domingo, 6 de agosto de 2017

Coreia


É muito significativo o (raro) voto unânime do Conselho de Segurança da ONU que impõe sanções acrescidas à Coreia do Norte, em condenação pelos recentes lançamentos balísticos e atividades conexas de natureza militar. 

Ver a Rússia e a China a votar ao lado dos EUA, França e RU, é a prova clara de que a atividade do regime norte-coreano começa a ser vista como gravemente desafiadora da paz internacional - salvo para uns desaparafusados mentais que, nomeadamente por cá, reivindicam o direito do regime de Piongyang de se armar "contra o imperialismo".

Nos últimos anos, a Coreia do Norte tem contado com alguma complacência da China e da Rússia, mas apenas porque estes seus vizinhos temem, não sem razão, que um colapso do regime, nomeamente por via militar, possa vir a desequilibrar geopoliticamente a região, conferindo novos avanços estratégicos aos EUA e abrindo caminho a uma reunificação sob o "template" político da Coreia do Sul. Mas é hoje mais evidente do que nunca que a ambos os países é desconfortável ver nascer um novo poder nuclear, ainda por cima titulado por um regime imprevisível, no seu "near abroad".

10 comentários:

Anónimo disse...

Pois, é bonita a referência à unanimidade do conselho de segurança e à luta contra o imperialismo enquanto falso pretexto.

Mas do ponto de vista pessoal do ditador norte-coreano não haverá um módico de racionalidade em vez da loucura de que o acusam?

Quem viu o que aconteceu a tiranos como Saddam Hussein ou Khadaffi pode bem recear que bombas estrangeiras lhe caiam palácio adentro, prelúdio a um acabar de vida no meio de tortura. Com a arma atómica nas mãos a probabilidade de lhe entrarem porta a dentro como se viu fazer muitas e muitas vezes reduz-se ou não se reduz?

Anónimo disse...

V. Exa. especificou que os desaparafusados mentais eram "por cá". Ficam, portanto excluídos os que vivam no estrangeiro. É pena, porque fazia-lhes bem levarem uma bordoada sua de vez em quando...

Anónimo disse...

Os comunas estão a ficar com um problema. Até aqui, os comunas apoiavam a China, a Rússia e a Coreia do Norte (a isto juntava-se o Burkina Faso desde que à sua frente estivesse um qualquer palhaço que gritasse contra o imperialismo americano). Agora, os comunas começam a ficar confundidos. A proto-ditadura russa não tem simpatia pela Coreia do Norte. A ditadura chinesa começa a perder a paciência com a CN... E os comunas, que abanam a cauda ao Putin, que abanam a cauda ao gajo chinês, agora... para abanarem a cauda ao canalha da CN, têm de rosnar à Rússia e à China. Isto de se ser comuna é como os contorcionistas - é preciso ter agilidade. Não será à toa que os melhores contorcionistas são camaradas da Mongólia...

Joaquim de Freitas disse...

O Senhor Embaixador, como diplomata, analisa melhor que eu esta situação. Mas o voto da China e da Rússia, na ONU, me faz sorrir, na medida em que, eles mesmos se dotaram da arma nuclear para se protegerem dos Americanos… E a França, da Alemanha.Ou da Rússia! E Israel, do Irão e dos Árabes… Difícil de conceder o direito a uns e recusà-lo a outros.

O que é certo é que os EUA têm interesse a manter a instabilidade na Ásia, com uma presença militar maciça que dificulta as relações entre a China, a Coreia do Sul, a Coreia do Norte, o Japão e a Rússia. Tanto mais que a sua presença em Okinawa não se passa sem dificuldades.

Joaquim de Freitas disse...

O Senhor Embaixador emitiu uma opinião respeitável. Mas também podia emitir outra, que vai no mesmo sentido.
Quando escreve que, “unanimemente”, desta vez, mesmo a Rússia e a China votaram na ONU, contra a Coreia do Norte, porque”, cito:” não sem razão, (temem) que um colapso do regime, nomeamente por via militar, possa vir a desequilibrar geopoliticamente a região, conferindo novos avanços estratégicos aos EUA e abrindo caminho a uma reunificação sob o "template" político da Coreia do Sul”,

Mas para a Coreia do Norte, a força de dissuasão nuclear é necessária, tendo em conta a ameaça constante dos EUA !

