeus é excelente.

Queria apenas fazer um alerta, a propósito de uma realidade que, no entanto, e no essencial, não se alterou nas últimas décadas. As realidades institucionais que, de ambos os lados da fronteira, enquadram os modelos transfronteiriços são muito assimétricas: de um lado estão Autonomias, democraticamente fortes, com estruturas poderosas e testadas. Do lado de cá, à falta de regionalização (e pouco importa aqui se ela seria desejável ou não), temos apenas CCDR e municípios, associados ou não. 

Torna-se assim muito importante para Portugal garantir que essa assimetria se não converte num fator de fragilização da posição das entidades nacionais, quando chegar a hora da gestão da soluções comuns e do desenho e colocação no terreno dos mecanismos para dar expressão prática à cooperação transfronteiriça. É essencial que o peso específico de um dos lados não prevaleça sobre o outro em moldes que possam configurar uma qualquer hierarquia de interesses. E mais não digo, porque as entidades a quem esta mensagem se destina sabem bem do que estou a falar.

4 comentários:

Reaça disse...

Antigamente, antes do achincalhante nuclear raiano, havia melhores entendimentos.

Nem vinham a Lisboa, nem iam a Madrid, ficavam pela merida que ficava mais perto de Lisboa que de Madrid.

«Uma coisa é uma coisa...»

Luís Lavoura disse...

Outra assimetria está em que, enquanto que as zonas autónomas raianas espanholas (Galiza, Castela e Leão, Extremadura, Andaluzia) são distintas das zonas não-raianas mais desenvolvidas, as zonas não-autónomas portuguesas (Norte, Centro, Alentejo) misturam zonas raianas subdesenvolvidas com zonas litorais desenvolvidas. Ou seja, os interesses estão difusos e misturados do lado de cá, bem focados do lado de lá.

patricio branco disse...

pois badajoz é agora a maternidade de 1 português por dia, assim ficou entendido desde o fecho da maternidade do hospital de elvas, não o 1 por dia mas badajoz.
ibérico não é um conceito feio, é algo como balçãs, escandinavia, mas lembra tempos passados, franco e salazar almoçando em mérida, imagino que o nosso comeria coisas de dieta, galinha cozida com arroz branco e água mineral, que o deles, caçador e pescador, comeria lebre ou perdiz ou uma boa truta, tambem imagino que não gostariam muito um do outro embora um necessitasse do apoio do outro. tambem imagino que o de lá se risse um pouco do de cá.
bem o rio guadiana e o tejo e outros tambem devem ser cuidados na cimeira.
um ritual anual já antigo

Jacinto Saramago disse...

Acompanho-o de vez em quando, e desta vez o título despertou atenção: Noticias Raianas!!
Pois bem, sr. embaixador, não sei se a cimeira trouxe boas noticias à raia, mas neste entretanto, permita-me que link noticias rainas, da raia, onde Portugal e Espanha se misturam e confundem: de BARRANCOS, onde vai decorrer o Congresso Internacional sobre o Barranquenho (a nossa língua), é já dia 2 de junho,

abç.
J. Saramago

http://www.cm-barrancos.pt/eventos/congresso%20barranquenho/Nota%20de%20imprensa%20-%20Congresso%20Internacional%20sobre%20o%20Barranquenho%20(02-06-2017).pdf

http://www.cm-barrancos.pt/ (programa)