domingo, 4 de fevereiro de 2018

Robert Escarpit


Há quase cinco anos, escrevi no meu blogue um “post aberto” ao jornalista Ferreira Fernandes. 

Numa das suas crónicas na última página do “Diário de Notícias”, ele havia-se insurgido pelo facto dos diplomatas aposentados terem sido aparentemente poupados aos cortes da malta da “troika”. Ora eu, que era aposentado, e que tinha levado uma “talhada” de algumas centenas de euros, entendi dever esclarecer que o jornalista quereria talvez falar dos diplomatas “jubilados”, que é uma coisa diferente de ser-se aposentado, aproveitando, de caminho, para esclarecer as razões pelas quais esses meus colegas não tinham sido objeto de cortes (porque já antes os tinham sofrido, noutro contexto). 

No meu texto, “desculpei” Ferreira Fernandes: “Eu imagino as limitações de espaço da sua coluna na folha de Oliveira, embora, vá lá!, ele seja um pouco mais do que aquele que o Robert Escarpit tinha no "Le Monde" “.

Ontem, no mesmo DN, aproveitando um dia em que tem mais “largueza” de carateres, ocupando toda a última página, Ferreira Fernandes fala bastante de Robert Escarpit, num excelente artigo, que muito recomendo.

Nele refere, “en passant”, aspetos da vida daquele professor de Bordéus que, durante 30 anos, escreveu a tal minúscula e muitas vezes genial crónica (cerca de 700 carateres) na primeira página do “Le Monde”. 

Ferreira Fernandes e eu temos a mesma idade (na realidade, ele é uns meses mais novo...). Começámos a ler o “Le Monde” praticamente ao mesmo tempo, mas não sabia que éramos parceiros na admiração pelos textos de Robert Escarpit. 

Como referi no meu “post aberto”, o jornalista tem, na sua coluna “Um ponto é tudo”, no DN, um pouco mais de espaço do que aquele de que Escarpit dispunha. Mas comunga com ele da qualidade sintética da grande escrita, aquela que faz a diferença entre os grandes jornalistas daqueles que, como dizia Batista-Bastos, são injustamente acusados de o serem.

2 comentários:

Anónimo disse...

"Allahu Akbar"?

dor em baixa disse...

Leio, mas não aprecio a forma seca do seu gongorismo.