terça-feira, 2 de janeiro de 2018

O lóbi das mangas soltas

Nestes dias que passo por Vila Real, não consegui ainda aferir se o famoso “lóbi das mangas soltas” continua a vigorar pelas ruas da cidade. O que é esse lóbi? O que o carateriza?

É um vício antigo, geracional, em que provavelmente algumas pessoas nunca repararam. Há por Vila Real, desde há muito, um bando de maduros, renovado pelas gerações, que nunca veste a samarra, a gabardine ou o sobretudo. Coloca essa peça de vestuário pelos ombros e passeia-se sempre dessa forma, faça frio ou chova. Se a temperatura desce, ou a água puxada a vento ameaça a integridade do resto do vestuário, o membro do lóbi tem por gesto reflexo cruzar à frente, com as mãos, a cobertura que traz aos ombros, assim se aventurando, inclinado, cosido às paredes, pelas ruas da urbe. Mas - nunca por nunca - ele cederá a esse gesto de fraqueza que significaria vestir a peça, porque nunca dispensa o ar “négligé” que a prática de a colocar pelos ombros encerra. Talvez porque, à chegada ao café ou à tasca ou a casa, isso lhe permite, displicentemente, deixar cair o adereço sobre uma cadeira ou pendurá-lo num bengaleiro.

O meu querido e velho amigo Zé Araújo, também conhecido por “Foquita”, há muito desaparecido, era um dos mais visíveis cultores dessa arte. Jamais aquela samarra negra lhe foi vista vestida, mesmo nos dias em que o “alvo manto de neve” (“imaginativa” linguagem da imprensa local, repetida a cada nevão, desde as calendas) cobria a sua Avenida Carvalho Araújo. Nunca cuidei em inquirir da razão de fundo desse hábito, mas não me admiraria se me retorquisse, com a ironia seca no esgar, de que “não se deve dar muita confiança ao chiasco”.

4 comentários:

Anónimo disse...

A meu ver, essa seria uma forma do inconsciente demonstrar que sim, que tem dinheiro para uma boa peça de roupa, mas na realidade, a sua boa "forma física" nem dela necessita. eh eh eh

ARPires disse...

Agora que abordou aqui este assunto, veio-me à lembrança em tempos idos ver uma boa meia dúzia de pessoas assim vestidas, mas nunca dei grande importância.
Chamado o tema à primeira página é curioso o fato e o facto.

Anónimo disse...

Tal e qual a Melania Trump!!!

Bom ano

PSICANALISTA disse...

Conversa da treta à parte(que por aqui vai havendo de sobra),convenhamos,que cada um se sente mais ou menos confortável, com o dito vestuário de um ou outro modo.
-O homem é um animal de hábitos,quando adquiridos se prolongam até ao seu horizonte temporal!!!