domingo, 11 de fevereiro de 2018

Um certo Portugal


12 comentários:

Joaquim de Freitas disse...

Aquele que faz sonhar cada vez mais de Europeus, sem os …inconvenientes !

Joaquim de Freitas disse...

Aquele que faz sonhar cada vez mais de Europeus, sem os …inconvenientes !

Os olhares da Gracinha! disse...

Um Portugal que eu amo e um belo olhar! bj

Luís Lavoura disse...

Deve ser a estrada entre Castelo de Vide e Portagem (Marvão).

Luís Lavoura disse...

De acordo com as novas determinações de António Costa, todas estar árvores deveriam ser cortadas e mortas, pois se encontram a menos de dez metros da borda da estrada e podem pegar fogo.
Ou talvez não. Não se percebe bem o que António Costa pretende.

Portugalredecouvertes disse...


Sr. Embaixador,
ainda não são as amendoeiras em flor !
elas precisam de apoio :)

Anónimo disse...

Em França, nos idos dos anos 60 do século passado, dizia-se que num desastre numa estrada parecida com a da imagem alguém tinha beijado um plátano. Ou seja o carro tinha saído da sua faixa de rodagem e tinha-se enfaixado na árvore.
A imagem é bonita mas a estrada perigosa.

Anónimo disse...

Para bom entendedor, meia palavra basta.

A Nossa Travessa disse...

Meu caro amigo Francisco

Plagiando, esta é a estrada da paz celestial

Um grande abraço do teu amigo e camarada

Henrique, o Leãozão

Luís Lavoura disse...

o carro tinha saído da sua faixa de rodagem e tinha-se enfaixado na árvore.
A imagem é bonita mas a estrada perigosa.


Bem observado.

Ademais, sob certas condições de luz solar a alternância de luz e sombra provocada pelas árvores torna a estrada mais difícil de ver.

Luís Lavoura disse...

Se um dia fôr necessário alargar esta estrada, todas as árvores terão que ser derrubadas.

palavras ditas disse...

Guardo lembranças de vários troços como este, em estradas do Alentejo-Castelo de Vide, região de Nisa, Mora- Montargil, mais a sul Almodôvar-Mértola e muitos outros. E, com as imagens, a sensação de frescura no interior do carro, quando no verão atravessávamos esses abençoados túneis de árvores centenárias.
Conservem-nas, tratem-nas, estimem-nas. Sejamos gratos a esses grandes amigos, de porte tão digno, resistentes e silenciosos.