A Coreia do Norte deseja assinar um tratado de paz e um acordo de não agressão com os EUA. O que tornaria ilegítima a sua ocupação por um inimigo tal que os EUA, e permitiria a reunificação da Coreia.
Assim, as armas nucleares não seriam mais necessárias….

Ora os EUA não querem assinar acordo nenhum. Nem negociar directamente com a Coreia do Norte.

Correndo o risco de entrar na família dos “desaparafusados” , que assumo, embora eu esteja cá fora, direi que deve ser difícil para a Coreia do Norte de viver sob a ameaça constante de ser destruída pela armas atómicas dos EUA. Que estão à porta da sua casa…

Mas de facto, porque é que eles são ameaçados de exterminação e pela culpa de quem?

Os Coreanos detêm a prova irrefutável que os EUA tinham previsto de atacar a Coreia do Norte em 1950. Esta prova foi recuperada durante a guerra de Coreia. (Como o Iraque em 2003).
O ataque foi efectuado pelos EUA e os Sul Coreanos, ajudados por oficiais japoneses que tinham invadido e ocupado a Coreia durante muitos anos.

Os EUA pretenderam que a defesa e o contra ataque inesperado dos Coreanos eram uma “agressão”, e manipularam os media para incitar a ONU a apoiar uma “operação de policia”, o eufemismo que escolheram para qualificar a sua guerra de agressão contra a Coreia do Norte. Depois, foram três anos de guerra e 3,5 milhões de vítimas coreanas. Desde então, os EUA ameaçam de guerra iminente e de destruição total este país.

Em 1950, pois que a Rússia não estava lá para votar no Conselho de Segurança, o voto da ONU em favor da “operação de polícia” era ele mesmo ilegal. O regulamento interno obriga à presença de todos os membros no Conselho de Segurança, como sabe, certamente melhor que eu, senão a sessão não podia desenrolar-se.
Mas os EUA, saltaram sobre a ocasião do boicote da ONU pelos Russos (, que defendiam a presença da China Popular no lugar do governo do Kuomitang vencido), para se apoderar da “maquinaria” da ONU e fazer votar, a França, o RU, e o Kuomitang, para apoiar a sua guerra de Coreia. O voto era ilegal, mas os EUA, como de costume, importam-se pouco da legalidade quando os seus interesses estão em jogo. Viu-se no Iraque, na Líbia, no Afeganistão e algures…

E desencadearam a guerra, que visava a ocupar a Coreia do Norte, e em seguida a Manchúria e a Sibéria. Vasto projecto do após guerra 45.

Durante as minhas visitas de trabalho a Seul, conversei muito com alguns colaboradores da firma e fiquei sempre com a impressão, que aqui, no Ocidente, ninguém tem a mínima ideia do que foi o sofrimento dos Coreanos durante a dura guerra infligida pelos Americanos, debaixo dum tapete de bombas diário e o bombardeamento dos civis em fuga, em voos rasantes,

O New York Times escrevia na época, que mais de 7 700 toneladas de napalm foram largadas durante os 20 primeiros meses de guerra, e mais bombas que sobre o Japão anos antes.

Esta realidade não pode ser esquecida pelos Coreanos. Que não desejem a sua repetição , e não podemos culpá-los disso.

Anónimo disse...

@Anónimo 7 de agosto de 2017 às 08:24

Certeiro o seu comentario.

Anónimo disse...

@Anónimo 7 de agosto de 2017 às 16:27

Sim totalmente de acordo,
"Isto de se ser comuna é como os contorcionistas - é preciso ter agilidade"
por ca entao os comunas seguidores do querido lider pregador de Massama que nacionalizou a EDP ao partido comunista chines,
a REN ao partido comunista chines e aos islamitas terroristas dos arabes e os bancos Portugueses aos ditadores Marxistas Angolanos,
manifestamente nao teem espinha dorsal

Anónimo disse...

@ Joaquim de Freitas

Felizmente há pessoas como voçê com bons conhecimentos historicos, bem informado, expressa-se sem medos e faz uma correcta analise dos acontecimentos.
Sinceramente começa a causar-me incomodo (para nao utilizar uma palavra bem mais forte) que pessoas que devido a sua carreira profissional deveriam saber um bocadinho mais destas coisas mas revelam ignorancia total digna dos homens das cavernas. Ou pior ainda, sabem mas deturpam a analise recorrendo a subtilezas para induzir as pessoas numa determinada opiniao e tentam condicionar opinioes diferentes com rotulos ja muito batidos.

Para terminar e em relação aos desaparafusados

Quem é afinal desaparafusado?
Alguem que quer o poder nuclear para utilizar como dissuasão.
Ou alguem que ja o tem e mudou a doutrina militar para utilizar um primeiro ataque nuclear preventivo?

A nivel de preocupacoes nucleares lembrem-se que o Paquistao e a India teem armas nucleares e as tensoes entre ambos sao grandes e no caso do Paquistao nao se sabe muito bem a quem eles as podem fornecer.

Joaquim de Freitas disse...

Anónimo de 7 de Agosto de 2017 às 21:32

Simplesmente, obrigado por me ler e comentar, Caro Anónimo. Tinha pensado também no exemplo do Paquistão e da Índia, mas ficou nas teclas… Mas, como disse e bem, o caso do Paquistão é mais sensível, porque pode pôr as armas nucleares nas mãos de não importa quem. Mas é um aliado. Curiosamente, isso não parece afectar muito os EUA. Como não os afecta que outro aliado, Israel, continue a espoliar os Palestinos da sua terra, à sombra do pára-sol nuclear de que se dotaram graças aos EUA. E à impunidade de que gozam na ONU a cada votação.
O que me irrita sobremaneira é a ignorância de milhões de pessoas nos países ocidentais, que criticam a Coreia mas que desconhecem que a Coreia do Sul é de facto uma gigantesca base militar americana, dirigida contra a Coreia do Norte e contra a China. Todos os anos, manobras militares , conjuntamente com o Japão, reúnem 140 000 soldados, porta-aviões e bombardeiros estratégicos, isto é transportando a bomba atómica, desenrolam-se ao largo das costas coreanas. Mas quantos sabem disso no Ocidente?
Os que criticam e insultam os Coreanos são os mesmos que pretendiam que o Iraque de Saddam Hussein possuía armas de destruição maciça, e que o mataram depois de ter destruído o seu país.
São os mesmos que disseram que Mouammar Kadhafi tinha bombardeado Benghazi, e que o mataram depois de ter destruído o país.
O Ocidente é o país da mentira que insulta a Coreia do Norte. Que seria um país agressivo! Mas quem é agressivo, os Coreanos que nunca tiveram um soldado fora do seu país, ou os Americanos que têm os seus por todos os lados no vasto mundo e agridem realmente os povos ?
E quando a agressão não é militar, é económica, que pode fazer ainda mais mal.
Como por acaso, o Congresso americano, sob a injunção de Trump, decretou há dias, mais um “pacote” de sanções económicas contra a Rússia.
Vejamos bem: Trata-se de quê?

Trump assinou um decreto punindo os Russos por terem “presumidamente” interferido na sua eleição….Nunca provado, mas que importa!

As sanções americanas não são só dirigidas contra a Rússia, mas contra todas as empresas e contra as nações que cooperam com a Rússia em matéria de energia.

Como se os Europeus fossem tão estúpidos que não vissem nestas sanções uma tentativa para nos obrigar a comprar o gás americano, que custa caro, no lugar do russo, muito mais barato, transportado por gasodutos.

O objectivo imediato é o gasoduto Nord Stream 2, entre a Rússia e a Alemanha, que atravessa o mar Báltico para evitar os pontos de conflito potenciais na Europa de Leste.

As sanções constituem uma ameaça para a independência da politica energética alemã (assim como da França, Holanda, Áustria).•
Em consequência, uma sondagem recente diz, que, para 35% dos Alemães os Estados Unidos são a “principal ameaça para o país”. Mas isso não apoquenta os Americanos. Só os seus interesses geo estratégicos contam. Tal é a política do Império.

Anónimo disse...

Li noutro lado algo que talvez justifique mais a unanimidade contra a Coreia do Norte.

Os russos e chineses estão é preocupados com o tresloucado dos EUA, nova variável da equação.

Em relação ao outro talvez pouco tenha mudado, lá continuará os testes como sempre fez, sem que saiam dali. O que China e Rússia receiam é o que sairá dos EUA.